Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Dinastia industrial centenária Fim de uma era: Thomas Schmidheiny joga a toalha


Fábrica da Holcim em Siggenthal.

A produção de cimento - aqui uma fábrica da Holcim em Siggenthal, no cantão de Aargau - era um dos dois principais pilares das empresas Schmidheiny.

(Reuters)

Thomas Schmidheiny, um dos principais acionistas da Lafarge-Holcim, está deixando o conselho de administração do maior grupo de cimento do mundo. Com sua saída de cena, aos 72 anos, a dominância de uma das mais significantes dinastias industriais suíças do século XX chega ao fim.

O fundador da dinastia foi o bisavô Jacob Schmidheiny, que assumiu em 1867, no leste da Suíça, uma pequena olaria, expandiu-a agressivamente e fez uma longa carreira como empresário.

Na segunda geração, Ernst e Jacob II assumiram o negócio. Ernst investiu na produção de cimento, que mais tarde se tornou o Grupo Holcim. Na terceira geração, seus filhos Max e Ernst II expandiram a produção de cimento e dividiram a herança em duas partes para os filhos de Max, Thomas e Stephan.

Stephan Schmidheiny (esq.) em 1988, na reunião do conselho do grupo Landis+Gyr, e Thomas Schmidheiny em foto de 1991, quando ocupava a direção do Holderbank. (KEYSTONE/Str)

(Keystone)

Cimento fica com Thomas, a Eternit com Stephan

Os dois entraram no tradicional negócio familiar nos anos 70, colhendo admiração e também diversas críticas durante suas carreiras empreendedoras.

Thomas, o mais velho, subiu ao topo da empresa como engenheiro mecânico especializado em cimento. O irmão mais novo se formou como advogado e assumiu o cetro das empresas Eternit. Naquela época, ninguém tinha como prever que o principal produto da empresa, apelidado de "Wunderfaser" (a fibra milagrosa, em alemão), feito de amianto, engolfaria Stephan Schmidheiny num escândalo global por conta da alta toxicidade do material

Mas anos antes de o efeito carcinogênico do amianto ser cientificamente comprovado, Stephan promoveu o desenvolvimento de placas livres de amianto.

De empresário de amianto a filantropo

Em 1988, ele começou a se desligar de todas as participações do Grupo Eternit, estabelecendo fundações para o benefício das vítimas do amianto e se comprometeu com negócios mais sustentáveis. Como Assessor Chefe de Negócios e Indústria na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, ele lidou intensivamente com questões de sustentabilidade ambiental e social. Desde então, o multibilionário ficou mais conhecido como filantropo.

Amianto continuará matando até 2025

O número de pessoas doentes por causa do amianto continua aumentando na Suíça. Nos próximos anos, centenas de mortes serão provocadas por causa do ...


Mesmo assim, ele foi condenado na Itália, como responsável pelas obras da Eternit S.p.A. (Gênova), a 18 anos de prisão por mortes relacionadas com o amianto, mas absolvido em 2014 pelo Supremo Tribunal italiano por prescrição.

Justiça também no encalço de Thomas

Ao menos moralmente, o negócio de cimento d Grupo Holcim era menos estressante para o irmão mais velho de Stephan, Thomas, que assumiu o lugar de seu pai e tocou a empresa adiante ao longo dos últimos quase 50 anos. Mas mesmo Thomas, que foi Presidente do Comitê Executivo da Holcim de 1978 a 2001 e também Presidente do Conselho de Diretores de 1989 a 2003, foi repetidamente exposto a críticas públicas. 

Por exemplo, por causa da política salarial do grupo na África do Sul. A imagem do industrial bilionário também foi arranhada por revelações de uso indevido de informações privilegiadas. O empresário suíço também foi alvo de investigações das autoridades espanholas de combate à corrupção, mas, graças à sua disposição em cooperar, conseguiu se safar com uma modesta multa de 1,5 milhão de euros. Em outra ocasião, voltou às manchetes por conta de sua responsabilidade conjunta, como membro do conselho, pela dissolução da companhia aérea Swissair.

Fusão criou a maior empresa de cimento

Sob a égide de Thomas Schmidheiny, a Holcim expandiu-se em mercados promissores de crescimento na Europa Oriental, China, Índia e Sudeste Asiático. Juntamente com outro empresário suíço, ele também controlava a empresa africana Lonrho, o Grand Hotel Bad Ragaz (Grisões), várias vinícolas e uma coleção de arte, que inclui principalmente obras do pintor Ferdinand Hodler.

Em 2015, ele liderou a Holcim em uma fusão com a Lafarge francesa. Com a renúncia de Thomas do conselho do maior fabricante de cimento do mundo (Lafarge-Holcim), a dinastia Schmidheiny, cujo nome representa uma das mais importantes famílias industriais da Suíça, sai da cena pública de vez.


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

advent calendar

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.