Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Fazendas e alimentos


Por que precisamos de raças tradicionais de animais?




Cientistas suíços, juntamente com os agricultores, estão trabalhando contra o relógio para salvar raças tradicionais antes que eles desapareçam em favor de vacas leiteiras mais produtivas. Seja na Europa ou na África, a pecuária tradicional é mais adaptada às condições locais e aos desafios ambientais.

Raças suíças nativas como a Rhaetian Grey (foto) se tornaram escassas à medida que mais agricultores optam pelas raças modernas, mais produtivas.  (Keystone)

Raças suíças nativas como a Rhaetian Grey (foto) se tornaram escassas à medida que mais agricultores optam pelas raças modernas, mais produtivas. 

(Keystone)

Durante a última década, as explorações leiteiras suíças conseguiram produzir mais leite, apesar de terem menos vacas. De acordo com o Divisão Federal de Estatística, a vaca suíça, em média, produziu mais 4 kg de leite por dia em 2013 do que em 2000.

Parte desse aumento da produtividade é devida à seleção de animais, o que permite aos produtores terem determinados traços em seus rebanhos.  Mas a reprodução seletiva tem seus inconvenientes: com o tempo, muito foco na produtividade pode levar à perda de outros traços genéticos - incluindo aqueles de raças tradicionais mas adaptadas aos ambientes locais.

"Muitas raças de origem suíça estão ameaçadas porque eles não são tão produtivas quanto as raças modernas", afirma Catherine Marguerat do Ministério suíço da Agricultura para swissinfo.ch

“As raças tradicionais são muito importantes para a Suíça com o risco de futuras mudanças no meio ambiente. Essas raças são geralmente muito robustas e têm genes que permitem uma adaptação melhor aos novos desafios ambientais", acrescenta.

Um problema de desenvolvimento

Os seres humanos domesticam animais há séculos, mas o conceito de "raça" só surgiu há cerca de 200 anos atrás, quando os agricultores começaram a selecionar certos animais com base em características físicas que os tornavam mais valiosos.

Stéphane Joost, pesquisador do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Lausanne (EPFL), estima que durante o século 20, cerca de 16% das raças de gado desapareceram e 15% ficaram em perigo por causa da reprodução seletiva.

Com a promessa de produtividade a curto prazo, muitos agricultores preferem raças "cosmopolitas", em vez de gado adaptado localmente. Mas os animais não-nativos muitas vezes morrem porque são mal adaptados ao clima local e são vulneráveis a doenças locais.

Por exemplo, no Burkina Faso o gado está ameaçado pela tripanossomíase - uma infeção parasitária transmitida pela mosca tsé-tsé que causa a morte de até um milhão de animais por ano. Vacas da raça nativa Baoule, têm uma resistência genética à doença, enquanto o asiático zebu é muito suscetível - mas de maior porte, maior força de tração, mais carne e produção de leite superior.

Uma equipe internacional de pesquisadores em genética tenta combinar as duas raças e manter a tolerância a doenças do Baoule e a robustez física do zebu.

A FAO  - organização da ONU para a Alimentação - vai publicar as conclusões do projeto FSE, em e-book e na forma de impressa para proporcionar aos agricultores nos países em desenvolvimento amplo acesso a essa informação.

Tradição suíça

Joost diz que a pesquisa do projeto do FSE de produção animal na África também pode ser aplicado para a Suíça.

"Com o aquecimento global, a Suíça e outros países alpinos enfrentará condições que são mais graves do que em países de baixa altitude, por causa de sua topografia: Muitos dos nossos bovinos, ovinos e caprinos estão nas montanhas", diz ele.

Como o clima se aquece, explica Joost, as gramíneas que compõem a grande maioria da dieta de uma vaca leiteira suíça vão a crescer mais alto das montanhas, mais perto dos picos rochosos. Essa grama deverá tornar-se mais escassa e menos nutritiva, pois os habitats de alta altitude são mais áridos.

Mas o raça Evolène do Val d'Hérens no cantão do Valais pode enfrentar esse desafio.. A raça suíça tradicional, que hoje está em perigo, tem uma constituição robusta e um metabolismo econômico e pode facilmente prosperar com quantidade limitada de alimentos.

"É uma vantagem muito importante ter raças robustas e adaptadas que são capazes de viver com pasto de baixa qualidade, mas mantendo um elevado nível de produção," diz Joost.

Vivo e bem

A raça Evolène se recuperara lentamente nos últimos anos, graças aos esforços de conservação por parte de ProSpecieRara, organização sem fins lucrativos, e por criadores independentes como Adrienne Stettler, que dirige uma fazenda em Utzigen, perto de Berna. Hoje, há entre 400 e 450 Evolène, na Suíça, dos quais 20 são de propriedade de Stettler, que que produz carne e leite.

Stettler diz que, apesar de seu tamanho relativamente pequeno - cerca de 115-130 cm de altura em comparação com 147 cm para uma Holstein média - a Evolène é boa produtora de leite, dando cerca de 5.000 litros por ano, mas isso é apenas um terço de uma Holstein. Mas Holsteins também exige mais alimento e é mais suscetível à doença do que a Evolène.

Uma raça ótima

Marguerat diz que a Suíça tem feito progressos na última década para aumentar as populações de raça rara e da diversidade genética e também no fortalecimento de programas de conservação e sensibilização do público. Mas ainda há muito trabalho a ser feito.

"Precisamos desenvolver planos de emergência para as raças ameaçadas de extinção no caso de surtos epidêmicos, e construir bancos de genes para ovelhas, coelhos e galinhas. Precisamos incentivar mais os criadores a participar em programas de conservação ", diz ela.

Marguerat acrescenta que encontrar um equilíbrio entre as adaptações genéticas tradicionais e traços modernos de produtividade é essencial para futuros programas de melhoramento do gado. "Uma raça ideal é aquela que está bem adaptada às condições locais suíças, capaz de se alimentam principalmente de capim, e capaz de produzir de alta qualidade."

Marguerat e Joost participam de um projeto conjunto entre o Ministério da Agricultura e EPFL chamado GENMON, que deverá ser lançado no próximo ano. O objetivo é desenvolver uma ferramenta de monitoramento dos recursos genéticos animais na Suíça.

"[GENMON] permitirá que as organizações de criação e do governo para avaliem a sustentabilidade das atividades de criação de raças suíças e fornecer informações  comprometimento  com questões ambientais ", diz Marguerat.

Outra parte importante do projeto GENMON será acrescentar informações relacionadas com cenários de aquecimento global, como Joost e seus colegas enfatizam em suas pesquisas, que a mudança climática vai aumentar ainda mais o desafio de uma população mundial crescente, daí o interesse por "testes de resiliência dos sistemas de produção global de alimentos ".

Produção e diversidade

De acordo com Serviço de Monitoramento da Biodiversidade o do Ministério do Meio Ambiente, algumas raças de vacas são predominantes na Suíça desde o final do século 20. Hoje, a perda de raças mais tradicionais é agravado pelo foco em alguns híbridos modernos, mais produtores de leite. A menor às ameaças externas - como parasitas ou doenças infecciosas - porque o que é mortal para um animal é provável que seja mortal para os outros.


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×