Por Hyonhee Shin

SEUL (Reuters) - Kim Jong Un foi identificado oficialmente como chefe de Estado e comandante-chefe dos militares da Coreia do Norte em uma nova Constituição, que observadores disseram poder visar preparativos para um tratado de paz com os Estados Unidos.

Há tempos a Coreia do Norte pede um acordo de paz com os EUA para normalizar as relações e encerrar o estado de guerra técnico que se mantém desde que a Guerra da Coreia de 1950-1953 terminou com um armistício, em vez de um tratado de paz.

A nova Constituição, revelada no site estatal Naenara na quinta-feira, disse que, como presidente da Comissão de Assuntos de Estado (SAC), entidade estatal criada em 2016, Kim é "o representante supremo de todo o povo coreano", o que significa chefe de Estado, e "comandante-chefe".

Uma Constituição anterior qualificava Kim simplesmente como "líder supremo" que comanda a "força militar geral" do país.

Anteriormente, o chefe de Estado oficial da nação era o presidente do Parlamento, conhecido como Presidium da Assembleia Popular Suprema.

"Kim tinha o sonho de se tornar o presidente da Coreia do Norte, e efetivamente o transformou em realidade", disse Kim Dong-yup, professor do Instituto do Extremo Ocidente da Universidade Kyungnam de Seul.

"Há tempos ele tentava descartar a política 'militares em primeiro' anormal à qual o país se ateve durante muito tempo".

Kim voltou seu foco à economia no ano passado, iniciou conversas nucleares com os EUA e se empenhou em adotar uma imagem de líder mundial por meio de cúpulas com Coreia do Sul, China e Rússia.

As tratativas de desnuclearização entre Pyongyang e Washington emperraram, mas novas conversas devem ocorrer neste mês.

A Coreia do Norte suspendeu os testes de bombas nucleares e mísseis de longo alcance em 2017, mas testou novos mísseis de longo alcance depois que uma cúpula com os EUA em fevereiro fracassou, e autoridades norte-americanas acreditam que a nação expandiu seu arsenal continuando a produzir combustível para bombas e mísseis.

A nova Constituição continua a descrever a Coreia do Norte como um Estado detentor de armas nucleares.

Na prática, Kim, líder hereditário de terceira geração, comanda o país com punho de ferro, e a troca de título mudará pouco na maneira como ele exercita o poder.

(Reportagem adicional de Joyce Lee)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.