Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mudança climática nos Alpes Geleiras suíças encolhem ainda mais após calor extremo de 2018

As temperaturas extremas no ano passado, incluindo um dos verões mais quentes já registrados na Suíça, foram devastadoras para as geleiras do país, revela um novo estudo.

rhone glacier

Medidas desesperadas: mantas para proteger o gelo na geleira do Ródano, na Suíça.

(Keystone)

Um inverno excepcionalmente nevado não foi suficiente para compensar o verão extremo, que causou a perda de 2,5% do volume das geleiras, informou a Academia de Ciências da Suíça.

A perda adicionou-se a uma tendência de longo prazo que viu as geleiras suíças perderem um quinto de seu gelo na última década; o suficiente para cobrir todo o país em 25 cm de água.

Portanto, o ano de 2017-2018 não é apenas um dos recordes de temperatura e seca, mas também um dos piores registrados nas geleiras, após o verão de 2003.

Geleiras dos Alpes - ontem e hoje

Mova o cursor horizontalmente para ver como as geleiras dos Alpes mudaram consideravelmente em um século. As imagens são extraídas do livro "Glaciers. Passé-présent du Rhône au Mont-Blanc" (n.r.: Geleiras. Passado-presente do Ródano até o Mont-Blanc. Edições Slatkine, (2010). (Fotos: Amédée Zryd, Hilaire Dumoulin, Nicolas Crispini)

Galerie de fotos sobre geleiras

E, no entanto, o inverno parecia ter compensado bem as perdas: os níveis de neve nas montanhas no final da temporada eram os mais altos em 20 anos (as camadas de neve protegem as geleiras do sol, assim como - em alguns casos - contribuem para o crescimento das geleiras).

Por dentro das profundezas geladas

Acompanhe pesquisadores e aventureiros em sua viagem através da  geleira de Plaine Morte, nas montanhas suíças. 

No entanto, isso não foi páreo para um verão que acabou sendo o terceiro mais quente já registrado, um verão que também causou problemas para os agricultores devido à seca generalizada.

"Desde o início dos registros, 81 anos atrás, nunca houve tão pouca neve fresca no verão", escreveram os autores do relatório.

Como exemplo, eles citaram as medições na montanha Weissfluhjoch, no sudeste da Suíça, onde entre 17 de maio e 4 de setembro não ocorreu nenhuma queda de neve de mais de 1 cm.

De fato, “durante 87% dos dias de verão, as temperaturas, mesmo a essa altitude [2.540 metros acima do nível do mar], nunca conseguiram chegar abaixo de zero”, disseram.

Matthias Huss, diretor da rede suíça de dados sobre geleiras, GLAMOS, não teve dúvidas em apontar a culpa: "o encolhimento das geleiras está diretamente ligado à mudança climática", declarou à agência de notícias AFP.

"As geleiras são muito sensíveis a altas temperaturas do ar, que estão claramente ligadas a maiores concentrações de CO2 na atmosfera", disse, acrescentando que se o aquecimento continuar no mesmo ritmo, muitas geleiras menores desaparecerão completamente nos próximos anos.



swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.