Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mulheres descartadas das empresas suíças

Isabelle Welton, diretora da IBM Suíça é uma das poucas mulheres que ocupam uma posição no topo da hierarquia.

(RDB)

Na Suíça, poucas mulheres ocupam cargos de direção nas empresas. Para tentar remediar o desequilíbrio, o governo publicou um manual de "boas maneiras", cuja eficácia vem sendo bastante questionada.

O livreto da Secretaria Federal de Economia (SECO) pretende encorajar as empresas do país a contratar mais mulheres para os postos de direção. Uma mudança fundamental na cultura das empresas helvéticas, segundo a União Patronal Suíça.

Atualmente, na Suíça, as mulheres representam cerca de 4% dos postos de direção e ocupam 8,3% das cadeiras nos conselhos de administração. A SECO observa que a situação mudou muito pouco nos últimos dez anos. "Um dos principais motivos é a difícil combinação entre trabalho e família. As condições de enquadramento devem ser ajustadas corretamente, senão as mulheres que têm família não conseguirão avançar em suas carreiras", diz Martina Schläpfer, responsável da seção trabalho/mulher/família da secretaria de economia.

"A segunda razão é o teto de vidro. É muito difícil para as mulheres atingir os mais altos escalões da hierarquia, porque muitas vezes as competências profissionais não são suficientes: outros fatores desempenham um papel importante como os contatos pessoais. Os homens têm melhores contatos e se recomendam uns aos outros para os postos de liderança", observa.

Martina Schläpfer acrescenta: "No entanto, estudos mostram que empresas com uma proporção equilibrada de mulheres na direção são mais eficientes, e que as equipes mistas são mais criativas e respondem melhor às expectativas dos clientes".

As “boas maneiras” propostas no livreto da SECO, "Mulheres em cargos de liderança: Chaves para o Sucesso", são baseadas na experiência de dez empresas.

As técnicas abrangem diversas áreas, tais como mudança da cultura empresarial, desenvolvimento de carreira, equilíbrio trabalho/vida privada e processo de recrutamento, que, de acordo com Martin Schläpfer, é geralmente mais adaptado aos homens.

Objetivos

Algumas empresas têm metas bem claras. A gigante farmacêutica Roche quer contar com 20% de mulheres no seu top management até o final de 2014. Já a IBM Suíça incentiva uma proporção mais equilibrada de mulheres nos cargos de confiança, já que a direção da empresa está nas mãos de uma mulher, Isabelle Welton. A empresa tem 21% de mulheres em seu conselho de administração e 33% nos cargos de liderança.

A própria secretaria federal de economia nomeou, pela primeira vez, uma mulher na chefia, com Marie-Gabrielle Ineichen que assumirá o cargo em 1° de abril. Por outro lado, duas das empresas citadas, a de consultoria PricewaterhouseCoopers e a de eletrônicos Feller, não têm nenhuma mulher nos cargos de direção, apesar de terem programas de aconselhamento e apoiarem o trabalho a tempo parcial.

As empresas citam várias razões para encorajar uma maior participação das mulheres nos cargos de chefia, que vão desde o temor de uma escassez de pessoal no mercado de trabalho de 2015 ou simplesmente para se passar como boas empregadoras.

 

Medidas voluntárias ou cotas?

A União Sindical Suíça continua duvidando da iniciativa da SECO. "A publicação é muito boa, mas também mostra que não avançamos realmente se contamos só com medidas voluntárias", diz Christina Werder, secretária da igualdade.

A sindicalista ressalta que a igualdade foi consagrada na Constituição suíça há 30 anos, mas nunca alcançou realmente o mundo profissional, especialmente porque as mulheres continuam ganhando ainda cerca de 20% menos que os homens.

Para ela, o debate precisa de um novo impulso. "É por isso que os sindicatos estão chamando as pessoas para um comício dia 14 de junho, pedindo a igualdade de remuneração, mais lugares em creches ou ainda a licença paternidade", diz, referindo-se ao planejamento de uma greve em favor das mulheres.

"As mulheres pedem a igualdade salarial há muito tempo, mas temos de admitir que isso não vem voluntariamente. É a mesma coisa com as mulheres em posições de liderança", diz.

A Suíça já discutiu a questão de cotas para mulheres nas empresas, como acontece na Noruega desde 2008 e que será imposta aos conselhos de administração franceses até 2017. Mas Martina Schläpfer nota que este não é um tema na agenda política, uma vez que todas as iniciativas legislativas sobre o assunto foram rejeitadas.

Ela admite que as medidas voluntárias levam tempo. "Mas se as empresas agem segundo suas próprias convicções, é mais certo que mudem”.

dia internacional da mulher

100 anos. O Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, comemora as conquistas econômicas, políticas e sociais das mulheres. As primeiras manifestações foram realizadas em 1911 na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça, e reuniram mais de um milhão de pessoas. Hoje, vários países marcam esta data. Em cerca de 25 países, incluindo Afeganistão, Rússia, Ucrânia, Vietnã e Zâmbia, o dia 8 de março é feriado.

Manifestações.

A Suíça participa através de vários eventos às manifestações internacionais para esse dia: a escola internacional de administração (IMD) de Lausanne organiza dois dias dedicados às mulheres em posições de liderança (10 e 11 de março). Em Berna, foi realizada uma conferência bilateral Suíça-Estados Unidos sobre as mulheres, dia 7 de março. A União Sindical Suíça também organiza um evento dia 08 de março.

Aqui termina o infobox

As mulheres nas empresas

Salário. As mulheres ganham em média 20% menos que os homens. A Secretaria Federal da Igualdade (BFEG, na sigla em francês) observa que cerca de 40% destas diferenças são devidas à discriminação. As mulheres que ocupam cargos de chefia ganham até 30% menos que os homens.

Tempo parcial. A BFEG acrescenta que o mercado de trabalho ainda está dividido entre profissões "masculinas" e "femininas", menos remuneradas. No emprego, seis em cada dez mulheres trabalham a tempo parcial. Entre os homens, essa estatística sobe para um em cada oito ou 12%.

Mal europeu. A Suíça não é um caso isolado. Um estudo da empresa de consultoria Mercer nota que dois terços das empresas europeias pesquisadas não possuem uma estratégia para incentivar as mulheres a assumir papéis de liderança. Apenas 11% delas desenvolveram tais iniciativas.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.