Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Eleições governamentais Candidatas mulheres eleitas ao governo suíço

Viola Amherd e Karin Keller-Sutter foram escolhidas pelo parlamento para se juntar ao executivo suíço composto de sete ministros, o Conselho Federal.

Viola Amherd (esquerda) e Karin Keller-Sutter

Viola Amherd (esquerda) e Karin Keller-Sutter são as oitava e nona ministras do sexo feminino

(Keystone)

AmherdLink externo, membra do Partido Democrata Cristão (PDC), de centro, substitui a colega de partido, Doris Leuthard, que deixa o governo suíço no final do mês, após 12 anos no poder.

A Assembleia Federal - os 200 membros da Câmara dos Deputados e os 46 membros do Senado - também preferiu outra mulher, a senadora do Partido Liberal-Radical Karin Keller-SutterLink externo, para substituir Johann Schneider-Ammann, também do mesmo partido de centro-direita, que se aposenta depois de oito anos no governo.

Amherd, advogada de 56 anos do cantão do Valais, no sudoeste da Suíça, é deputada federal desde 2005. Ela derrotou a colega de partido, Heidi Z'graggen, ao receber 148 dos 240 votos na primeira rodada de votação. Amherd é a oitava mulher a se tornar ministra de Estado do país alpino.

Em seu discurso de aceitação, Amherd disse que iria realizar seu trabalho com humildade e sinceridade e se concentrar em trabalhar com seus colegas como uma unidade para encontrar soluções eficientes e pragmáticas.

"A fim de encontrar soluções duradouras, eu preciso do apoio de vocês", disse, pedindo que os parlamentares tratem uns aos outros com respeito. "Vamos trabalhar juntos para o futuro do nosso país".

Sem surpresas

Não houve surpresas com a nomeação de Keller-Sutter, que já era dada claramente como favorita sobre o colega de partido, Hans WickiLink externo. A senadora de 54 anos do cantão de St. Gallen (nordeste) recebeu 154 dos 237 votos expressos.

Presidente do Senado suíço, Keller-Sutter se candidatou a uma posição ministerial em 2010, mas perdeu para Schneider-Ammann. Antes de sua carreira política, ela trabalhou como intérprete e professora de escola secundária.

Em seu discurso de aceitação, Keller-Sutter concordou com Amherd que a cooperação era o caminho a percorrer. “No nosso país, uma pessoa tem apenas uma influência limitada - e tempo limitado. Se quisermos encontrar soluções, só podemos fazer isso juntos”, disse.

Keller-Sutter também comentou sobre o fraco histórico do Partido Liberal-Radical com as mulheres no governo: Elisabeth Kopp, a primeira mulher a fazer parte do governo suíço, entre 1984 a 1989, era até agora a única representante feminina do partido em nível federal.

“Com a minha eleição, um capítulo espinhoso para as mulheres liberais-radicais foi encerrado. Depois de uma ausência no governo de quase 30 anos, tenho a honra de ser conselheira federal. Eu acredito que as coisas podem agora voltar ao normal”, declarou.

'Símbolo forte'

A eleição de duas mulheres em um dia para o Conselho FederalLink externo é um "símbolo forte", disse Nenad Stojanovic, cientista político da Universidade de Genebra, para swissinfo.ch. Embora as mulheres tivessem conseguido o direito de voto na Suíça só em 1971, sete delas ocuparam o corpo executivo desde 1848, enquanto 117 homens ocuparam o cargo.

A dupla se juntará a Simonetta Sommaruga para fazer um total de três mulheres entre os sete ministros do Conselho Federal, uma proporção que catapulta a Suíça para os dez principais governos do mundo com uma representação igualitária. O parlamento, porém, permanece em grande parte masculino, especialmente no Senado, onde apenas 15% dos membros são mulheres.

De acordo com algumas interpretações, o fato de que os democratas cristãos e os liberais-radicais empurraram as candidatas também poderia ajudar a elevar seus perfis partidários para as eleições nacionais em 2019. Os primeiros esperam mitigar as perdas nos últimos anos, os últimos consolidar ganhos para tentar se tornar o segundo maior partido do país.

No que diz respeito à composição do novo Conselho Federal, que se reunirá pela primeira vez no início de 2019, Stojanovic diz que as eleições de quarta-feira contribuem para uma guinada para a direita. Keller-Sutter, liberal conservadora, consolida o número de ministros à direita ou centro-direita em quatro, enquanto três são figuras de esquerda, ou centristas.

Se isso terá impacto em determinadas questões centrais é incerto. Todas as relações importantes com a União Europeia - o governo está atualmente formulando sua posição sobre um acordo-quadro contencioso - são improváveis de mudar, já que essa agenda é geralmente decidida por Bruxelas, diz Stojanovic.

Com relação às diferentes pastas, os ministros de saída Leuthard e Schneider-Ammann estão deixando para trás os departamentos de energia/meio ambiente/transportes/comunicações e economia, respectivamente. Ainda não está claro quais ministérios as duas novas conselheiras federais herdarão.


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.