Navegação

Menu Skip link

Subsites

Funcionalidade principal

Mundo da informação Jornais suíços perdem leitores

A tiragem dos jornais e revistas da Suíça é observada pelo Instituto de Pesquisa e Estudos da Mídia Publicitária (REMP). Apresentado esta semana, sua mais recente pesquisa revela que a maioria dos grandes títulos impressos assistem a uma erosão dos seus leitores.

Apesar da diminuição do número de leitores, a imprensa suíça é caracterizada pelo grande número de publicações

Apesar da diminuição do número de leitores, a imprensa suíça é caracterizada pelo grande número de publicações

(Keystone)

A diminuição foi significativa para os dois principais jornais do país. Na Suíça de língua francesa, o "Le Matin" perdeu 21 mil leitores desde outubro passado para estabilizar-se em 275 mil. Na Suíça de língua alemã, o "Blick" perdeu 38 mil e conta agora 617 mil.

A maioria dos jornais de domingo também está numa descida íngreme. Quanto aos jornais regionais, a redução é significativa na Suíça ocidental, de língua francesa, onde alguns títulos perderam até um décimo de seus leitores. A situação é mais estável na Suíça de língua alemã e italiana.

Esta erosão de leitores da mídia impressa é observada há vários anos e afeta todos os países industrializados. É explicada pela crescente difusão da mídia eletrônica.

Mas globalmente, a mídia impressa está longe de ter dito a sua última palavra. De acordo com o relatório de 2014 da Associação Mundial dos Jornais e Revistas, 2.5 bilhões de pessoas - 49% da população adulta mundial - liam jornais impressos em 2013. E se o número de jornais publicados a cada dia está em declínio nos países ocidentais, ele é cada vez maior no resto do mundo.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Apesar da queda no número de leitores, os jornais continuam sendo muito importantes na Suíça. De acordo com dados do Banco Mundial, os jornais eram lidos por 75,10% dos suíços em 2013. No mundo, apenas os japoneses têm uma taxa de penetração mais alta (83,2%).



Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

×