Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Quer um pouco de jodel, o canto coral tão típico na Suíça, com o seu fondue? Neste item você encontra os informações não apenas sobre a música folclórica, mas também informações sobre gêneros modernos ou as estrelas musicais da Suíça.

 (Keystone)
(Keystone)

Pense na música suíça: o iodelei (do alemão "jodeln") ou tirolês surgem logo em mente. Esse é uma forma de canto utilizando sílabas fonéticas, criando um som que muda rapidamente e repetidamente. Porém os gostos nacionais vão além disso e incluem ritmos que vão do tradicional jazz ao rap, música eletrônica, rock e muitos outros.

Embora o iodelei seja identificado com a Suíça, essa técnica não é exclusiva do país. Acredita-se que nas regiões dos Alpes ela tenha sido desenvolvida por pastores isolados como uma forma de comunicação a longa distância.

Como em outros países alpinos, o folclore também inclui instrumentos tradicionais como o Schwyzerörgeli (ou acordeão suíço), clarinetas, contrabaixo e naturalmente o famoso corne dos Alpes, que pode ser tocado sozinho ou em grupos.

A cena de música amadora envolve um número muito grande de pessoas na Suíça. Em cada vilarejo é possível encontrar pelo menos um coro ou banda de coreto.

Música clássica

Embora a Suíça não esteja na vanguarda da música clássica, ela produziu inúmeros compositores de renome internacional como figuras famosas no século 20 como Arthur Honegger, Frank Martin ou Othmar Schoeck.

Sob a direção do seu fundador Ernest Ansermet, a Orchestre de la Suisse Romande levou a música moderna para o público nacional e hoje grandes orquestras atuam em cidades como Zurique, Genebra, Lausane, Bienne, Berna, Basileia, Lucerna, Lugano, Winterthur e St Gallen. Charles Dutoit e Mathias Bamert continuaram a tradição dos maestros suíços de fama internacional. 

O jazz se tornou popular após os anos 1930. Cidades como Montreux, Willisau e Lugano criaram festivais de jazz, cuja fama vão além das suas fronteiras. Berna tem uma reconhecida escola de jazz.

Eventos

Uma grande variedade de eventos ao ar livre de música popular e folclórica, bem como festivais de música clássica, são uma característica dos meses de verão da Suíça.

A Suíça é palco de uma série de festivais internacionais de música clássica: os concertos de Páscoa e verão no Centro de Cultura e Convenções de Lucerna, o Festival Menuhin em Gstaad e Neve e Sinfonia na estação de esqui de St. Moritz.

O Festival Internacional de Jazz de Montreux atrai uma grande audiência internacional. Há também numerosos eventos de música country e jazz.

O Festival de Paléo, que atrai dezenas de milhares de visitantes às margens do Lago de Genebra, em julho. Já grandes festivais de pop, rock e jazz ao ar livre no verão são locais para bandas que vão desde grandes grupos internacionais até artistas suíços famosos como Sophie Hunger ou Stephan Eicher. Outras estrelas suíças: DJ BoBo, Gotthard, Yello, Krokus ou o The Young Gods.

Música e idioma

Assim como em outros países, há uma tendência no rock e na música popular de utilizar o estejam em inglês para permitir atingir também o mercado internacional, mas há também uma cena próspera nas línguas nacionais suíças. Além disso, há numerosos cantores suíços populares que cantam em seu próprio dialeto (conhecido como "Mundart").

De fato, já havia um grupo próspero de "trovadores" ou cantores folclóricos nos anos 1960 que cantavam suas próprias canções em dialeto com acompanhamento de guitarra. O mais famoso deles era Mani Matter, que compôs e executou suas canções espirituosas e satíricas no dialeto de Berna. Suas canções ainda são cantadas e as gravações populares nos cantões de língua germânica.

swissinfo.ch

×