Navegação

Menu Skip link

Subsites

Funcionalidade principal

Era digital Suíços hesitam em trabalhar de casa

Embora a prática tenha quadruplicado na Suíça durante os últimos 15 anos, apenas 2,7% dos funcionários trabalham de casa regularmente.

Em 2015, cerca de dois terços dos teletrabalhadores "ocasionais" eram homens, enquanto quase metade dos "habituais" eram mulheres

Em 2015, cerca de dois terços dos teletrabalhadores "ocasionais" eram homens, enquanto quase metade dos "habituais" eram mulheres

(Keystone)

De acordo com um estudo divulgado pela Secretaria Federal de Estatísticas na terça-feira (7), o trabalho de casa ainda é uma exceção na Suíça, com cerca de 120.000 pessoas que utilizaram a opção "habitualmente", ou seja, mais de 50% do tempo em 2015.

No entanto, até 20% dos funcionários trabalhava de casa pelo menos ocasionalmente.

Esses valores estão relacionados ao “teletrabalho”, que o estudo define como o trabalho que "envolve o uso da internet na troca de dados com o empregador ou o cliente".

Quando os números dos teletrabalhadores ocasionais e habituais foram combinadas, o estudo revelou que a prática de trabalhar de casa quadruplicou na Suíça entre 2001 e 2015.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A área da informação e comunicação é a que mais teve funcionários trabalhando de casa, com mais de 50% trabalhando dessa forma, pelo menos ocasionalmente.

Os setores educacional, científico e técnico, bem como o financeiro também relataram percentagens relativamente elevadas de, pelo menos, trabalhos ocasionais de casa.

O estudo da Secretaria Federal de Estatísticas da Suíça tratou apenas do trabalho feito de casa, e não levou em conta o trabalho feito de outros lugares ou em viagens.

O trabalho em casa prejudica a produtividade? Dê a sua opinião.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.


swissinfo.ch com agências

×