Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Emissões de carbono Quatro gráficos para compreender os debates na COP21

Por

O que tratam as negociações em Paris? Aqui apresentamos uma série de gráficos que ajudam a compreender as negociações em Paris durante a 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima (COP21).

(Keystone)

O mundo se aqueceu desde a era pré-industrial em um grau centígrado. É o que afirma a Organização Meteorológica Mundial da ONU, da qual faz parte também o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), uma organização científico-política criada em 1988.

O crescimento das emissões de dióxido de carbono leva ao aumento das temperaturas, mudanças nas estações do ano, o aumento dos níveis do mar e eventos climáticos extremos mais frequentes.

Para limitar essas emissões, o IPCC recomenda - chefes de Estado e de governo assinaram um acordo determinando como objetivos as recomendações feitas - que o aquecimento deve aumentar até dois graus centígrados acima das temperaturas da era pré-industrial. O "orçamento de carbono" do IPCC para alcançar este objetivo envolve uma certa quantidade de emissões autorizadas. 

Grafico1

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chefes de Estado e de governo esperam que todos os 195 países, e a União Europeia, cheguem a um acordo com medidas - não apenas voltadas para os países mais ricos - como foi o caso da primeira fase, já alcançada em 2012, do Protocolo de Quioto.

Algumas questões sensíveis devem ser feitas durante a COP21. Como será possível reduzir mundialmente as emissões de dióxido de carbono? Quais medidas devem ser tomadas em cada um dos países? Qual será a contribuição financeira dos países ricos como a Suíça aos países mais pobres, para que eles concretizem também as medidas para combater o aquecimento global?

Emissões de CO2 - são sempre os outros

Sempre que se discute sobre o aquecimento global, utilizam-se diferentes formas de calcular as emissões de CO2 e outros gases com efeito de estufa.

Grafico2

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As emissões totais de gases com efeito de estufa pela China ou os Estados Unidos superam as dos pequenos países como a Suíça. Para efeito comparativo, muitas vezes as emissões são calculadas per capita ou com base no produto interno bruto (PIB). 

Como a maior parte das emissões de CO2 é gerada pelos países em desenvolvimento, não há um acordo geral em relação à responsabilidade histórica que deve ser assumida pelos países que se aproveitaram da industrialização através dos combustíveis fósseis. 

O gráfico abaixo ilustra quanto os países riscos contribuíram historicamente das emissões de dióxido de carbono em comparação com outros países. 

Grafico3

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Regiões desenvolvidas como a Europa ou os EUA são responsáveis pela metade das emissões de dióxido de carbono a partir de combustíveis fósseis desde 1850. O gráfico acima mostra de forma transparente a exigência feita por muitos países de ajuda financeira para que possam se adaptar à nova situação. 

Em contrapartida, os países ricos como a Suíça ressaltam com veemência o aumento das emissões per capita dos países em desenvolvimento. Porém eles se beneficiam da redução das suas próprias emissões graças à transição para uma economia de serviços. A crise financeira em 2008 e 2009 na Europa e em outros países permitiram a eles alcançar alguns dos objetivos climáticos graças à redução subsequente da atividade econômica. 

Terceirização de emissões de carbono

Mas mesmo se a Europa foi capaz de reduzir as emissões de dióxido de carbono ao longo das últimas décadas, o relatório do balanço global do carbono em 2014 mostrou que a diminuição das emissões em regiões ricas como a Europa e os EUA ocorreu desde 1990 através da "terceirização" das emissões em países como a China. 

Outra questão sensível: quem é responsável pelas emissões de dióxido de carbono de bens de consumo como smartphones, televisões e outros aparelhos eletrodomésticos? É o país onde eles foram fabricados ou, sim, onde são consumidos? É difícil responder, mas é possível avaliar as emissões provocadas pelo comércio e serviços realizados em um país e consumidos em outro. 

Grafico4

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Se forem consideradas as emissões de consumo ao invés de produção de emissões per capita, o resultado para as nações ricas apresenta um quadro diferente: através da "transferência" de dióxido de carbono no comércio, a Suíça emite três vezes mais gases do que através da sua produção. Resultado: a Suíça passa líder per capita entre os países que emitem dióxido de carbono.

O que são os gases com efeito de estufa?

Trata-se de gases que retêm parte da radiação e do calor na atmosfera terrestre, o que permite um nível de aquecimento essencial para a manutenção da vida na Terra. É um fenômeno natural que remonta à formação do planeta. No entanto, a atividade humana tem provocado uma concentração cada vez maior destes gases, o que impede o fluxo de saída do calor e leva ao aumento da temperatura global. São quatro tipos:

- Dióxido de carbono (CO2)

- Metano* (CH4)

- Óxido nitroso (N2O)

- Clorofluorcarbonetos (CFCs)

Aqui termina o infobox

Links


Adaptação: Alexander Thoele

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×