Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Educação Meninas reagem melhor a novo método de ensino de física

Muitos alunos acham a física difícil porque entendem mal os conceitos fundamentais. Um novo método de ensino desenvolvido por pesquisadores de Zurique poderia mudar isso, beneficiando, acima de tudo, garotas inteligentes.

Aula de física experimental

Atrair mais mulheres para o estudo de física na universidade ainda é um grande desafio

(Keystone)

"Nossa pesquisa mostra que quando bons alunos não entendem de física, é principalmente devido aos métodos de ensino", disse Elsbeth Stern, professora de Pesquisa de Aprendizado e Instrução Empírica no Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETH Zurich) em um comunicado divulgado na segunda-feira.

Um estudo realizado por seu instituto e publicado na última edição do Journal of Educational Psychology mostrou que mesmo pequenas mudanças nas aulas podem ter um grande efeito.

O novo método faz com que os alunos lidem com seu conhecimento prévio, o que é especialmente importante para a física, disse Stern. “Em quase nenhum outro assunto, a intuição e a realidade estão tão distantes quanto na física. Nossas experiências cotidianas não ajudam ”, disse ela.

Aprender fórmulas de cor não é suficiente - entender os conceitos por trás deles é fundamental, disse ela. Muitos alunos, mesmo os melhores, têm que fazer um grande esforço mental para entender, por exemplo, força, massa e aceleração.

A unidade de ensino desenvolvida no centro de aprendizagem STEM da ETH Zurich permite que os alunos errem de uma forma direcionada, dando-lhes uma tarefa que não podem resolver com o conhecimento existente. Depois, o professor explica o conceito subjacente - ou permite que os alunos elaborem os próprios princípios usando exemplos diferentes, antes de lhes dar a fórmula.

O método foi testado no ensino médio - ou 'ginásio', como é chamada a escola direcionada para o ingresso na universidade - com 172 alunos da Suíça de língua alemã, em 18 aulas sobre mecânica newtoniana. Metade das oito turmas foram ensinadas como de costume, e outra metade usando o novo método. Os alunos foram testados antes das aulas, depois delas, e três meses mais tarde.

Diferença de gênero

Os resultados: sob o novo método, os alunos não só melhoraram sua compreensão conceitual, mas eles também se tornaram melhores em cálculos. Stern e seu grupo descobriram que a maior diferença no desempenho se deu com garotas inteligentes - com o novo método, elas alcançaram os garotos significativamente. O hiato de gênero não desapareceu completamente, mas se tornou muito menor.

A diferença de gênero na física é um fenômeno bem conhecido: os estudantes do sexo masculino ainda superam as estudantes do sexo feminino em física no ensino médio, e poucas mulheres estudam o assunto, ou mesmo outras ciências na universidade - como observado pela OCDE. Tem havido várias iniciativas na Suíça para incentivar as mulheres a estudar STEM (sigla para ciência, tecnologia, engenharia e matemática), especialmente porque há escassez de especialistas nessas áreas.

A proporção de alunos com "insuficiência" em física (baixo desempenho apesar da alta inteligência) é muito maior entre os alunos do sexo feminino do que do sexo masculino, como mostraram pesquisas anteriores de Stern e sua equipe. Eles apontaram evidências de que os métodos convencionais de ensino para a física podem “impedir que mais estudantes do sexo feminino desenvolvam seu potencial”, e que focar numa compreensão conceitual mais profunda seria benéfico para as meninas.

Há também algumas evidências que sugerem que as expectativas das meninas são diferentes. Um estudo anterior da ETH de Zurique, realizado na Suíça, Alemanha e Áustria, descobriu que professores de física no ensino médio, com pouca experiência de ensino, tendem a distribuir notas mais baixas para meninas do que para meninos com o mesmo desempenho.

Lições aprendidas

Em termos do presente estudo, Stern considerou os resultados como positivos, mas disse que os efeitos da unidade de ensino poderiam ser melhorados ainda mais. Seu próximo passo é ajustar o método com os professores envolvidos. Ela também espera que a pesquisa leve a uma reavaliação do currículo escolar de física.

“Agora nos voltaremos com ainda mais confiança para os professores de física que ainda ensinam a matéria usando principalmente exercícios de cálculo. Essa abordagem não funciona.


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.