Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Exportações em alta 2018 registrou uma farta safra para a relojoaria suíça

(Keystone)

Com um crescimento de 6,3%, as exportações de relógios suíços ultrapassaram 21 bilhões de francos em 2018. Um aumento devido principalmente aos mercados asiáticos, que deve continuar este ano apesar das incertezas que pesam sobre a economia chinesa.

A relojoaria é a terceira maior indústria de exportação da Suíça, depois das farmacêuticas e da indústria de maquinário e ferramentas. Ela exporta cerca de 95% de sua produção, principalmente para os mercados asiáticos.

Aqui termina o infobox

+ 19,1% das exportações para Hong Kong (3 bilhões de francos no total), + 11,7% para a China (1,7 bilhão): os relojoeiros suíços se beneficiaram no ano passado de uma demanda vigorosa do Extremo Oriente para alcançar o quinto melhor resultado anual de sua história, segundo dados divulgados nesta terça-feira pela Federação da Indústria de Relógios SuíçosLink externo (FH).

Ao adicionar as compras feitas por turistas no exterior, alguns especialistas acreditam que, de cada dois relógios "Swiss Made" vendidos no mundo, um é agora propriedade de um cidadão chinês.

Essa progressão deverá continuar, de acordo com Jean-Daniel Pasche, presidente da FH. "Apesar do crescimento mais lento e dos riscos de guerra comercial entre EUA e China, a classe média chinesa continua a crescer e seu apelo pelos relógios suíços permanece intacto", disse ele à swissinfo.ch.

Em relação ao ano em curso, o presidente da FH mostra um "otimismo cauteloso". As exportações de relógios devem continuar a crescer, mas a um ritmo que dependerá de vários fatores geopolíticos: entre eles o Brexit, mas também a ascensão do nacionalismo e protecionismo em vários países ao redor do globo.

Este é particularmente o caso do Brasil, onde a chegada ao poder de Jair Bolsonaro gera grande incerteza. "Neste contexto, é essencial ancorar o livre comércio em acordos bilaterais. Esperamos que as discussões com os países do Mercosul [Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai] levem rapidamente à conclusão de tal acordo ”, disse Jean-Daniel Pasche.

O presidente da FH também saúda o acordo de livre comércio concluído no final de 2018 com a Indonésia. Ele também considera positiva a disposição do governo suíço de reabrir as discussões para a conclusão de um acordo similar com os Estados Unidos.

3000 postos de trabalho suplementares

A boa saúde da indústria relojoeira suíça também se reflete no número de funcionários do setor. Em um ano, quase 3.000 locais de trabalho foram criados nas quase 700 empresas envolvidas na fabricação de relógios suíços, segundo estimativas da Convenção dos Empregadores da Indústria de Relógios SuíçosLink externo (CPIH) relatadas à swissinfo.ch .

"Um aumento no emprego de relojoeiro era esperado, mas sua magnitude nos surpreendeu. Isso é ainda mais impressionante porque os funcionários temporários não são levados em conta em nosso censo", disse Ludovic Voillat, porta-voz da CPIH.

Um aumento de quase 4%, que quase compensa as perdas registradas entre 2015 e 2018. Com 57.800 empregos registrados, não estamos nem perto dos números de 2014 (quase 60.000 empregos), o ano de referência para a relojoaria suíça desde sua reorientação para o setor de luxo no início dos anos 2000.

"Isso mostra que os relojoeiros confiam no futuro, apesar das incertezas que pesam sobre a economia global", disse Voillat.

Cada vez mais qualificada, os empregados da indústria relojoeira não sofrem tantos riscos com a crescente automação observada nos últimos anos no setor, observa o representante da CPIH. "As empresas relojoeiras precisam de know-how manual mais do que nunca. Ao contratar funcionários fixos, eles garantem que tenham as habilidades necessárias internamente ", diz ele.


Valores recordes para o comércio exterior suíço

O comércio exterior da Suíça resistiu às incertezas econômicas globais no ano passado. Enquanto as exportações suíças cresceram 5,8%, seu maior aumento desde 2010, para um recorde de 233,1 bilhões de francos, as importações têm feito o mesmo, subindo 8,6% para 201,8 bilhões .

No final, o ano em análise terminou com um saldo comercial positivo de 31,3 bilhões de francos suíços, ante 3,49 bilhões em relação a 2017, anunciou terça-feira o Departamento Federal de AlfândegasLink externo (AFD).

Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.