Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Poliglotas


Os intérpretes que viabilizam o trabalho na ONU


Por Bill Harby


 Outras línguas: 2  Línguas: 2
un_interpreters_10-38630432 (1) (Bill Harby)

Rebecca Edgington no seu trabalho de intérprete na ONU em Genebra.

(Bill Harby)

O trabalho nas Nações Unidas seria um cipoal inexpugnável sem o pequeno exército dos intérpretes. Tradutores, como Rebecca Edgington, conduzem reuniões onde 193 nações estão representadas. Eles criam um território neutro da comunicação entre os Estados hostis.

Já pela manhã, Rebecca Edgington, intérprete oficial da ONU desde 2004, entra na cabine de locução mergulhada na penumbra. Lá do alto, ela domina uma grande sala de conferência no Palácio das Nações Unidas da ONU, em Genebra. Rebecca Edgington fala com a voz alta e tão rapidamente que nem parece respirar entre uma palavra e outra.

"… expressam preocupações pela ocorrência do aumento de casos de incitação ao ódio e de outras manifestações de intolerância…"

Ela não está lendo, simplesmente. O texto impresso em russo diante de si está sendo apresentado, ao mesmo tempo, pelo delegado da Bielorrússia. Rebecca Edgington o interpreta em inglês, adaptando-o ao discurso que, ao final, acaba sendo pronunciado sem algumas partes da declaração original.

Estas traduções simultâneas são a missão principal dos intérpretes da ONU. Em reuniões como esta em curso, sobre o relatório dos direitos humanos na Noruega, os discursos são apresentados muito rapidamente. Cada delegado quer dizer o máximo dentro do tempo concedido.

Na melhor das hipóteses, a pronúncia do intérprete soa como se "o orador ou a oradora tivessem o inglês como língua-mãe", afirma Edgington. Porém, às vezes, "deve-se, simplesmente, transmitir o significado o mais rápido possível."

Rebecca Edgington faz parte de um grupo de 101 intérpretes com base em Genebra, dos quais 10 trabalham em inglês. A equipe pode contar, ainda, com cerca de cinquenta colaboradores externos.

Trabalho em campo

Rebecca Edgington foi uma das intérpretes durante as recentes negociações sobre a crise na Síria, em Genebra e Montreux. As discussões contaram com as participações do ministro do Exterior, Serghei Lavrov, da Rússia, e do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Ela também esteve presente em missões arriscadas. Em 2000, como "freelancer" para o Conselho da Europa, Rebecca Edgington viajou pela Chechênia. Ela decolou num helicóptero, depois de proteger o corpo com um colete fluorescente e a cabeça com um capacete. Na ocasião, a intérprete estava junto com um pequeno grupo de diplomatas. Os rebeldes atacaram o voo, mas erraram o alvo.

"Era uma situação muito tensa", afirma. Quem participa de missões em zonas de guerra é voluntário. Rebecca Edgington, 43 anos, nunca disse não. Hoje, mãe de duas pequenas meninas, pensaria duas vezes e mais "atentamente" antes de aceitar um convite semelhante. Ainda que saiba que seria difícil recusá-lo.

As reuniões da ONU - nos quartéis generais de Genebra e Nova York, ou em uma ou outra cidade do planeta em missão especial – acontecem em um dos seis idiomas oficiais: inglês, francês, russo, espanhol, chinês e árabe.

Alexandre Voitenkov, chefe de Rebecca Edgington e do serviço de tradução de Genebra, explica que os intérpretes da ONU são de países diferentes, mas que as suas nacionalidades não contam muito. "O que é fundamental é a competência e a adesão aos ideais das Nações Unidas."

Vigiados especiais

Rebecca Edgington, nascida na Inglaterra, traduz do russo para o inglês, além do alemão e do francês. Os intérpretes da ONU devem dominar outros dois idiomas além da língua-mãe.

Traduzir o russo é, especialmente, estimulante – afirma a mulher. Se, aos membros de uma delegação russa, uma palavra ou uma frase escolhida não são bem vistas, ou melhor, bem usadas, eles avisam ao intérprete, mesmo durante a tradução.

Rebecca Edgington cresceu no condado de Cambridgeshire e começou a estudar francês aos 11 anos, alemão aos 12 e russo aos 17. "Eu vivi a perestroika e vendo o Gorbachov na televisão...eu queria entender o que ele dizia".

Emoções sim, opiniões não

A sua carreira começou em Estrasburgo, na França, onde trabalhou durante nove anos como "freelancer" para diversas organizações europeias, entre elas o Conselho da Europa.

Foi ali que viveu um dos momentos mais emocionantes de sua vida como intérprete. Uma jornalista da Argélia, que tinha publicado artigos muito críticos contra o governo, estava testemunhando.

"Tinha 27 anos, como eu. Ela estava contando sobre quando tinha sido violentada. E relatou que ao voltar para casa, ferida e sangrando, a família a rejeitou", recorda Rebecca Edgington.

"Eu estava traduzindo junto com um colega, homem. A um certo ponto, ele empurrou a cadeira para trás e eu continuei a traduzir. Quanto terminou, olhei a mesa. Estava toda molhada. Eu apaguei o microfone e lhe perguntei ‘'o que aconteceu?'"

O seu colega lhe explicou que, assim como a jornalista que estava testemunhando, ela tinha chorado durante todo o relato. A jovem intérprete preocupou-se pelo comportamento, a seu ver, pouco profissional. Mas o colega lhe deu força: "Você se transformou nela", disse ele.

Os intérpretes devem evitar que as suas opiniões pessoais influenciem o trabalho, com exceção apenas para transmitir a emoção do orador.

Neutralidade

"Se temos que traduzir alguém de quem discordamos, devemos fazê-lo da forma mais fiel possível, para manter a neutralidade", explica Rebecca Edgington.  Mesmo que, "às vezes, fosse autorizado dizer, com um sinal, 'não sou eu, estas palavras não são minhas!'".

Rebecca Edgington se ocupa também de formação, sendo a responsável da "cabine inglesa" na ONU, em Genebra. Estudantes selecionados, tendo no bolso um Master em interpretação, visitam a sede por alguns dias ou semanas. Eles praticam a teoria numa "cabine de testes" e, assim, ganham experiência e jogo de cintura com o vocabulário, as expressões coloquiais e a dicção das Nações Unidas.

Neil Cumming, 24 anos, é o mais jovem da equipe da ONU, em Genebra. Originário da Grã-Bretanha, ele traduz do francês e do russo para o inglês. Um dos principais desafios do seu trabalho é o de ser objetivo, absolutamente. "Cada um tem a sua opinião, mas estamos aqui para fazer o nosso trabalho", diz. "E um dos pontos fundamentais de um lugar como a ONU é que cada um pode dizer o que pensa".

Resistir ao estresse

Quais são as outras qualidades de um bom intérprete? Para Rebecca Edgington é importante ter autoconfiança e ser um "perfeccionista pragmático".

Alexandre Voitenkov, por sua vez, revela a importância de aguentar o estresse. "Sobretudo durante as conferências de campo que, muitas vezes, podem durar horas a fio durante o dia, por duas semanas". Os intérpretes devem, ainda, se interessar pelos negócios no mundo, observa o russo. Ele começou a  carreira em Moscou. E chegou na ONU em 1979.

Rebecca Edgington explica que ela e seus colegas leem os jornais internacionais, regularmente, e realizam pesquisas sobre os temas abordados durante as reuniões. "Todo o trabalho feito fora da cabine" é muito importante, observa.

E fora da cabine é preciso abandonar o próprio ego, pois ser um intérprete significa "ser invisível", acrescenta. "A ideia é a de não fazer parte da história."

Tipos de interpretações

Além da interpretação simultânea, existe também a interpretação "consecutiva", que é o relato posterior sobre os conteúdos de um discurso ou de uma declaração após a conclusão do orador.

Um terceiro tipo de interpretação é aquela "sussurrada", quanto o intérprete traduz, no pé do ouvido, as frases pronunciadas ao seu interlocutor.

Os intérpretes da ONU traduzem sempre usando a língua-mãe, com exceção nas cabines de árabe e de chinês. Muitas vezes, por falta de tradutores qualificados destes idiomas, eles devem ser traduzidos em inglês ou francês.


Adaptação: Guilherme Aquino, swissinfo.ch



Links

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×