Indústria da alimentação Suíça congela importações de carne do Brasil


Por
swissinfo.ch com agências


Depois do escândalo causado pela operação "Carne Fraca", diversos países congelaram suas importações de carne brasileira. Na Suíça, as autoridades afirmam que o país foi pouco atingido e decidiram bloquear só temporariamente as importações de quatro empresas brasileiras citadas nas investigações.

Apenas 4% da carne vendida na Suíça é originária do Brasil.

Apenas 4% da carne vendida na Suíça é originária do Brasil.

(Keystone)

No início da semana, a China anunciou que irá conter a entrada da carne brasileira à espera de explicações detalhadas sobre o caso. O país asiático é o segundo maior importador de carne bovina e aviária do país. A União Europeia (UE), por sua vez, pediu ao Brasil "que elimine de imediato todos os estabelecimentos envolvidos no escândalo da lista aprovada pela UE", informou aos jornalistas o porta-voz da Comissão Europeia, Enrico Brivio. Dos 21 frigoríficos acusados de irregularidades, quatro estão autorizados a exportar para a Europa.

O ministério da Agricultura da Coreia anunciou também o congelamento temporário das importações de carne aviária e produtos derivados do maior produtor brasileiro no setor, a empresa BRF. Aproximadamente 80% das 107.400 toneladas de carne de frango importada em 2016 vieram do Brasil e quase a metade foi fornecida pela BRF.

A Suíça não foi atingida pelo escândalo, declarou Thomas Jemmi, vice-diretor da Secretaria Federal de Veterinária e Segurança Alimentar (BLV), no jornal televisivo "Tagesschau". "Atualmente sabemos de quatro empresas que estão envolvidas e que potencialmente podem fornecer para a União Europeia e a Suíça. Essas importações foram bloqueadas. Trata-se de uma medida preventiva", completou. Oitenta por cento da carne comercializada na Suíça é produzida internamente, informou o jornal. Apenas 4% da carne é originária do Brasil.

O governo brasileiro esforça-se para diminuir os danos. As acusações envolvem "apenas um número muito reduzido de empresas" e a indústria brasileira da carne não tem problemas, declarou o presidente Michel Temer no domingo durante uma coletiva de imprensa. Ele convidou diversos embaixadores de países importadores para comer em uma churrascaria. O sistema brasileiro de controle é "um dos mais respeitados do mundo", assegurou Temer. "Quero ressaltar aqui a confiança na qualidade dos nossos produtos."

30 pessoas detidas

A Polícia Federal (PF) revelou na sexta-feira um esquema em que fiscais sanitários recebiam subornos dos frigoríficos para autorizar a venda de alimentos não aptos para o consumo, a chamada operação "Carne Franca". Mais de 30 pessoas foram detidas até o momento, três frigoríficos foram fechados temporariamente e 21 se encontram sob investigação.

O governo tentar limitar o impacto do escândalo e questiona parte das denúncias da PF sobre a venda de produtos vencidos ou em mal estado, "maquiados" com ácidos. Segundo os dados apresentados, dos 4.837 frigoríferos que operam no país, somente 21 estão sob suspeita e apenas seis exportaram nos últimos 60 dias.

A produção de carne é um dos pilares do setor primário brasileiro: em 2016, as exportações de carne de frango superaram os 5,9 bilhões de dólares e as de carne bovina chegaram a 4,3 bilhões, segundo dados do Ministério de Desenvolvimento e Comércio Exterior (MDIC).

As exportações para a China totalizaram 859,5 milhões de dólares em carne de frango e 702,7 milhões em carne bovina e só foram superadas pelas compras da Arábia Saudita e Hong Kong, respectivamente, segundo o MDIC.

O setor frigorífico e os exportadores de carnes alertaram que colocar em xeque a qualidade dos produtos brasileiros favorecerá a concorrência.


Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.




×