Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Impasse nas negociações com a UE Cenni Najy: "A União Europeia não negociará o acordo-quadro com a Suíça"

 Dois homens

Ueli Maurer, atual presidente da Confederação Suíça, e o deputado-federal Christian Levrat, presidente do Partido Socialista, têm posições diversas sobre o acordo-quadro atualmente em negociação com a União Europeia. 

(KEYSTONE / URS FLUEELER)

Enquanto os sinais de um possível fracasso se acumulam na política interna, Cenni NajyLink externo, pesquisador e especialista em questões europeias na Universidade de Genebra, alerta: Bruxelas será inflexível e não retornará a negociar o acordo quadro concluído com o governo suíço.

O acordo quadro institucional que regula as relações de longo prazo entre a Suíça e a União Europeia está fadado ao fracasso? É o que parece sugerir as declarações feitas por vários políticos suíços no começo do ano. 

Cenni Najy, pesquisador e especialista em questões europeias na Universidade de Genebra e membro do foraus, um grupo de reflexão sobre a política exterior da Suíça

(unige)

O começo de janeiro foi marcado por uma declaração de impacto feita pelo recém-empossado presidente da Confederação Suíça, Ueli Maurer. "Nós devemos renegociar os pontos importantes para que o acordo tenha uma chance de ser aceito. Essa é a minha apreciação", declarou o ministro das Finanças, membro de um partido da direita conservadora, marcado por posições isolacionistas e anti-europeias (Partido do Povo Suíça, SVP, na sigla em alemão, ao canal de televisão de Zurique, Telezüri.

A declaração foi amplamente comentada, apesar de o Conselho Federal (Poder Executivo) ainda não ter tomado uma posição sobre o acordo, apresentado à União Europeia em dezembro, e deste ainda estar em processo de consultas.

Ao mesmo tempo, o presidente do Partido Socialista (PS), Christian Levrat, também solicitou a reabertura das negociações com a UE. "O acordo institucional atualmente em processo de consulta está morto. Não há nenhuma chance de conseguir uma maioria parlamentar para ele. Além disso, as chances que este venha a ser aprovado em uma votação popular são mínimas, sem o apoio do PS", ressaltou.

Para Cenni Najy, especialista em questões europeias na Universidade de GenebraLink externo e membro do grupo de reflexão "Foraus", falta uma real vontade política na Suíça para chegar a um acordo. 

swissinfo.ch: Ao declarar ser necessário renegociar o acordo quadro com a UE, o novo presidente da Confederação, Ueli Maurer, provocou uma forte polêmica. Por que fazê-la no momento em que o acordo entrou no processo de consultas políticas?

Cenni Najy: Provavelmente Ueli Maurer quis agradar os eleitores do SVP no início do ano eleitoral. Mas é claro que a declaração está em contradição total com o processo de consultas lançado pelo Conselho Federal em dezembro. Não apenas essa declaração contradiz o princípio de colegialidade que regula as relações no Poder Executivo, mas também prejudica a credibilidade da Suíça frente à União Europeia.

Ao adiar a assinatura do acordo para permitir a consulta aos grupos interessados, a Suíça conseguiu convencer a UE da sua boa-fé, obtendo em contrapartida uma prorrogação de seis meses do reconhecimento da equivalência das bolsas de valores. Após a declaração de Ueli Maurer, Bruxelas deduzirá que tudo foi apenas uma maneira de adiar e economizar tempo.

swissinfo.ch: Mas Ueli Maurer não teria razão para insistir na melhoria do acordo, frente à forte oposição enfrentada por ele na Suíça?

C.N.: É muito provável que o acordo apresentado em dezembro provavelmente não seja renegociado pela UE. Donald Tusk (presidente do Conselho Europeu) e Jean-Claude Juncker (presidente da Comissão Europeia) enviaram em 20 de dezembro uma carta à Ueli Maurer tratando-o como uma "proposta definitiva".

Não há razão para que a UE seja mais conciliatória com a Suíça do que com o Reino Unido, que não teve a oportunidade de renegociar o acordo de saída da UE. Tanto quanto sei, não existe precedente histórico para tal acordo que, uma vez finalizado, teria sido renegociado a pedido do país terceiro.

swissinfo.ch: O acordo que temos hoje é verdadeiramente prejudicial à Suíça, como afirmam inúmeros políticos do país?

C.N.: Esse acordo está sendo unicamente julgado a partir de uma ótica centrada na Suíça. A União Europeia fez bastante concessões, mas que praticamente não são vistas como tal. Inicialmente, por exemplo, a UE queria revogar todas as medidas de acompanhamento para a livre circulação de pessoas não compatíveis com o euro. No acordo final, falamos de reforma e não mais de revogação.

+ Clique aqui para saber mais sobre o acordo quadro negociado entre a Suíça e a UE

swissinfo.ch: A UE não poderia deixar de lado algumas das coisas consideradas prioritárias para a Suíça?

C.N.: Os partidos políticos e outros atores envolvidos é que devem determinar se essas concessões são suficientes. Mas além das discussões sobre os detalhes técnicos, especialmente a redução de oito para quatro dias no prazo de registro para atividades profissionais de curta duração, constato também que não há uma verdadeira vontade política na Suíça para chegar à assinatura de um acordo.

A reforma das medidas de acompanhamento poderá, por exemplo, ser parcialmente compensada por uma extensão dos acordos coletivos de trabalho (CCT). Porém os dois partidos da centro-direita, o Partido Liberal Radical (PR) e o Partido Democrata Cristão (PDC), não parecem estar com pressa de apresentar um compromisso aceitável aos olhos da esquerda e dos sindicatos.

swissinfo.ch: A rejeição do acordo pela direita isolacionista (SVP) era previsível. Por outro lado, a posição inflexível da esquerda e dos sindicatos, que sempre apoiaram a via bilateral com a UE, parece surpreender. Como você explica isso?

C.N.: Nos últimos dez anos, o Partido Socialista nunca deixou de denunciar a pressão salarial exercida pela livre circulação de pessoas e a falta de eficácia das medidas de acompanhamento. Ao contrário de reforçá-las, o ministro das Relações Exteriores Ignazio Cassis propôs um enfraquecimento dessas medidas em uma declaração que surpreendeu a todos no verão passado.

Em pleno ano eleitoral, é improvável que Partido Socialista, que transformou a proteção dos salários dos trabalhadores suíços em um dos seus principais cavalos de batalha, mude a sua posição. Inspirado pelo sucesso de outras formações esquerdistas na Europa, o PS deve dar uma guinada à esquerda no seu programa político.

swissinfo.ch: O que poderá acontecer se o acordo for rejeitado pela Suíça?

C.N.: A decisão deverá ser tomada entre maio e julho, ou seja, em meio à campanha eleitoral para as eleições de outubro. A primeira medida de retaliação da UE será provavelmente a não renovação do reconhecimento da equivalência das bolsas de valores. A Comissão Europeia poderia então decidir pôr fim à participação da Suíça no programa europeu de pesquisa científicaLink externo.

Outra medida possível: a UE poderia recusar a renovação do acordo sobre barreiras técnicas para o comércioLink externo, um dos mais importantes dos Acordos Bilaterais I. Essas sanções não serão catastróficas para a economia suíça, mas terão efeitos negativos não negligenciáveis nos setores envolvidos.

Enfim, o cenário mais provável é de voltar à estaca zero, o que seria bastante complicado. A Comissão e o Parlamento Europeu estarão totalmente renovados em 2019 e não há garantias de que os novos líderes europeus estejam ansiosos por retomar o trabalho deixado pelos seus antecessores.

swissinfo.ch: Falta coragem para o governo suíço para lidar com esse dossiê, ao seu ver?

C.N.: Em todo caso, falta a visão e uma estratégia de longo prazo. Ninguém conhece claramente as intenções do governo em termos de política europeia. Se este não aceita o acordo, precisa então comunicá-lo. Todavia essa posição seria legítima e defensável, mas precisamos então aceitar as consequências e nos preparar.

Suíça-EU: meio século de hesitações

Situada geograficamente no centro da Europa, a Suíça não faz parte da União Europeia apesar de ter estreitas ligações com os países do continente.

Desde o acordo de livre comércio firmado em 1972 - e após o voto negativo dos eleitores suíços à adesão da Suíça ao Espaço Econômico Europeu (EEE) em 1992 - o país decidiu estabelecer suas relações europeias através da via de negociações bilateraisLink externo, tendo assinado já duas dezenas de acordos setoriais de grande alcance e outras centenas de menor importância com Bruxelas.

Hoje, o desenvolvimento dessa trajetória bilateral depende de um acordo sobre questões institucionais. Este novo acordo-quadro, apresentado em dezembro, visa regulamentar a interpretação e a implementação de importantes acordos bilaterais e as futuras relações entre Berna e Bruxelas.

Embora a UE esteja pressionando pela assinatura deste acordo após cinco anos de intensas negociações, o governo suíço adotou uma atitude de esperar para ver, submetendo o "acordo" com Bruxelas a uma consulta pública informal em larga escala com todos os grupos interessados.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Alexander Thoele

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.