AFP

Incêndio florestal em Calheta, Ilha da Madeira, no dia 12 de agosto de 2016

(afp_tickers)

Mais de 3.800 bombeiros continuavam na noite desta terça-feira (6) lutando contra uma centena de incêndios florestais em Portugal. De acordo com serviços de defesa civil, o fogo cada vez mais intenso obrigou a evacuação de vários povoados e de um hotel de luxo.

Um incêndio especialmente devastador foi declarado na tarde desta terça-feira no Parque Nacional de Peneda Gerês (norte), onde duas localidades rodeadas pelas chamas, Paradela e Várzea, tiveram que ser evacuadas, segundo os bombeiros.

"Vários habitantes tiveram que ser tratados pelos médicos com problemas respiratórios, o fogo se aproximou de suas casas. Nos fazem falta meios para combater o incêndio", declarou o porta-voz dos bombeiros.

Nos arredores, a pequena cidade de Arcos de Valdevez ativou na noite desta terça-feira o plano municipal de urgência, pouco depois da hospitalização de um casal com queimaduras.

Cerca de 60 turistas, a maioria estrangeiros, foram evacuados na segunda-feira pouco antes da meia-noite de um hotel quatro estrelas em Setúbal, 30 km ao sul de Lisboa, ameaçado por um incêndio florestal que pôde ser controlado.

"Os vidros de algumas casas quebraram pelo efeito do calor do incêndio", mas quatro horas mais tarde "a fumaça havia se dissipado e todos os clientes puderam voltar ao hotel", explicou à AFP uma porta-voz do estabelecimento.

Uma turista alemã grávida, transportada por precaução ao hospital depois de inalar fumaça, também pôde voltar ao hotel, acrescentou.

O violento incêndio que foi declarado na segunda-feira em Soure, a cerca de 20 km de Coimbra (centro), e que parecia estar sob controle, ganhou força na tarde desta terça-feira, informaram os serviços de resgate. Mais de 500 bombeiros continuavam combatendo o fogo durante a noite.

Após uma calma relativa em 2014 e 2015, Portugal se viu duramente atingido por uma onda de incêndios que devastaram, ao longo do ano, mais de 107.000 hectares de bosques e florestas em seu território continental, segundo um boletim publicado na terça-feira pela defesa civil.

Na turística Ilha da Madeira, os incêndios deixaram em agosto três mortos e 5.400 hectares queimados, segundo uma estimativa do Sistema Europeu de Informação sobre os Incêndios Florestais (EFFIS).

afp_tickers

 AFP