Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Greves pelo clima A Greta suíça se chama Marie-Claire

ragazza seduta su un prato

Marie-Claire Graf: "Voar da Suíça para Londres, Paris ou Berlim é um absurdo"

(swissinfo.ch)

Estudante da Universidade de Zurique, Marie-Claire Graf está na origem das greves climáticas na Suíça e participou da primeira cúpula climática juvenil em Nova York. A jovem de 23 anos é determinada e tem ideias claras: para salvar o planeta, e nós mesmos, precisamos de um avanço decisivo. 

"Estamos no meio de uma crise e temos de agir em conformidade. Não podemos continuar a colocar o lucro econômico acima da saúde do planeta e das pessoas. Precisamos de uma mudança substancial de sistema e mentalidade. Uma mudança radical? Talvez. Mas a destruição do planeta também é algo radical", diz Marie-Claire Graf.

Encontramo-nos com ela num parque em Zurique, perto da estação ferroviária. A jovem só viaja de trem e bicicleta. No início deste ano, diz ela, esteve na Turquia para uma conferência sobre sustentabilidade. Trinta e cinco horas de trem para Istambul, depois de ônibus e um barco para Izmir. "Foi cansativo e um pouco complicado, mas lindo!"

Vegana, ele fica chateada sempre que tem de justificar a sua escolha de levar "um estilo de vida sustentável". Por exemplo, quando vai a um restaurante com amigos ou quando recusa convites para passar um fim-de-semana numa cidade europeia. O avião, diz ela, só pega se não houver alternativa. "Voar da Suíça para Londres, Paris ou Berlim é um absurdo."

Marcada pelo recuo das geleiras

Marie-Claire Graf nasceu e cresceu em Gelterkinden, no cantão de Basileia-Campo. Após o ensino médio e especialização em biologia e química, ela estudou ciências naturais e ambientais no Instituto Federal Suíço de Tecnologia (ETH) em Zurique durante um ano. Ela está atualmente em seu último ano de bacharelado em ciências políticas na Universidade de Zurique.

Apaixonada pela natureza e pelas montanhas, ela pôde ver com os seus próprios olhos os efeitos do aquecimento global, que "também são claramente visíveis na Suíça", sublinha. "Quando criança, ia muitas vezes às montanhas com os meus pais. Tinha ouvido falar da mudança climática e tinha lido muito sobre ela. Mas foi no Glaciar MorteratschLink externo [Grisões] que tomei consciência do problema: todos os anos, os sinais que indicam a borda do glaciar caíam cada vez mais para trás", recorda.

Aflita, frustrada e irritada

Comprometida em vários níveis com a sustentabilidade e a proteção do clima, Marie-Claire Graf é presidente da Federação Suíça de Organizações de Estudantes para o Desenvolvimento SustentávelLink externo e co-fundadora da Semana da Sustentabilidade SuíçaLink externo, uma iniciativa lançada em 2017 e que atualmente envolve 14 cidades suíças.

Ela também é vice-presidente da Juventude Suíça para o ClimaLink externo, uma associação criada em 2015 para dar voz aos jovens no debate político sobre a mudança climática, e participa regularmente de conferências internacionais sobre o clima. "A minha agenda está cheia", diz ela, sorrindo.

Esta agenda tornou-se ainda mais densa desde que ela começou a organizar greves climáticas na Suíça, inspirada na jovem ativista sueca Greta Thunberg (Sextas-feiras para o FuturoLink externo). "Conheci-a no ano passado na conferência internacional sobre o clima em Katowice [COP24]. Tivemos uma longa discussão e entramos em greve juntas na sexta-feira.

A ideia de chamar os jovens para se manifestarem nas ruas nasceu depois de ver a "conversa dúbia" da Suíça. Enquanto na COP24 o então presidente da Confederação Suíça, Alain Berset, apelou aos países do mundo para fazerem o máximo para reduzir suas emissões, na Suíça, a Câmara dos Deputados decidiu não estabelecer nenhuma meta interna de redução, rejeitando alguns dias depois a revisão da Lei de CO2. "Estava aflita, frustrada e irritada", diz Marie-Claire Graf.

"A Suíça é uma nação rica e estável. Temos tudo, mas fazemos muito pouco pelo clima. Produzimos a maior quantidade de resíduos per capita da Europa e a nossa pegada ecológica está entre as maiores do mundo", diz ela.

giovani che manifestano per strada

Marie-Claire Graf em ação durante a greve pelo clima em Basileia, 1° de março de 2019.

(Janosch Krug)

"A situação fugiu completamente ao controle"

Com as suas grevesLink externo, os jovens pedem às autoridades que declarem a emergência climática e se comprometam a alcançar a neutralidade das emissões até 2030. "Em termos concretos, significa informar adequadamente a população sobre o que significa limitar o aquecimento global a 1,5 graus. A elaboração e implementação de leis deve levar em conta não apenas os aspectos econômicos ou de política externa, mas também os impactos climáticos e ambientais", diz a ativista. Precisamos de políticas corajosas, ambiciosas e inovadoras, insiste ela.

Transporte, lazer, alimentação e estilo de vida em geral: de acordo com Marie-Claire Graf, o sistema atual precisa ser revisto. "Não espero que todos se tornem vegetarianos e desistam do carro. Mas temos de refletir sobre a forma como produzimos e consumimos. Estou a pensar, por exemplo, na pecuária intensiva ou nos baixos preços dos voos. A situação descontrolou-se completamente.

Contrariamente, em princípio, a uma restrição das liberdades individuais, a jovem considera que algumas coisas devem continuar a ser proibidas. Por exemplo, voos domésticos e de curta distância, bem como investimentos em petróleo e carvão.

Marie-Claire no salão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

(Saad Amer)

A 'Greta' da Suíça?

"Várias vezes me compararam à Greta. Ela é uma pessoa fantástica, mas nós somos diferentes, temos abordagens diferentes. Na Suíça, não queremos dar um rosto às greves ou criar ídolos, mas sim mostrar a diversidade do movimento", explica Marie-Claire.

Aos que acusam os jovens de incoerência - por um lado, protestando e, por outro, enchendo fast-foods, esperando impacientemente pelo último modelo de smartphone e aproveitando os voos de baixo custo - a ativista responde dizendo que "aqueles que se juntam ao movimento agem com consciência em favor do clima". Marie-Claire Graf diz que nunca comprou um novo smartphone e que seu iPhone 7 é um dispositivo de "terceira geração", que ganhou, usado, de um amigo.

Culpar os jovens e o seu consumismo é, na sua opinião, errado. "Encontramo-nos num sistema criado pela velha geração. A culpa não é nossa se hoje é mais fácil e mais barato voar do que apanhar o trem".

Entretanto, ela concorda com uma reprovação contra os jovens: a baixa participação nas votações e nas eleições. "No passado, os jovens não participavam muito do processo eleitoral. É um problema. No período que antecede as eleições federais de outubroLink externo, estamos a tentar mobilizar os jovens, embora a maior parte do movimento não possa votar como menor.

Representante da juventude suíça na ONU

Quase um ano depois da primeira greve climática na Suíça, algumas coisas estão mudando, diz a jovem ativista. "A mídia, as famílias e os políticos começaram a discutir. Aumentamos a consciência. Agora, porém, são necessárias ações concretas."

Marie-Claire Graf, a única suíça a ser convidada para a primeira Cúpula da Juventude sobre o ClimaLink externo em Nova Iorque, a 21 de Setembro, observa que há muitas ideias ambiciosas entre os jovens. "Tivemos trocas interessantes. É pena que o dia não tenha acabado com uma resolução.

Na segunda-feira, a rapariga de Basileia participou da cimeira da ONU sobre o clima. "Foram apresentados vários planos de ação que constituem um passo na direção certa. No entanto, eles precisam ir mais longe. Este é um passo decisivo que a jovem ativista tentará promover em dezembro, quando acompanhará a delegação suíça à COP25Link externo no Chile. Poderá ter de embarcar num avião com relutância, mesmo que não exclua a possibilidade de viajar para o país andino de barco ou de autocarro.


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.