Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

História A Alta Idade Média vale mais do que a sua reputação

A Alta Idade Média, que durou entre os anos 476 e 1000, é geralmente considerada um período obscuro e violento. Uma exposição e um livro pretendem quebrar esse estereótipo e reabilitar uma era que ajudou a moldar a Suíça moderna.

Homme assis posant avec un livre

Grande especialista dos burgúndios na Suíça, Justin Favrod não vê a Alta Idade Média como um período sombrio. Muito pelo contrário

(swissinfo.ch)

Anfiteatros, autores clássicos, legiões invencíveis: a antiguidade romana é vista como um período glorioso no Ocidente. Catedrais, monges copistas, cavaleiros de armadura: a Idade Média feudal, a partir do ano 1000, também fez sonhar muitos amantes da história. E entre os dois? Muitas pessoas o veem como uma espécie de buraco negro caracterizado por invasões bárbaras, violência e regressão cultural.

O Museu de História do Valais e o Museu de Arqueologia e História de Lausanne querem quebrar este "clichê". Inaugurada em meados de junho, a exposição "Aux sources du Moyen-ÂgeLink externo" (Nas Origens da Idade Média) está aberta ao público em Sion até 5 de janeiro. Ela será então apresentada em Lausanne, de forma diferente, a partir de fevereiro. Os visitantes podem ver as mais recentes descobertas de arqueólogos e historiadores, bem como objetos excepcionais emprestados por várias instituições para a ocasião.

Esta colaboração entre os dois museus resultou na publicação de um livro intitulado "Aux sources du Moyen-Âge. Entre Alpes et Jura de 350 à l’an 1000Link externo" (Nas Origens da Idade Média. Entre os Alpes e o Jura de 350 ao ano 1000), sob a direção da arqueóloga Lucie Steiner, uma das melhores especialistas na matéria.  

Historiador e especialista da Alta Idade Média, particularmente dos burgúndios, e codiretor da revista mensal "Passé simpleLink externo", Justin Favrod escreveu muitos textos para este livro. Para ele também, a Alta Idade Média vale mais do que a sua reputação.

Coronha de Saint Germain, a mais antiga coronha decorada do mundo, do tesouro de Moutier-Grandval. (século VII)

(Musée jurassien d'art et d'histoire, Delémont; B. Migy)

swissinfo.ch: Por que esse período é descrito como "obscuro"?

Justin Favrod: Os períodos históricos foram criados nos séculos XVIII e XIX, numa época em que a referência cultural absoluta era a antiguidade grega e romana. Qualquer coisa que não fosse influenciada por Greco-Romana era considerada negativa. Essa é a principal razão.

Há também razões históricas e culturais. As regiões francófonas tinham uma visão muito negativa do mundo germânico desde a guerra franco-prussiana de 1870 até o fim da Segunda Guerra Mundial. No entanto, como a Alta Idade Média foi o grande período dos povos germânicos, foi necessariamente um período "negro" para os franceses. A visão do período é diferente na Alemanha.

swissinfo.ch: Mas, sejamos francos, a Alta Idade Média não deixou vestígios ou tesouros prestigiosos de literatura...

J. F.: Houve uma infeliz concomitância para a reputação da Alta Idade Média. No final do Império Romano, voltamos à arquitetura celta baseada na madeira e na terra, que deixam poucos vestígios. Quanto à palavra escrita, ela diminui gradualmente por uma razão muito boba: o papiro já não chega do Egito, porque as rotas comerciais são cortadas primeiro pelos vândalos, depois pelos árabes. O pergaminho torna-se então o suporte da escrita, ou seja, pele de animal, o que é extremamente caro. Por isso, escreve-se menos por razões de custo.

O desaparecimento da palavra escrita e dos monumentos de pedra não é muito bom para a reputação deste período. Mas se olharmos em detalhe o trabalho dos artesãos dos séculos VI e VII, descobrimos um verdadeiro talento. Por exemplo, o vitral foi inventado nessa época. Há então um novo impulso, novos objetos que o público pode admirar na exposição de Sion.

swissinfo.ch: Uma exposição cujo objetivo declarado é quebrar o clichê de um período obscuro.

J. F.: Na verdade, os organizadores realmente queriam mostrar que este não era um período negro. Foi certamente complicado, com guerras e violência, mas também brilhante. Passamos então da produção em massa de objetos idênticos nas oficinas imperiais para o artesanato local de qualidade. Por exemplo, as fivelas de cinto tornam-se objetos únicos e finamente trabalhados. Com a fragmentação geográfica surge toda uma atividade local que não existia no Império Romano.

swissinfo.ch: Nossa visão do período está mudando?

J. F.: O que chama a atenção neste período é o seu lado romântico. Houve reviravoltas, guerras, histórias de amor e vingança. Isso estimula muito a imaginação. Vemos isso em séries como "Game of Thrones". Elas voltaram a chamar a atenção para este período.

Clef en bronze

Chave de bronze de Martigny, Valais. (século VIII - IX)

(Musées cantonaux du Valais, Sion. Michel Martinez)

swissinfo.ch: Mais importante ainda, foi nessa época que os fenômenos que ainda marcaram a Suíça moderna começaram a aparecer, especialmente em relação aos idiomas.

J. F.: É de fato neste momento que a fronteira linguística começa a ser estabelecida. A oeste, estão os burgúndios, que se estabeleceram em Genebra já em 443. Este povo germânico protege as populações locais galo-romanas e a sua língua. A leste estão os alamanos, que se estabeleceram na margem sul do Lago de Constança em 506. Eles subjugam as populações locais e promovem a língua germânica.

Os alamanos foram dominando gradualmente o território galo-romano que dependia dos burgúndios. A atual fronteira linguística corresponde aproximadamente ao ponto de equilíbrio entre o Ducado dos Alamanos e o Reino da Borgonha. Este movimento progressivo terminou no século XII.

Os burgúndios não protegeram a população local por pura bondade de coração. Simplesmente, poucos em número e rodeados por outras tribos germânicas mais poderosas (francos, alamanos, ostrogodos, visigodos), tinham uma necessidade vital de colaborar com os galo-romanos para sobreviver.

O que é mais emocionante neste período é o confronto de duas culturas totalmente diferentes do ponto de vista cultural e social. Germânicos e galo-romanos tiveram que se entender e acabaram se fundindo para criar o mundo medieval.

swissinfo.ch: Migrações populacionais e confrontos culturais. Outra coisa que soa muito atual...

J. F.: Realmente, podemos dizer que há algo assim hoje e imaginar que do confronto surgirá uma mistura, e da mistura surgirá algo novo. O futuro dirá.

Boîte décorée de pierres précieuses.

Caixa merovingiana do tesouro da Abadia de Saint-Maurice. (século VII)

(© Glassey Jean-yves, Martinez Michel)

swissinfo.ch: A sensibilidade diferente entre suíços de língua francesa e de língua alemã na política também teria suas raízes neste período.

J. F.: Todos os germânicos tinham uma concepção extremamente leve do Estado. Fazer parte de um Estado, uma nação ou um povo é seguir um rei. Se um vândalo segue um rei franco, ele torna-se franco. Altamente integrados na população local, os burgúndios desenvolveram uma noção muito mais forte do Estado, ao estilo romano. Provavelmente, isso ainda se reflita nos resultados das votações de hoje. Podemos sentir os herdeiros dos burgúndios entre os romandos e talvez os berneses de hoje, que são mais estatistas que os habitantes da Suíça oriental, descendentes dos alamanos.

A nossa geografia administrativa também é fortemente influenciada por este período. As grandes cidades romanas estavam em declínio e o campo começa a ser povoado. A maioria das cidades que ainda hoje conhecemos foram criadas nessa altura, com base na paróquia. Outro fenômeno era que as pequenas cidades que abrigavam o poder do bispo ou do conde no século VII se tornariam mais tarde capitais cantonais: Lausanne, Sion, Chur, Genebra, Basileia. Somos realmente herdeiros de uma estrutura urbana e de localidades que foi criada nessa época.

Datas flutuantes

Os historiadores estimam o fim da Antiguidade e o início da Idade Média em 476. Esta data marca a deposição do último imperador romano do Ocidente por um rei bárbaro.

Duas datas podem marcar o fim da Idade Média. Tradicionalmente, é 1453, data da queda de Constantinopla e do fim do Império Romano do Oriente. Mas cada vez mais historiadores preferem 1492, data da chegada de Cristóvão Colombo às Américas.

A duração da Alta Idade Média também flutuou. Este período é geralmente referido como o período do fim do Império Romano (476) ao ano 1000. Mas alguns - como é o caso dos criadores da exposição de Sion e Lausanne - remontam a 350, data que marca o início do enfraquecimento definitivo do poder central romano. E alguns historiadores já estabeleceram o fim desse período em 888, época em que as estruturas políticas carolíngias desapareceram. 

Aqui termina o infobox


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.