Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Design em paisagens Explorando a alma da arquitetura suíça

Apesar de ser pequena, a Suíça possui uma boa arquitetura. Nem tudo é construído para a beleza, mas os melhores arquitetos suíços se destacam em transformar "materiais antigos" em tesouros duradouros ou efêmeros, como mostra um novo livro.

A delicately poetic 11-metre-high viewing tower at Reuss Delta by Lake Lucerne

A única estrutura humana no delta no Lago de Lucerna é uma torre cônica construída a partir de 48 troncos para observar aves e a beleza natural.

(Lucia Dagonda )

O livro "Sensibilidade suíça: a cultura da arquitetura na Suíça" é uma homenagem de 245 páginas em ensaios líricos, fotos e desenhos de alta qualidade. Mostra o aspecto criativo e a arte restrita dos arquitetos suíços que desfrutam de uma cultura sofisticada de design de construção.  Suas pequenas práticas criativas são apoiadas por um sistema de educação boa, artesanato de alta qualidade e competições abertas que incentivam jovens talentos.

O Albergue do São Gotardo.

(Ruedi Walti )

Entre as centenas de possibilidades, a autora Anna Roos se concentra em 25 edifícios diversos na Suíça, projetados por 15 técnicas de arquitetura suíças influentes. Eles variam desde a grandeza austera  do Albergue São Gotardo, no desfiladeiro do Gotardo, até uma torre de observação delicadamente poética de 11 metros de altura no delta do Lago de Lucerna e a elegância nítida de um acampamento de base temporário com abrigos de alumínio e madeira na montanha Matterhorn em 2014, enquanto a cabana histórica Hörnli estava sendo renovada.

"É o efeito perfeitamente atenuado que muitas vezes se vê na arquitetura suíça que lhe dá força", escreve Roos, enquanto admira o albergue alpino do Gotardo que imita seu cenário escarpado.

História da proeminência

Os suíços se destacam na arquitetura há séculos. O arquiteto suíço de língua italiana Francesco Borromini e seus contemporâneos, Gian Lorenzo Bernini e Pietro da Cortona, foram protagonistas do Renascimento italiano. Borromini começou aprendendo com seu pai, um pedreiro.

Bruno Giacometti, Jacques Herzog, Pierre de Meuron, Mario Botta e Peter Zumthor também ajudaram a colocar a arquitetura suíça moderna no contexto mundial.

O ponto central do livro é a entrevista de Roos com Peter Zumthor em sua casa em Haldenstein, no cantão dos Grisões, leste da Suíça. Ele descreve como, depois de um boom da construção na década de 1960 e 1970, foi necessário "reconstruir a reputação do arquiteto", mostrando responsabilidade com o meio ambiente e respeito pelo passado.

O venerado arquiteto suíço ganhou uma grande reputação internacional por seu trabalho, principalmente assumindo projetos pequenos e complexos. Seus prêmios anteriores incluem o Pritzker de 2009 - o prêmio de arquitetura mais prestigiado do mundo - e a Medalha Real da Grã-Bretanha em 2013. Seu mais novo prêmio é o da Associação dos Arquitetos Alemães de 2017 (BDA), honra que lhe foi concedida em 1º de julho

Zumthor é conhecido por seu uso cuidadoso de materiais - que respondem à localização e à função - e pela qualidade dos espaços interiores. Ele começou como marceneiro depois de aprender com seu pai, um fabricante de armários. Falando com Roos, Zumthor comparou seu processo de trabalho com um maestro e compositor com uma grande orquestra.

"Quero fazer algo que funcione bem e que se encaixa no lugar, como se fosse para mim. Eu tenho que estar entusiasmado com o projeto. O prédio deve caber no lugar. Ele deve se adequar ao seu uso ", diz Zumthor. "Eu desenho um prédio como uma música, como escreveria um livro, ou um poema, então é exatamente como deve ser".

Níveis de detalhe

Nos últimos anos, os jovens arquitetos suíços preferiram projetos modestos e madeira comprimida, concreto e chapa metálica em vez de pedra - devido preocupações econômicas, ambientais e de poupar energia. Enquanto trabalhava em seu livro, Roos disse que encontrou críticos de arquitetura que usam o termo "suíço" como sinônimo de "bom design".

"Se você me perguntar o que caracteriza a arquitetura suíça, uma das coisas que eu pensaria primeiro é o nível de detalhe na construção", diz Marilyne Andersen, professora de tecnologias de construção sustentável e reitorora da Escola de Arquitetura, Engenharia Civil e Ambiental No Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Lausanne (EPFL).

"O concreto é um material que muito usado na Suíça, mas com um nível de profissionalismo muito impressionante", diz Andersen, como exemplo.

Uma das 25 tendas construídas em alumínio e madeira para alpinistas na montanha Matterhorn no verão de 2014.

(Gaudenz Danuser )

Para ela, a arquitetura da Suíça é definida por suas características "sóbrias e despojadas" com uma conexão com o local onde é construído, seja nas montanhas, na orla do lago ou na planície.

Senso dos materiais

Nem todos as construções na Suíça foram projetadas de um ponto de vista estético, mas mesmo as mais banais geralmente são bem construídas. O icônico chalé suíço popularizado no século XIX vem em todos os estilos que vão do kitsch ao século 21, elegante. A maioria é construída a partir de materiais de construção disponíveis que podem suportar o clima alpino.

Os melhores arquitetos suíços fazem o moderno com o antigo, o natural com o urbano e o luxuoso com o econômico. Eles dependem de uma tradição de artesanato profundamente enraizada que permeia a marcenaria, carpintaria e outros campos relacionados, observa o livro, e há pouca divisão de classe entre o arquiteto e a artesão.

Outros fatores importantes são a prática de arquitetos que trabalham nas universidades, clientes que respeitam o bom trabalho e têm os meios para pagar, além do conhecimento profundo dos arquitetos suíços de seus materiais de trabalho.

"É essa profunda compreensão da natureza física de fazer objetos com materiais antigos - madeira, pedra, vidro, concreto - que se vê através dos edifícios de muitos arquitetos suíços, historicamente e hoje", escreve Roos.

No livro, o autor suíço-americano R. James Breiding contribui com um ensaio que destaca a precisão, frugalidade e confiabilidade que ele vê como principais características da arquitetura suíça. "Coletivamente", escreve ele sobre os 26 cantões da Suíça e 2.249 comunas, "é um laboratório para experiências arquitetônicas e, individualmente, é um sonho para qualquer arquiteto em desenvolvimento".

Paisagem orientada

Motivada por sua curiosidade na abordagem suiça do design, Anna Roos dá perspectivas privilegiadas e externas necessárias para explicar as mentes suíças por trás desses edifícios espetaculares - e a mistura de influências que produzem - o que descreve como uma "tradição de arquitetura rica e profundamente arraigada na Suíça".

Em uma entrevista, Roos, arquiteta, professora e escritora, enfatiza que os arquitetos suíços tendem a exibir um relacionamento íntimo com a paisagem, mesmo em ambientes urbanos.

"É essa capacidade de mostrar as qualidades inatas do material, pela própria qualidade inata", diz ela, "e colocá-los de uma forma que mantém o ambiente externo, que parece limpo e conciso e é maravilhosamente construído".



Adaptação: Claudinê Gonçalves

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×