Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Iniciativa inédita em Berna


As religiões do mundo sob um mesmo teto




 Outras línguas: 3  Línguas: 3

Dizem que é única no mundo: na periferia operária e multicultura de Berna, capital suíça, uma casa tem cinco santuários, de cinco religiões diferentes. Lugar de coexistência, mas também de trocas e abertura a todos os públicos.

Locais de prece para cada um - com um templo hindu cuja torre ultrapassa o teto - e os locais comuns para o diálogo de culturas. É o conceito novo da nova Casa das Religiões em Bümpliz, bairro de Berna, capital suíça. (swissinfo.ch)

Locais de prece para cada um - com um templo hindu cuja torre ultrapassa o teto - e os locais comuns para o diálogo de culturas. É o conceito novo da nova Casa das Religiões em Bümpliz, bairro de Berna, capital suíça.

(swissinfo.ch)

Com a ponta da espátula, o artista faz o acabamento do ombro de Ganesh. O pequeno deus com cabeça de elefante sentado em um joelho de Shiva, é uma maiores divindades do panteão hindu. Mais baixo no andaime, um operário prepara a argamassa, encobrindo o barulho da máquina ouvindo uma cantora tâmil que ele vocaliza num pequeno aparelho de som. Um pouco mais longe, certos altares já mostram suas cores vivas. Mas a grande torre que marca a entrada do templo, por enquanto só tem a cor do cimento.

É que essas esculturas e pinturas vieram especialmente do Tamil Nadu. “Foi bem difícil de obter os visas. Tínhamos a impressão que a cada etapa do procedimento, devíamos recomeçar toda a papelada”, conta Sasikumar Tharmalinguam, o sacerdote hindu da Casa das Religões. “Difícil, é pouco”, retifica Brigitta Rotach», responsável do programa cultural da instituição.  

Mas hoje, ambos têm tendência a sorrir. Porque no dia da abertura, neste domingo 14 de dezembro) chegou enfim. Então se esquecem dos problemas administrativos, é hora de festa, de encontros, da concretização de uma ideia que surgiu há quase 15 anos.

Construir antes de construir

Na época, Brigitta Rotach, teóloga de Zurique de origem judaica, anima o programa “Sternstund” na televisão suíça de língua alemã.

É lá que ele encontra Hartmut Haas, pastor morávio (um ramo do protestantismo) que dirige atualmente a associação  Maison des religions – Dialogue des cultures. “Ele tinha passado alguns anos na Palestina, era logo depois do 11 de setembro de 2001, todo mundo falava do choque de civilizações. Ele veio com um imame e um rabino e os três expuseram essa utopia de uma casa onde as religiões poderiam coabitar e se entender.”

Naquele momento, os pais da ideia são conscientes que os muros não vão sair da terra por milagre. Mas Hartmut Haas não quer esperar que a casa seja erguida. Então ela começa na cozinha dele, depois encontra um primeiro local na cidade, que já se chama Casa de Religiões e onde as comunidades mantém um restaurante, organizam cursos de línguas, de integração, de yoga ... A instituição depois muda para barracas de madeira. Os hindus têm um pequeno templo e os budistas e os morávios se reúnem para rezar e meditar.

Necessidade faz lei

Nada tinha a ver, contudo, com os novos locais de Europaplatz. Aqui, em um complexo novo em folha tem hotel, escritórios, apartamentos, centro comercial, as religiões realmente se instalam. A parte que lhes é reservada, abre-se a uma grande sala e série de cômodos menores no primeiro andar, que servirão para atividades comuns. Em toda a volta, em dois níveis igualmente, estão repartidos os lugares de culto de cinco religiões: cristã, muçulmana, hindu, budista e alevita.

Por que elas e não as outras? Aqui entra o aspecto local dessa realização. Porque se a Casa das Religiões tem valor potencial universal, ela está inserida na realidade de Berna. “Não estabelecemos classificação para selecionar as religiões que têm mais adeptos. De fato, as que têm um local prece na Casa são as que tinham necessidade”, explica Brigitta Rotach. “Aqui, na região oeste de Berna, tem muitos imigrantes e várias religiões tinham local de culto zonas industriais ou porões.”

As outras religiões, que não tinham necessidade de um local de prece são presentes através de uma vitrina e nas animações no espaço comum. É o caso dos judeus, dos siques

Berna, capital da tolerância?

Se todo mundo reconhece o papel motor de Hartmut Haas e da comunidade morávia nessa aventura bernesa, Toni Hodel estema que ela poderia dar certo em outro lugar. “Mas aqui nós temos o hábito faz muito tempo de dialogar, em locais provisórios que precederam a Casa das Religiões”, precisa o teólogo católico.

“Era o destino e vontade de Deus”, afirma o imame albanês Mustafa Memeti, “ que todas as forças progressistas das diferentes comunidades religiosas ajam juntas, de maneira exemplar e construtiva, à realização desse projeto único”. Um projeto que deve favorecer o entendimento e o diálogo e dar “uma contribuição duradoura para a paz e a compreensão mútua”, acrescenta Ralph Friedländer, presidente da comunidade judia de Berna.

Para o corpo e para a alma

“Somos muito conscientes que não vamos salvar o mundo”, resume Brigitta Rotach ; “mas a Casa terá atingido seu objetivo se pelo menos poder contribuir a alguma coisa em Berna. Quando alguém tem medo de outra religião, pode bastar um encontro com membros dessa religião para derrubar os preconceitos.”

E como o encontro passa frequentemente pela mesa, o térreo da parte central da Casa é onde está o restaurante. O cozinheiro é Sasikumar Tharmalinguam que propõe menus 100% vegetarianos que prolongam a vida ». Uma parte dos legumes virá da horta da Casa, as mulheres vêm fazer doces à tarde e nos finais de semana, o restaurante tem brunchs internacionais.

Cada um tem sua fé

Ao sair das zonas comuns, cada religião quer conservar sua especificidade. “Defendemos o diálogo, não a mistura”, precisa a animadora cultural. “Não se trata de dizer que somos todos parecidos e de reduzir ao menor denominador comum. Me lembro, durante os debates, de ter visto jovens crentes vir expor a verdade deles com veemência e ter dificuldade de admitir que os outros possam também ter a verdade deles. Aqui, eu pretendo animar discussões desse tipo e será bom que pessoas no público venham defender sua fé com vigor.”

Quando aqueles em que a fé é mais branda ou inexistente, e que parecem cada vez mais numerosos na Suíça, deverão também encontrar o que procuram na Casa das Religiões. Nem que seja no plano dos encontros e de trocas. Como diz Brigitta Rotach, “o restaurante, a yoga, os filmes vão atrair muita gente pode-se apreciar uma comida Ayurveda sem ser convicto de nada. Também devemos oferecer algo às pessoas que não são totalmente apaixonados por questões de verdade.”

“O milagre de Berna”

“Esse projeto é inteiramente supérfluo e não vai dar certo com uma probabilidade perto da certeza”. Essa foi, nos início dos anos 2000, a resposta de uma das primeiras funcionárias a quem os pais da Casa das Religiões submeteram a ideia.

De fato, os recursos necessários à construção não foram fáceis de encontrar. Cada uma das comunidades presentes instalou seu lugar de culto por conta própria, mas os locais e serviços comuns custaram 10 milhões de francos suíços. Foi preciso solicitar mais de 150 fundações, instituições e empresas para reunir a soma.

Finalmente, o essencial veio da fundação Rudolf e Ursula Streit (2,75 milhões), do Fundo de loteria do cantão de Berna (2,2 milhões), da burguesia de Berna (900 mil francos) e de diversos doadores (2 milhões). As duas Igrejas oficiais (católica e reformada) doaram cada uma um milhão de francos suíços.


Adaptação: Claudinê Gonçalves

×

Destaque