Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Direito de morrer EXIT relata mais de 1.200 suicídios assistidos em 2018

A organização suíça de suicídio assistido EXIT ajudou um total de 1.204 pessoas a encerrar suas vidas em 2018 - um salto considerável em comparação ao ano anterior.

Picture of bottle of the barbiturate Pentobarbital

O barbitúrico Pentobarbital é tomado em casa por pessoas que desejam morrer

(Keystone)

A EXIT Deutsche SchweizLink externo, que cobre a Suíça de língua alemã e o cantão do Ticino (de língua italiana), informou que 905 pessoas usaram seus serviços no ano passado para encerrar suas vidas - 172 a mais que em 2017, um aumento de 23%.

No final de 2018, o número de membros da organização era de 120.117 - também um grande salto em relação aos números anteriores (+13.000).

Das pessoas falecidas, 57% eram mulheres, com uma idade média de 78 anos. O motivo mais comum para querer morrer era o câncer terminal (344 casos), seguido por problemas de saúde relacionados à idade e distúrbios de dor crônica.

A filial da EXIT que cobre a Suíça de língua francesa ajudou 299 pessoas a encerrar suas vidas em 2018 (mais 13 casos do que em 2017), disse o co-presidente Jean-Jacques Bose à agência Keystone SDA. O número de novos membros aumentou em 2.681, passando para 28.762 no final do ano passado.

+ sobre o suicídio assistido na Suíça

Lei e regras

A lei suíça tolera o suicídio assistido quando os pacientes cometem o ato e os auxiliares não têm nenhum interesse em sua morte. O suicídio assistido é legal no país desde a década de 1940.

A Suíça tem dois grupos principais que atendem a pessoas que buscam um suicídio assistido: EXIT e Dignitas. Embora a Dignitas também ajude pessoas do exterior, a EXIT, a maior organização da Suíça, só apoiará um cidadão ou residente permanente da Suíça a tirar a própria vida.

Os membros devem cumprir determinados critérios para usar os serviços das organizações quando decidirem que é a hora certa de encerrar sua vida. A EXIT e a Dignitas só fornecerão seus serviços a pessoas com doença terminal, pessoas que sofrem com extrema dor ou sintomas “insuportáveis” ou com uma incapacidade insuportável.

A pessoa que deseja morrer também deve saber o que está fazendo, não estar agindo por impulso, ter um desejo persistente de morrer, não estar sob a influência de terceiros e cometer o suicídio com suas próprias mãos.

A morte é geralmente induzida por uma dose letal de barbitúricos prescrita por um médico. A ingestão do veneno, seja por ingestão ou pelo uso de gotejamento intravenoso ou sonda estomacal, deve ser realizada pela pessoa que deseja morrer.

Uma decisão de 2006 do Tribunal Federal suíço, a mais alta instância do país, determinou que todas as pessoas de bom senso, independentemente de sofrerem de uma doença mental, têm o direito de decidir o modo de sua morte.

O governo examinou várias opções para regular as práticas de suicídio assistido e, em junho de 2011, decidiu não buscar mudanças na lei, mas sim aumentar a prevenção do suicídio e os cuidados paliativos.


Suicídio assistido Quem decide quando é hora de ir?

Duas idosas explicam porquê querem acabar com suas vidas, apesar de não sofrerem de doença terminal. A organização suíça de assistência ao ...


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.