Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Opinião Como vencer a guerra contra o terror

Passaram 14 anos desde que o Presidente George W. Bush declarou uma “guerra global contra o terror”. Hoje, depois de gastar 1,6 bilhão de dólares nessa guerra e executar 101 líderes terroristas, desde Osama bin Laden até “Jihadi John”, o Ocidente permanece tão vulnerável, se não mais, a extremistas que podem recrutar combatentes e atacar qualquer capital no Ocidente praticamente à vontade.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agora que também outro presidente, François Hollande da França, declarou guerra ao terror (como o fizeram outros líderes europeus), serão mesmo melhores as perspectivas de vitória? Tenho as minhas dúvidas.

É tempo de considerar que a força dos nossos oponentes deriva, pelo menos de certa forma, de sentimentos parecidos com os que animaram a Guerra da Independência Americana e a Revolução Francesa: frustração com o afastamento do sistema prevalecente. Nas colônias americanas da Inglaterra antes de 1776, e na França nos anos que levaram a 1789, as pessoas normais convenceram-se de que as suas vidas, bens, e negócios tinham sido sujeitos durante demasiado tempo à predação de governantes arbitrários. O mesmo distanciamento é sentido hoje em dia no Oriente Médio e no Norte de África.

Afinal, a Primavera Árabe começou quando um empresário tunisiano pobre, Mohamed Bouazizi, se imolou pelo fogo em dezembro de 2010, em protesto contra a expropriação impiedosa do seu negócio. Cometeu suicídio, como o seu irmão Salem me contou numa entrevista gravada para a televisão pública americana, pelo “direito dos pobres a comprar e a vender”.

No espaço de 60 dias após a morte de Bouazizi, a sua mensagem galvanizou o mundo árabe. Mais sessenta e três pequenos empresários no Grande Oriente Médio replicaram a sua autoimolação, incitando centenas de milhões de árabes a vir para as ruas e a derrubar quatro governos. A força da sua raiva continua a desestabilizar toda a região.

O Ocidente não compreendeu esta mensagem. Como de costume, centrou-se no ajuste macroeconômico e na assistência técnica, deixando mesmo de considerar os direitos patrimoniais da maioria pobre. Este é um problema antigo: em vez de recordarem que foram os direitos patrimoniais aquilo que emancipou as suas sociedades relativamente a soberanos agressivos, os ocidentais esquerdistas pensam que a proteção da propriedade é um dogma direitista, os conservadores tomam os direitos patrimoniais legais como certos, e os economistas associam-nos a contratos de imobiliário e carpintaria.

Hernando de Soto é um economista e político peruano. Também preside o Instituto de Libertad y Democracia , com sede em Lima. Nasceu em 1941, na cidade de Arequipa, Peru. O autor de best sellers, traduzidos em mais de 20 idiomas, como "O Mistério do Capital", fez sua pós-graduação no Instituto Universitário de Altos Estudos Internacionais de Genebra. 

Aqui termina o infobox

A incapacidade do Ocidente de encorajar os governos árabes a estabelecer, proteger, e melhorar os direitos patrimoniais dos seus cidadãos (e fornecer-lhes os meios para tal) criou um vácuo, que foi ocupado pelos nacionalistas românticos da região e as suas extensões terroristas, que enviam atualmente os seus peões para a Europa. Claro que estes fanáticos não serão capazes de melhorar as condições de vida dos mais pobres; longe disso, como prova a regra predatória do chamado Estado Islâmico no seu autoproclamado califado. Mas numa atmosfera de privação e frustração, quem faz falsas promessas atrai seguidores com facilidade.

Quanto tempo demorará o Ocidente a lembrar-se de que o capitalismo democrático requer direitos patrimoniais fortes, para definir limites claros para além dos quais o estado não pode ir? Como o universo entrópico e todos os espaços abertos, o mercado global é um sítio turbulento com pouco respeito pela vida. Todos os sistemas vivos, naturais ou organizados pelo homem, nascem e funcionam apenas em espaços encapsulados. Quer estejamos a falar de células, moléculas, órgãos do corpo, computadores, ou grupos sociais, cada um é contido e limitado por uma fronteira: uma membrana, uma epiderme, um muro, ou um direito legal.

Dentro das fronteiras dos nossos corpos, as estruturas multicelulares complexas são sustentadas pela produção de moléculas que garantem a cooperação e a troca de informação entre células, um processo conhecido como “sinalização”. As deficiências neste processo podem levar ao aparecimento de desordens como o cancro. Se forem afastadas das outras células ou da matriz circundante, as células normalmente morrem num curto espaço de tempo, num processo chamado “anoiquia” (NT: anoikis no original; sinónimo de apoptose), do Grego para “sem-abrigo”.

Quem acabar com a “anoiquia” no Grande Oriente Médio vencerá a guerra contra o terror. É por isso que o Ocidente e os seus aliados devem ajudar os 80% da população cuja sobrevivência depende das fronteiras necessárias para protegê-los e aos seus bens (direitos patrimoniais e responsabilidade limitada). Precisam de mecanismos de sinalização para detectar o perigo (registos e sistemas de monitorização decorrentes do registo de bens e empresas). Precisam das moléculas de adesão para se ligarem a outros e construir combinações cada vez mais complexas e valiosas (contratos juridicamente vinculativos). E precisam da capacidade de usar bens para garantir crédito e criar capital (valores mobiliários para dividir, ampliar, e garantir bens). De outra forma, as forças militares combinadas da Europa e dos Estados Unidos, e agora da Rússia, não ganharão nada.

Se Hollande, o próximo presidente dos EUA, e os seus aliados árabes quiserem travar o terrorismo, deverão pressionar (e ajudar) os governos do Oriente Médio para darem aos seus habitantes as proteções que sustentem o seu potencial para prosperar em igualdade de condições no mercado global. Foi isso que fizeram os revolucionários americanos e franceses. E é a maneira mais segura de negar aos extremistas a atratividade que sustenta a sua existência.

(Artigo publicado originalmente no site Project SyndicateLink externo)

Ponto de vista

A nova série swissinfo.ch acolhe doravante contribuições exteriores escolhidas. Tratam-se de textos de especialistas, observadores privilegiados, a fim de apresentar pontos de vista originais sobre a Suíça ou sobre uma problemática que interessa à Suíça. A intenção é enriquecer o debate de ideias.

As opiniões expressas nesses artigos são da exclusiva responsabilidade dos autores e não refletem necessáriamente a opinião de swissinfo.ch. 

Aqui termina o infobox


Tradução: Antônio Chagas, Project Syndicate

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×

Destaque