Doação de órgãos Alta demanda por órgãos põe em causa o "consentimento presumido"


Com a vizinha França introduzindo o conceito "consentimento presumido" a partir de 2017, a Suíça ainda requer o consentimento dos doadores ou de sua família antes que os órgãos sejam doados.

1498 suíços estavam em lista de espera para doação de órgãos no final de setembro de 2016, de acordo com o serviço de doação de órgãos Swisstransplant. Este é o maior número desde 2010.

O período de espera varia dependendo do órgão necessário. Quem espera por um transplante de coração tem que esperar uma média de 371 dias, enquanto que os que procuram um rim têm uma espera de 1178 dias.

Estima-se que a cada semana uma média de duas pessoas na lista de espera morrem à espera de um órgão. De acordo com uma pesquisa da Swisstransplant, 80% dos suíços são a favor da doação de seus órgãos. No entanto, geralmente os parentes se tornam um obstáculo quando se trata da doação real. Cerca de metade dos familiares se recusam a dar sua permissão para doar os órgãos de um ente querido.

(swissinfo.ch)

Consenso presumido

A partir de 1° de janeiro de 2017, os médicos na França não precisam mais pedir o consentimento dos parentes. Eles têm o direito de usar os órgãos se o doador não se recusou expressamente a doá-los. De acordo com a Eurotransplant, Áustria, Bélgica, Croácia, Hungria, Luxemburgo e Eslovênia já operam sob o sistema de consentimento presumido.

Na Suíça, um órgão só pode ser tomado se a pessoa afetada ou os parentes concordarem. Em 2015, o parlamento discutiu o consentimento presumido - se deveria ser possível a doação de órgãos após a morte a menos que alguém o tivesse proibido especificamente. A questão foi descartada por razões éticas.

No entanto, um plano de ação foi decidido para combater a escassez de órgãos, incluindo uma campanha de informação lançada pela Swisstransplant.


Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch/fh

×