Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Fim da Guerra Fria O Suíça observou petrificada a queda do Muro de Berlim

Os sete membros do governo suíço em volta de uma mesa

O governo suíço em 1989: da esquerda para a direita, Adolf Ogi, Flavio Cotti, Arnold Koller,  Jean-Pascal Delamuraz, Otto Stich, René Felber e Kaspar Villiger.

(Keystone)

Na Suíça, a queda do Muro de Berlim foi acompanhada de perto. Mas a atmosfera festiva transformou-se num certo embaraço. Muitos não faziam ideia de como lidar com o fim da Guerra Fria.

Em 9 de Novembro de 1989, a Cortina de Ferro entre a República Democrática Alemã (RDA, Alemanha Oriental) e a República Federal da Alemanha (RFA, Alemanha Ocidental) alterou subitamente o seu estatuto, passando de uma linha mortal a um simples muro de concreto. 

Na Suíça também houve uma explosão de alegria. A música de David Hasselhoff "Looking for Freedom" (Em busca da liberdade) tornou-se o hino da queda do Muro nas estações de rádio suíças. O correspondente de televisão de língua alemã em Berlim falou entusiasticamente de um "momento histórico" ao acompanhar as pessoas escalando o Muro, e vários jornalistas celebraram a abertura das fronteiras da RDA como o "crepúsculo dos deuses" da Europa pós-comunista.

E tinham razão: nas semanas seguintes, revoluções pacíficas varreram a maioria dos regimes comunistas europeus.

A reação hesitante das autoridades

A Suíça oficial, por outro lado, reagiu com algumas reservas à queda do Muro de Berlim. Em 10 de Novembro de 1989, o Presidente Jean-Pascal Delamuraz sublinhou a "reação positiva" da Suíça aos acontecimentos na Alemanha Oriental.

Mas no dia anterior, seu colega de governo, o ministro das Relações Exteriores René Felber, havia considerado o evento pouco significativo para justificar uma declaração à imprensa. Afinal, algo importante estava acontecendo todos os dias, comentou o ministro socialista, dando de ombros. Alguns meses mais tarde, descreveu o "perigo da germanização da Europa" resultante da reunificação alemã. Dez anos mais tarde, René Felber admitiu que a queda do Muro o surpreendeu completamente.

No Parlamento suíço, o assunto foi brevemente debatido em meados de dezembro de 1989, porque tinham sido apresentadas algumas questões urgentes relacionadas com o significado histórico do acontecimento. Houve alguns aplausos, mas não se realizou um debate. Quanto à questão de como lidar com a abertura, esta ficou sem resposta. Já eram 21h00 do dia 15 de dezembro. Isso não deixou de despertar a ira do jornal Neue Zürcher Zeitung. "O fato de o Conselho Nacional, na noite do penúltimo dia de trabalho do ano, estar perdendo tempo a debater rubricas orçamentárias detalhadas, em vez de tratar de questões que são essenciais para o futuro, deve-se à sua falta de sentido de prioridade", escreveu o diário de Zurique.

Fragmentos da História Nos rastros do Muro de Berlim

A cineasta e fotógrafa suíça Dominique de Rivaz percorreu entre 2008 e 2009 os 155 quilômetros que antes formavam o Muro de Berlim. Ela tirou ...

Uma Suíça sem ideias

Assim não é de surpreender que nenhuma delegação suíça foi convidada a Berlim para celebrar o 20º aniversário da queda do Muro. Essa falta de reação a um acontecimento histórico também afetou as pessoas para além das suas fronteiras. O semanário alemão Spiegel escreveu no final de 1989 que a Suíça oficial estava "perplexa" com o crescimento comum da Europa. Parecia não ter qualquer ideia para lidar com o fim da Guerra Fria.

A memória do ex-conselheiro federal Adolf Ogi é sintomática desta visão quase perturbadora das convulsões no Leste Europeu. Enquanto outras personalidades estavam entusiasmadas com a queda do Muro no jornal diário popular Le Matin da Suíça francófona, Adolf Ogi afirmou simplesmente que tinha ligado a televisão e compreendeu imediatamente "que a Suíça também deve agora redefinir a sua posição no mundo".

Desconfiança em face da abertura

A ameaça de mudança tornou-se realidade poucas semanas depois, com o sucesso da iniciativa "Por uma Suíça sem exército". É certo que essa iniciativa que pedia a abolição do exército acabou sendo rejeitada, mas 35,6% dos cidadãos votaram a seu favor, o que foi um resultado inesperado.

Enquanto o Muro era demolido em Berlim, o exército suíço estava ao mesmo tempo realizando manobras militares de uma semana com 44.000 soldados, simulando a guerra entre o "país verde" e o "país amarelo". Os medalhões do exército tinham obviamente pouca confiança na abertura que todos estavam a celebrar.

No final dos anos 80, especialistas em estratégia suíços de renome também estavam convencidos de que a "perestroika", a política de abertura da União Soviética, era de fato parte da guerra psicológica contra o Ocidente.

Os mais desconfiados eram da direita anticomunista, embora fossem justamente estes os que mais tinham razões para se regozijar. Num poema melancólico do conservador jornal nacional "Schweizerzeit", a dúvida ainda era cultivada, mesmo três meses após a queda do Muro: "Estamos agora a celebrar uma grande festa / talvez a celebremos demasiado cedo / porque a peste vermelha ainda está a grassar".


Adaptação: Eduardo Simantob

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.