Democracia direta Guia da Suíça
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Exportação de material de guerra no centro das atenções


Por Sophie Douez, Adaptatação: Claudinê Gonçalves



A Suíça exportou Fr. 872.7 milhões em material de guerra em 2011. (Keystone)

A Suíça exportou Fr. 872.7 milhões em material de guerra em 2011.

(Keystone)

A lei suíça sobre a exportação de material de guerra é muito criticada por sua opacidade e certos meios políticos que defendem o fim das exportações.

Um estudo das Universidades de Berna e Zurique concluiu que a legislação suíça nessa matéria é consistente, mas que ainda precisa ser aplicada corretamente.

As críticas se multiplicam depois da suspensão das exportações de armas para o Catar em dezembro de 2011, depois que munições fabricadas pela empresa suíça Ruag foram encontradas na Líbia, violando a lei que proíbe a exportação de armas e munições para países em guerra.

A Secretaria Federal de Economia (Seco), que supervisa todas as exportações de material de guerra, atribuiu o que ocorreu na Líbia a um “erro de logística militar”.  

A Ruag, empresa cuja maioria do capital é estatal, divulgou em 22 de março seus resultados de 2011 com vendas e lucros em alta de 5,9% em relação a 2010. As vendas para o exército suíço foram responsável por 37% das receitas totais de 1.77 bilhões de francos suíços.

Alexander Spring, coautor de um estudo feito pela consultoria internacional Foraus, diz à swissinfo.ch que existem “divergências entre a lei e a prática na exportação de munições suíças”. Ele defende maior transparência para evitar o que ocorreu com o Catar, que repassou o carregamento de munições para a Líbia.

“Não sabemos se há inspeção das reexportações. Dizem que foi um erro de logística, mas não sabemos quando e onde ele ocorreu, se foi na embaixada suíça no Catar, onde as munições chegaram em caixas, ou se os técnicos do Ministério da Defesa não fizeram corretamente as inspeções.”

O responsável pelo controle de exportações da Seco, Simon Plüss diz por e-mail em resposta à swissinfo.ch que não houve verificação de pós-exportação “porque o Catar havia confirmado anteriormente que houve erro de logística e que as munições foram expedidas diretamente à oposição líbia.”

  

Plüss diz que representantes do governo suíço foram enviados duas vezes a Doha para obter informações detalhadas acerca do incidente e discutir como o problema poderia ser resolvido.

“A Seco decide quando e em que casos é preciso verificar as reexportações. O procedimento e o objetivo das verificações são definidos caso a caso com o país de destino através dos canais diplomáticos”, explica Plüss.

Esportações para a Índia

Tobias Schnebli, do Grupo por uma Suíça Sem Exército afirma que a melhor solução é cessar as exportações de material de Guerra. Ele dá como exemplo as exportações de pistolas e fuzis para a polícia dos estados de Orissa e Jharkhand, na Índia, que considera questionável.

Orissa e Jharkand combatem nos últimos anos a insurgência liderada por grupos maoístas conhecidos como Naxalites, provocando milhares de mortes.

Em 2011, a Suíça exportou por 7,4 milhões de francos em armas para a Índia – contra 6,03 milhões em 2010 – país que se tornou o 16° importador de material de guerra da Suíça.

“Em Orissa, está provado que a polícia contrata menores de 16 anos para combater os rebeldes”, afirma Schnebli, citando a organização não-governamental Human Rights Watch. (veja o link na coluna à direita). 

“A Seco diz que vai fazer inspeções e nós achamos que os representantes de organizações de defesa dos direitos humanos devem acompanhar essas inspeções para saber, afinal, quem usa essas armas; sem isso será muito fácil para o exército e a polícia se justificar”, afirma Schnebli.

Ele diz que as exportações para Orissa e Jharkhand “devem ser consideradas como um caso específico”. Em certos casos, a Suíça estipula o direito de fazer inspeções após a entrega e pedir uma confirmação escrita atestando que as armas não podem ser usadas contra a população civil.

“Também podemos exigir que a entrega das armas seja feita com uma proteção VIP”, acrescenta.

“Certas armas são muito caras, a manutenção exige especialistas e só podem ser usadas por tropas bem treinadas ou pela polícia. Esses fatores reduzem o risco de abuso.”

Lei estrita

A lei suíça proíbe explicitamente a exportação de material de guerra para países envolvidos em conflitos armados e para onde exista uma forte probabilidade de que o material seja repassado a um “receptor indesejado”. Exclui ainda exportar para países que violam sistematicamente os direitos humanos ou onde as armas podem ser usadas contra a população civil.

Também entra em consideração a manutenção da paz, a não existência de crianças-soldados, o respeito das leis internacionais e a cooperação com a Suíça.

A Suíça exportou por um montante de 872,7 milhões de francos em material de guerra para 36 países. Foi 36% a mais do que em 2010, crescimento que a Seco atribui à venda de aviões de treinamento militar para os Emirados Árabes Unidos, um contrato de 258,1 milhões de francos.

Tanto Foraus Spring como o Grupo por uma Suíça Sem Exército reconhecem que a lei suíça sobre a exportação de material de guerra é uma das mais severas do mundo. No entanto, Spring afirma que a lei ainda contém imprecisões, enquanto Schnebli afirma que lei deixa uma “margem muito grande de interpretação”, quando aplicada.

Spring também questiona os benefícios para a economia, pois as exportações de material de guerra corresponde a apenas 0,4% do total das exportações.

O porta-voz de economiesuisse (organização patronal), Jan Atteslander, disse à swissinfo.ch que a indústria suíça da defesa é importante para manter profissionais qualificados e produtos para outros setores da indústria.

Mercado mundial 2007-2011

As vendas globais de armas entre 2007 e 2011 aumentaram de 24%, em relação aos quatro anos anteriores. Os cinco maiores compradores foram os países asiáticos.

Ásia e Oceania absorveram 44% das importações, seguidas pela Europa (19%), Oriente Médio (17%), Américas (11%) e África (9%).

Por países, a Índia foi o maior importador mundial com 10% das importações de armas. Seguem-se Coréia do Sul (6%), Paquistão (5%), China (5%) e Cingapura (4%).

Os produtores continuaram a vender armas para os países onde houve a chamada Primavera Árabe. Apesar de algumas restrições em 2011, os Estados Unidos continuam a ser o maior fornecedor da Tunísia e do Egito. Em 2011, os EUA venderam 45 tanques M-1A1 ao Egito e se comprometeram a entregar outros 125 tanques do mesmo tipo.

A Síria comprou 78% de suas armas da Rússia entre 2007 e 2011. Em 2011, a Rússia entregou à Síria sistemas de mísseis antiaéreos Buk, sistema de defensa costeira Bastion-P, além de 36 aviões de treinamento militar de tipo Yak-130.

Comparado aos quatro anos anteriores, as vendas da Rússia à Síria no período 2007-2011, cresceram 580% em volume.  

(Fonte: Instituto Internacional de Pesquisa pela Paz, Estocolmo, março de 2011.)

swissinfo.ch



Links

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×

Destaque