Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Eveline Widmer-Schlumpf Ministra suíça das Finanças pede demissão

Eveline Widmer-Schlumpf não será mais ministra em 2016. A política do Partido Burguês-Democrático (PBD) terminou hoje o longo suspense ao anunciar que não irá se apresentar às eleições do Conselho Federal (governo) no Parlamento em 9 de dezembro. Ela declara que a decisão foi tomada após grande reflexão, especialmente junto à família.

Eveline Widmer-Schlumpf, ministra suíça das Finanças, anunciou hoje em Berna que sai do Conselho Federal (governo). 

(Keystone)

Originária do cantão dos Grisões (leste), Eveline Widmer-Schlumpf era até então membro do Partido do Povo Suíço (SVP) quando, em 2007, foi eleita ministra graças a um golpe político que permitiu a destituição de Christoph Blocher. Excluída do seu partido, ela se tornou a figura de proa de um novo partido, o Partido Burguês-Democrático (PBD).

Sua demissão era bastante esperada após as eleições federais em 18 de outubro, que terminaram com fortes perdas para o seu partido e um avanço do SVP e do Partido Liberal-Radical. Esses dois partidos lutam há bastante tempo para uma segunda vaga no Conselho Federal para um representante das forças de centro-direita.

Porém, os resultados da eleição não tiveram um papel determinante, explicou a ministra das Finanças, sorridente e calma, à imprensa. "É melhor parar um trabalho quando você ainda tem prazer", declarou, após fazer um balanço da sua carreira que incluiu postos de liderança política no cantão dos Grisões e depois como chefe da Conferência de Diretores Cantonais de Finanças, até chegar ao Conselho Federal. 

Segundo ela, que foi sucessivamente ministra da Justiça e Polícia e depois de Finanças, é um grande privilégio de estar no Poder Executivo, mas isso também custa muita energia. "Não me pergunto se tudo valia a pena. As coisas são como elas são", declarou.

Eveline Widmer-Schlumpf revela que teve inúmeras discussões em família e também com os colaboradores mais próximos em relação ao melhor momento de sair do governo. Ela manifestou alívio por nenhuma informação ter se tornado pública e ressaltou que estará satisfeita quando a imprensa focar sua atenção em outras pessoas. "A pressão que vivi não foi do SVP, mas sim da família.

Ela declarou que gostaria de consagrar seu tempo a outras ocupações como os netos. "Não tenho medo de ficar entediada", afirmou, sem abordar possíveis planos de futuro.

Eveline Widmer-Schlumpf também anunciou que sairá da direção do PBD após as eleições. Ela se absteve também de comentar o impacto de sua decisão nas eleições do Conselho Federal em 9 de dezembro ou a reivindicação do SVP de um segundo posto no corpo do Executivo. "Tenho minha opinião, mas não irei revelá-la", disse.

swissinfo.ch com agências

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.