Reuters internacional

John Kerry faz discurso na ONU sobre ações russas na Síria. 21/9/2016. REUTERS/Lucas Jackson

(reuters_tickers)

Por Yara Bayoumy e Tom Perry

NAÇÕES UNIDAS/BEIRUTE (Reuters) - O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, exigiu nesta quarta-feira que a Rússia e o governo da Síria detenham imediatamente os voos sobre zonas de batalha, o que classificou como a última chance de preservar um cessar-fogo vacilante e encontrar um caminho "para fora da carnificina".

Um Kerry inflamado interpelou o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York em um confronto televisivo anormalmente acalorado, dizendo que o bombardeio de um comboio de ajuda humanitária na Síria despertou "dúvidas profundas sobre a Rússia e o regime de (presidente sírio, Bashar Al-) Assad poderem ou quererem se mostrar à altura" das obrigações do cessar-fogo.

Ouvir Lavrov o fez sentir como se vivesse em um "universo paralelo", disse Kerry.

Em solo sírio, os rebeldes combateram as forças de Assad em grandes frentes de batalha próximas de Aleppo e Hama, e há relatos de que ataques aéreos mataram uma dezena de pessoas, incluindo quatro funcionários médicos.

    "Enfatizo isto à Rússia. Os Estados Unidos continuam a acreditar que existe um caminho adiante que, embora pedregoso e difícil e incerto, pode proporcionar a rota mais viável para fora da carnificina", afirmou Kerry.

"Se permitirmos que aproveitadores escolham uma rota para nós, a rota da escalada... então não se enganem, meus amigos: da próxima vez que nos reunirmos aqui, estaremos diante de um Oriente Médio com ainda mais refugiados, ainda mais mortos, ainda mais deslocados, com mais extremistas e mais pessoas sofrendo em uma escala ainda maior."

Ele desdenhou o que descreveu como as explicações absurdas da Rússia para um ataque a um comboio de ajuda humanitária na segunda-feira que Washington afirma ter sido realizado por aviões de guerra russos. Um comunicado russo disse que os caminhões "pegaram fogo", o que o diplomata norte-americano disse equivaler a atribuir a culpa a uma "combustão espontânea".

    "Para restaurar a credibilidade do processo, precisamos seguir adiante e tentar segurar imediatamente todas as aeronaves que voam naquelas áreas cruciais de maneira a distensionar a situação e dar uma chance para que a assistência humanitária flua sem impedimentos", disse.

Lavrov, por sua parte, pediu uma investigação independente do ataque ao comboio, e disse que todas as partes precisam adotar medidas simultâneas para acabar com a guerra.

    (Reportagem adicional de John Davison em Beirute e Michelle Nichols e John Irish na ONU)

reuters_tickers

 Reuters internacional