AFP

(4 out) Exibição especial do documentário em Miami Beach, Flórida

(afp_tickers)

O ator americano Leonardo DiCaprio faz um chamado a todos para que, ante a necessidade de conter as mudanças climáticas, modifiquem-se os hábitos de consumo, em um documentário que estreou neste sábado em Londres, "Before the Flood".

O ator, vencedor este ano do Oscar por sua interpretação em "O Regresso", convida o público a conhecer especialistas e políticos de todo o mundo que apresentam o desafio representado pelo aquecimento global, e pistas para encontrar soluções para este problema.

"Não queria que o filme assustasse as pessoas ou lhes apresentasse estatísticas e fatos que já conhecem, e sim que ajudasse a pensar no que se deve e pode fazer para deixar um planeta habitável para as próximas gerações", explica DiCaprio nas notas de produção do documentário.

O ator percorre o planeta, desde o local onde foi filmado O Regresso, na província canadense de Alberta, até a poluída Pequim, passando pela Groenlândia, o arquipélago de Kiribati ou Sumatra, e constata os danos produzidos: poluição, aumento do volume das águas - que ameaça o futuro de ilhas e, a longo prazo, o de toda a humanidade - e desmatamento dos pulmões verdes do planeta.

DiCaprio, nomeado pela ONU Mensageiro da Paz encarregado principalmente da luta contra as mudanças climáticas, denuncia empresas e políticos - entre eles, em primeiro lugar, o candidato republicano à presidência americana, Donald Trump - que negam o aquecimento global, organizam campanhas e fazem lobby para bloquear qualquer reforma favorável ao meio ambiente.

"Tudo o que está no filme tem origem em fatos. O mundo tem que saber que as campanhas desses políticos são amplamente financiadas pela indústria dos combustíveis fósseis. A eles interessa dizer que as mudanças climáticas não existem", declarou à AFP Fisher Stevens, diretor do documentário.

"Donald Trump não acredita na mudança política. Muitos senadores, tampouco. Na França, Nicolas Sarkozy disse outro dia que não acreditavam nas mudanças climáticas. Essa gente não deveria ocupar cargos de poder", criticou, assinalando esperar que, na Alemanha, Angela Merkel, "uma governante favorável ao meio ambiente", mantenha-se no poder.

- Trump desautorizado-

"Se você não acredita nas mudanças climáticas, então não acredita em fatos, nem na ciência, e, na minha humilde opinião, não deveria ser autorizado a ocupar um cargo público", disse o ator em mensagem ao candidato republicano, durante a exibição do documentário na Casa Branca, este mês.

O presidente Barack Obama lembrou, naquela ocasião, que "estamos realmente mergulhados em uma corrida contra o tempo".

De Bill Clinton a Ban Ki-moon, passando pelo Papa Francisco, Leonardo DiCaprio interroga todos os poderosos ou dirigentes sobre a possibilidade de se evitar um desastre.

Barack Obama exibe diante da câmera um otimismo cauteloso, e explica que a luta contra o aquecimento global se tornou "um tema de segurança nacional. Se agirmos agora, não há motivo para que não consigamos resolver a tempo o problema".

Do lado das soluções, a mensagem de DiCaprio é clara: "Depende de nós! Deixemos de consumir produtos a base de óleo de palma, substituamos pelo menos parte do nosso consumo de carne por frango ou verduras, e mostremos que sabemos a verdade sobre as mudanças climáticas".

Em nível político, ele defende a necessidade de uma taxa de carbono, elogia o desenvolvimento das energias solar e eólica, e se entusiasma com a megafábrica de baterias para carros elétricos do visionário sul-africano Elon Musk.

"Before the Flood", dirigido por Fisher Stevens, estreia nos Estados Unidos em 21 de outubro e será divulgado, em seguida, pela rede National Geographic.

afp_tickers

 AFP