Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Gentrificação Zuriquenhos resistem à especulação imobiliária

Brunaupark from the air

Vista aérea do Brunaupark, com o edifício Uetlihof do Credit Suisse ao fundo

(Keystone)

Em um modesto bairro de Zurique, moradores de longa data de um complexo de apartamentos em expansão perderão suas casas se um projeto de renovação, financiado por um fundo de pensão, for adiante. Projetos semelhantes estão ocorrendo em toda a Suíça, pois os fundos estão investindo fortemente em imóveis por causa das baixas taxas de juros.

A 15 minutos de bonde da estação central de Zurique, o Brunaupark encontra-se no sudoeste da cidade, entre a morro Uetliberg e o lago. Situado atrás de um pequeno centro comercial, o conjunto de cinco blocos de apartamentos construídos entre 1980 e 1996 abriga atualmente uma comunidade de cerca de 700 pessoas distribuídas em 405 apartamentos. 

A primeira coisa que impressiona o visitante é um aglomerado de altos pólos brancos que se erguem em pontos espalhados por todo o parque. Estes postes, de acordo com a lei de planeamento suíça, marcam a altura e a localização dos novos edifícios que o proprietário - o Fundo de Pensões do banco Credit Suisse - planejou para o empreendimento.

Na última semana de março, o carteiro local teve uma carga pesada. Através de uma empresa de gestão de imóveis, o proprietário enviou avisos a mais de 200 famílias do Brunaupark de que seus contratos de locação estavam sendo rescindidos. O plano é demolir quatro dos cinco edifícios por fases, sacrificando 240 apartamentos, e reconstruir cada vez mais perto da rua, abrindo espaço para 500 novas unidades com um aluguel significativamente maior.

Os inquilinos do Brunaupark organizaram-se para lutar contra os planos de construção através de uma petição e de impugnações legais.

O caso tornou-se uma dor de cabeça para o Credit Suisse, o segundo maior banco da Suíça. Quando a relatora especial das Nações Unidas sobre o direito à moradia, Leilani Farha, visitou o Brunaupark em junho, solidarizando-se com os inquilinos, o banco não achou muita graça.

Mas o Fundo de Pensões do Credit Suisse insiste que é um senhorio responsável, tendo dado aos inquilinos mais de um ano de antecedência para rescindir os seus contratos de arrendamento.

Este não é o único fundo de pensão que investe em imóveis. Como a demanda por espaço habitacional nas cidades suíças excede em muito a oferta, os imóveis são considerados um investimento seguro e lucrativo onde há pouco dinheiro a ser feito em títulos tradicionais, devido às baixas - quase negativas - taxas de juros da Suíça, atualmente as mais baixas do mundo. As taxas baixas também tornam as reformas baratas. Tudo isso, por sua vez, leva ao aumento constante dos preços dos imóveis.

‘Estamos decididos a lutar até o fim’ 

Willy e Bianca Küng

Willy e Bianca Küng vivem no Brunaupark desde 1982

(Clare O'Dea)

Um casal de 70 anos que recebeu a carta naquele dia está particularmente ligado ao Brunaupark. Willy e Bianca Küng vivem em um apartamento de quatro quartos no último andar, onde têm uma bela vista da cidade velha de um lado e dos Alpes ao sul. O edifício está previsto para ser demolido em junho de 2020.

Dois dos seus filhos vivem no mesmo bloco de apartamentos e um terceiro filho vive num dos outros blocos em frente à demolição. Bianca cuida de seus quatro netos três dias por semana.

"É uma espécie de aldeia aqui. Temos um bom bairro para famílias e crianças. Tudo o que precisamos para a vida está aqui", diz Willy Küng.

Apontando para a sua aconchegante sala de estar, ele continua: "Não faz sentido demolir edifícios perfeitamente bons e substituí-los. Eles querem um quadro limpo, mas nós estamos determinados a lutar".

Juntamente com a associação de inquilinos, ele e sua esposa estão buscando todas as vias para bloquear o projeto, para que os moradores possam ficar onde estão.

‘Nós poderíamos mudar’

Os Küngs mudaram-se para o bloco recém-construído em 1982. "Desde o início tinha certeza de que ficaríamos aqui. Este lugar foi considerado um modelo de desenvolvimento urbano", acrescenta.

Os moradores de Brunau encontraram algo que pode ser evasivo em uma cidade - a vida comunitária - e temem perder isso. As amenidades também são excelentes, com acesso direto ao espaço verde do Uetliberg para caminhadas, jogging e ciclismo.

Os mais velhos apreciam especialmente ter um supermercado com um restaurante à porta, uma farmácia, um cabeleireiro e um centro médico. As famílias mais jovens beneficiam de um centro comunitário, de um jardim de infância e de muito espaço seguro para os seus filhos brincarem. Os residentes judeus ortodoxos estão a uma curta distância à pé da sua sinagoga.

Vista do apartamento dos Küngs

Vista do apartamento dos Küngs

(Clare O'Dea)

Ao lado dos Küngs, Elisabeth Sutter é também uma das inquilinas originais, com uma entrada separada dos vizinhos. Ela mora com seu marido em um apartamento térreo que ostenta um pequeno jardim.

Apesar de gostar muito de ficar, ela é menos otimista. "É difícil viver com isso pendurado sobre nós o tempo todo. Se conseguirmos encontrar um lugar que possamos pagar, talvez nos mudemos".

Como o Küngs, o apartamento dos Sutters foi renovado em 2011. A cozinha, o banheiro e as janelas são novos. Elisabeth e seu marido Paul têm o apartamento do jeito que gostam.

"As pessoas gostariam de ficar, mas sete dos 17 apartamentos do nosso prédio estão agora vazios. Dois vizinhos infelizmente morreram e outros cinco se mudaram. Eles não aguentaram. Agora está muito sossegado em volta do edifício."

Os inquilinos organizaram-se, criando uma associação para defender os seus interesses, chamada Viver em Brunaupark. Eles recolheram 5.700 assinaturas para uma petição que apresentaram ao Conselho Municipal de Zurique em maio.

Agora há duas vias principais de oposição organizada contra os planos do Fundo de Pensões do Credit Suisse: objeções de planejamento ao projeto de construção e desafios à rescisão dos contratos de locação.

A campanha está numa fase inicial, mas os inquilinos dizem que estão dispostos a ir até o Tribunal Federal em ambas as frentes para salvar suas casas.

‘Minha mente está um caos’

O aluguel é outro fator que complica a disputa dos inquilinos de Brunaupark. O aluguel médio mensal no complexo é razoável para Zurique, na faixa de CHF1.500 ($1.520) a CHF2.500. Os novos apartamentos deverão custar CHF2.500-CHF3.500.

Os inquilinos a longo prazo de Brunaupark têm mais a perder do que a sua segurança. Eles também enfrentam a difícil transição da posição de locatários bem protegidos de longo prazo para novos locatários que competem no mercado aberto, significativamente mais caro.

Existe uma verdadeira angústia neste bairro tranquilo de Zurique, especialmente entre os residentes mais velhos e os de baixa renda. A oferta do Fundo de Pensões do Credit Suisse para apoiar os inquilinos na procura de alojamento é ridicularizada por pessoas que já têm um orçamento apertado.

Uma mulher idosa estava demasiado envergonhada para me mostrar a sua casa porque, diz ela, "desde que tudo isto aconteceu, o meu apartamento está um caos tal como a minha mente".


Adaptação: Eduardo Simantob, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.