Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Educação Genebra estende ensino obrigatório até os 18 anos

Estudante genebrino andando de bicicleta

Correndo atrás do atraso: o cantão de Genebra quer dar nova chance para quem largou a escola

(Salvatore Di Nolfi/Keystone)

Os jovens em Genebra agora têm que estudar até completarem 18 anos, o que fará com que aqueles que não têm planos para depois de formados voltem à escola ou iniciem um aprendizado.

O objetivo é garantir que os jovens não sejam marginalizados e tenham uma chance extra de terminar seus estudos, disse Anne Emery-Torracinta, chefe do Departamento de Educação Pública do cantão de Genebra.

A iniciativa, que é única na Suíça, é pioneira nos esforços de ajudar os jovens que abandonam a escola sem qualificação. Até agora, os alunos de Genebra podiam abandonar a escola aos 15 anos.

Todos os anos, 1.000 jovens, dos quais 550 menores de 18 anos, interrompem seus estudos. Não tarda para se encontrarem às margens da sociedade. Mesmo que tenham o apoio de seus pais ou possam contar com uma série de empregos casuais, eles têm quatro vezes mais chances de ficar desempregados no longo prazo do que seus pares mais qualificados, dizem os especialistas.

Últimos da classe

Esse problema no cantão de Genebra vem de longa data. De acordo com o Departamento Federal de Estatísticas, Genebra foi a pior colocada em 2015, em um ranking cantonal de quantos jovens obtiveram uma primeira qualificação. Apenas pouco mais de 30% dos genebrinos terminaram a formação profissional aos 25 anos - menos de metade da média nacional (65%).

Nos cantões rurais menores, a taxa era até mesmo maior que 80%. As cidades da Suíça francófona estavam atrasadas. Mesmo a cidade de Basileia (também um cantão), penúltima no ranking, registrou 15 pontos à frente de Genebra.

A questão da evasão escolar foi levada em conta na revisão da constituição cantonal de Genebra. Na nova versão de 2012, o artigo 194 afirma que a educação no cantão deve permanecer obrigatória até os 18 anos. Conhecida como FO18, entrou em vigor no início do ano letivo de 2018.

Escola ou aprendizado

Isso não significa que todos os jovens genebrinos tenham que permanecer na escola até os 18 anos. A exigência é que eles recebam algum tipo de educação. Isso poderia significar mais estudos, mas também poderia assumir a forma de um estágio em uma empresa, de acordo com o sistema dual internacionalmente reconhecido da Suíça, que combina educação e experiência prática de trabalho.

+ Saiba mais sobre como o sistema que é considerado um modelo para outros países

Em 27 de agosto, 400 alunos “reintegrados” sob a FO18 (o número dobrará até o final do ano) voltaram para a escola, ao lado dos 76.000 alunos regulares.

O custo da reforma, que inclui medidas de apoio, experiência de trabalho, treinamento personalizado e criação de vagas extras para aprendizes, é estimado em 16 milhões de francos suíços (US$ 16,5 milhões) em quatro anos. As autoridades do cantão dizem que vale a pena. "O FO18 não é uma solução milagrosa, mas é um elemento importante contra o abandono escolar", disse Emery-Torracinta.

Modelo?

Será que o modelo de Genebra pode criar um precedente? A educação é estritamente da responsabilidade dos 26 cantões da Suíça. Existem acordos de harmonização, mas os cantões nem sempre os adotam.

A Conferência dos Ministros Cantonais da Educação não emitiu uma declaração oficial sobre o caso de Genebra. No entanto, sua chefe, Silvia Steiner, do cantão de Zurique, chamou a mudança de "importante e justa" em uma entrevista ao jornal Neue Zürcher Zeitung.

No cantão de Neuchâtel, a esquerda política já entrou com um projeto de lei pedindo que a educação permaneça obrigatória até os 18 anos também. O parlamento cantonal ainda tem que debater a questão.


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.