Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Nas sombras


Cai número de clandestinos na Suíça


 Outras línguas: 4  Línguas: 4

De acordo com um relatório divulgado pela Secretaria Federal de Migrações, o número de imigrantes clandestinos que residem na Suíça pode ter diminuído na última década.

Muitos dos imigrantes clandestinos provenientes da Europa trabalham em empregos agrícolas sazonais (Keystone)

Muitos dos imigrantes clandestinos provenientes da Europa trabalham em empregos agrícolas sazonais

(Keystone)

Pelas estimações das autoridades suíças, o número de imigrantes clandestinos no país se situou perto dos 76 mil em 2015, em comparação com cerca de 90 mil em 2005. É esperado que o número real esteja entre 58.000 e 105.000 indivíduos.

Os imigrantes clandestinos vêm de países fora da União Europeia e não têm o direito de permanecer na Suíça. Acredita-se que cerca de dois terços entraram no país sem os documentos necessários ou ultrapassaram o prazo do visto de turista. Perto de 20% expiraram o prazo do visto de residência (visto B e C) ou tiveram seus pedidos de asilo rejeitados.

Quase metade dos imigrantes clandestinos da Suíça deve residir no cantão de Zurique (28.000), seguido de Friburgo (20.000), Genebra (13.000) e Vaud (12.000).

Os clandestinos da Ásia e África são estimados em ser em grande parte homens cujos pedidos de asilo foram rejeitados e para os quais encontrar trabalho é difícil. Os da Europa também são na maioria homens, mas que geralmente encontram trabalho em setores como construção, hotelaria, gastronomia e agricultura. As mulheres da América Latina conseguem encontrar trabalho graças às suas redes sociais. Perto da metade de todos os imigrantes clandestinos trabalha em casas de família.

Cerca de metade não tem nenhuma qualificação além do ensino fundamental, mas cerca de nove em cada dez adultos estão envolvidos em algum trabalho remunerado e são financeiramente independentes. Dois terços dos imigrantes clandestinos vivem sozinhos e cerca de 10% são menores de idade.

As informações contidas no relatório foram coletadas por meio de 60 entrevistas com especialistas de doze cantões suíços. O estudo também utilizou a base de dados centralizada dos serviços de imigração, registros da previdência e outras fontes.

swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×