Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Neutralidade na Segunda Guerra Mundial: boas notas para a Suíça

Soldado suíço vigia as fronteiras durante a II. Guerra Mundial em Schaffhausen.

(Keystone)

Entre todos os Estados neutros durante a Segunda Guerra Mundial, a Suíça foi o que melhor defendeu sua neutralidade.

Essa é a conclusão tirada pelo historiador americano Herbert Reginbogin da sua pesquisa sobre a política dos países neutros.

Herbert Reginbogin já havia realizado, em 2001, o estudo com o historiador suíço Walther Hofer intitulado "Hitler, o ocidente e a Suíça entre 1936 e 1945". Agora ele foi contratado pela Associação de História Viva (AGG, na sigla em alemão) para realizar uma pesquisa sobre o papel da Suíça durante a II. Guerra Mundial.

Na sua última obra, intitulada "O comparativo. A política da Suíça durante a II. Guerra Mundial em contexto internacional", ele compara a política helvética com a de países como a Espanha, Portugal, Suécia, Turquia, a Franca ocupada e os Estados Unidos (que era neutro até 1941).

Na sua opinião, a Suíça era o único país verdadeiramente neutro na Europa que "estava equipada e também disposta a enfrentar com todas suas forças o colosso alemão – mesmo com o perigo da uma invasão.

Outros países cediam

É verdade que a Suíça não manteve estreita neutralidade em relação aos dois blocos de países em guerra. Porém os outros países neutros cederam muito mais na sua política de neutralidade: Reginbogin lembra-se que o transporte de tropas alemãs foi autorizado pela Suécia ou no envio da chamada "Divisão Azul", formada por voluntários espanhóis para lutar no fronte leste alemão.

Os EUA, país que criticou fortemente a Suíça durante o debate do ouro roubado dos alemães ou das fortunas de judeus desaparecidos depositados em contas bancárias suíças, também é colocado no tribunal da história por Reginbogin.

"Quando os Estados Unidos ainda eram neutros, eles se arvoravam o direito de comercializar com a Alemanha nazista em guerra. Porém a partir do momento em que o país declarou guerra aos alemães, eles passaram a querer tirar esse direito de todos os países neutros que tinham a mesma posição.

Tese de prolongação da guerra refutado

Como o pesquisador americano já havia indicado no estudo preparado com o suíço Hofer, ele também refuta a tese de prolongação da guerra.

Sua própria tese é de que não foi a Suíça que prolongou a II. Guerra Mundial com sua política econômica. Explicação: o fornecimento de matéria-prima e outros produtos industrializados por outros países foi muito mais importante para a máquina de guerra alemã.

País de vilões?

Na sua política de refugiados, o governo suíço não teria feito o possível e impossível para salvar judeus. Porém a crítica de que a Suíça teria sido cúmplice no genocídio ou de que teria contribuído, com sua política, para que os nazistas alcançassem o seu objetivo, é vista pelo estudioso americano como calúnia.

"A Suíça não foi um país de criminosos, como afirma a Comissão Bergier. Ela não merece ser qualificada dessa forma", reforça Reginbogin.

Crítica ao estudo oficial

O pesquisador americano critica com seu trabalho os resultados trazidos pela Comissão Bergier (ler contexto), porém sem refutar o trabalho realizado pelos estudiosos. O principal objetivo da sua obra de 300 páginas é reunir documentos históricos e outros fatos e apresentá-los ao leitor, para que este tenha o seu próprio julgamento.

O estudo de Reginbogin não traz novos dados à discussão sobre o papel da Suíça, mas uma outra visão da posição política e econômica dos países neutros e seu papel durante o período de conflitos.

swissinfo e Howard Dubois (sda)

Fatos

Herbert R. Reginbogin: "O comparativo. A política da Suíça durante a II. Guerra Mundial em contexto internacional" (Der Vergleich. Die Politik der Schweiz zur Zeit des Zweiten Weltkrieges im internationalen Umfeld)
Editores: Associação de História Viva (Arbeitskreis gelebte Geschichte.
Th. Gut Verlag, Stäfa, Buchverlag der Zürichseepresse AG, 2006).

Aqui termina o infobox

Breves

Março de 2002: a "Comissão Independente de Especialistas sobre a Suíça na II. Guerra Mundial", sobre a direção do professor de história Jean-Francois Bergier apresenta o relatório final. Em cinco anos de trabalho o grupo preparou 25 pré-relatórios.

O relatório da Comissão Bergier desvenda o papel do governo suíço e da economia helvética durante a II. Guerra Mundial, apresentando-as de forma crítica e também vários insucessos e outros erros políticos.

Dentre eles a política restritiva em relação aos refugiados judeus e de cooperação com o regime nazista. O estudo também critica o fato da Suíça não ter se preocupado com indenizações e restituição de fundos de vítimas do nazismo.

Apesar do relatório da Comissão Bergier ter sido muito elogiado pela imprensa e governo, muitos suíços viram o trabalho com fortes reservas e críticas, sobretudo pelos aspectos negativos da Suíça retratados no trabalho.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.