Democracia direta Guia da Suíça
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Suíça-UE


Quebra-cabeça institucional sobre o futuro do bilateralismo


Por Tanguy Verhoosel



 (Keystone)
(Keystone)

O sistema de acordos bilaterais que rege as relações entre a Suíça e a União Europeia parece ter atingido os seus limites. Berna e Bruxelas estão longe de chegar a um acordo para sair do impasse.

14 de dezembro de 2010: os ministros de Relações Exteriores de vinte e sete países membros da União Europeia (UE) assinam a sentença de morte do bilateralismo do passado. "...Se o sistema atual de acordos bilaterais funcionou até agora muito bem, o principal desafio para os próximos anos será de ir além desse sistema, que se tornou complexo, difícil a gerir e que alcançou claramente seus limites", ressaltam as conclusões que eles adotaram nesse dia sobre as relações entre a UE e os países da Associação Europeia de Livre Comércio (AELC), da qual a Suíça faz parte. 

Para os vinte e sete países, a situação é clara. A Suíça descarta uma adesão à União ou ao Espaço Econômico Europeu. Porém já não é mais possível continuar a moldar acordos sob medida, em grande parte estáticos: é necessário redefinir o bilateralismo instaurando, ao mesmo tempo, mecanismos institucionais destinados a garantir a "uniformidade necessária das estruturas do mercado interior e das políticas da União Europeia das quais a Suíça participa".

Princípios incontornáveis 

Bruxelas pensa particularmente na adaptação dinâmica dos acordos a uma legislação europeia em evolução constante, assim como na interpretação homogênea desses acordos. Também o lado europeu defende "um mecanismo independente de controle e execução das decisões judiciárias" e também "um mecanismo para resolver litígios".

Todas as instituições juntas, a União respeita agora essa doutrina ao pé da letra. E a recente decisão suíça, julgada ilegal em Bruxelas, de reestabelecer contingentes para a mão-de-obra oriunda dos países da Europa central e oriental, que aderiram em 2004 à família comunitária, reforçou a convicção dos atores europeus de que uma mudança é necessária.

"Devemos reconhecer que chegamos a um ponto, onde se torna necessário reforçar nossa ambição comum e de dar um novo passo", declarava recentemente à swissinfo.ch o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

"A renovação da nossa cooperação deve basear-se nos quatro princípios incontornáveis" definidos em dezembro de 2010 pelos vinte e sete membros. "Um acordo prévio sem ambiguidade sobre essas questões de base nos permitiria concluir as negociações que continuam em andamento sobre algumas questões importantes e abrir outras questões de interesse comum."

Posições remotas 

Para o advogado suíço Jean Russotto, que observa proximamente a evolução das relações entre a Suíça e a UE em Bruxelas, "a mensagem foi certamente ouvida, mas não foi escutada."

Confrontado à "frustração" dos seus parceiros europeus, o ministro suíço das Relações Exteriores, Didier Burkhalter, apresentou em 25 de abril uma série de proposições que são atualmente objeto de consultas internas dentro do governo federal e que levarão às propostas concretas em junho.

O nó da questão está nas divergências entre a Suíça e a UE: enquanto a primeira elabora suas proposições em uma lógica - imutável - de preservação da soberania nacional (e a recusa de adotar automaticamente as legislações europeias), a segunda pensa de forma "europeia."

"O diálogo cristalizou atualmente pontos fundamentalmente divergentes, à primeira vista irreconciliáveis na situação atual", estima Jean Russotto.

Acordos passados e futuros 

Enquanto que a União Europeia julga extremamente prioritária a questão institucional, a Suíça a integra no contexto de uma "abordagem global e coordenada" das suas relações com o clube comunitário. Com outras palavras, as questões institucionais fazem, segundo Berna, parte de um "pacote" que compreende igualmente acordos setoriais atualmente em negociação (especialmente o de energia) ou desejados por um ou outro parceiro (segurança de produtos químicos, tributação, etc...).

Outro obstáculo: enquanto que a UE pretende forjar um "quadro institucional horizontal" válido para todos os seus acordos com a Suíça - passados e futuros - que estão ligados ao acesso ao mercado interior, o governo helvético só fala de "acordos futuros" e desejaria, antes de tudo, a criação de "um modelo" no domínio da energia.

As abordagens diferem igualmente nos detalhes. Assim, Bruxelas reclama a instauração de mecanismos de controle dos acordos e regulamentos das questões pendentes que sejam não apenas "independentes" das autoridades suíças, como exigiram os vinte e sete, mas igualmente "supranacionais".

Berna não quer "juízes estrangeiros" 

Para Bruxelas, a solução é relativamente simples: trata-se de se inspirar no exemplo do Espaço Econômico Europeu (EEE), que reúne os vinte e sete e três países da AELC (Noruega, Islândia e Liechtenstein). Os países da AELC instauraram nesse contexto a sua própria autoridade de controle para a correta aplicação do acordo sobre o EEE e sua própria corte de justiça, as duas organizações supranacionais.

Essa abordagem "é juridicamente viável, com inúmeras e importantes adaptações. Politicamente essa é uma possibilidade delicada para a Suíça", ressalta Jean Russotto.

De fato, a Suíça estima que a UE possa colocar alto demais o nível de exigências, enquanto que o país ainda não digeriu seu "não" em um plebiscito sobre a adesão a EEE em dezembro de 1992 e que a imagem da Europa se encontra atualmente em uma situação lamentável. Resumindo: não é questão deixar que "juízes estrangeiros" se ocupem de negócios da Suíça.

Assim o governo suíço pretende, particularmente, deixar em mãos suíças - a autoridade de concorrência e o Tribunal Federal, ou até mesmo criar um órgão particular para tratar do tema - a tarefa de garantir a correta aplicação dos acordos bilaterais.

Bruxelas já disse "não" 

Em caso de divergência de interpretação de determinadas disposições de acordos ou de litígios, Berna sugere inspirar-se em soluções previstas nos acordos sobre a associação da Suíça ao espaço Schengen e facilitação dos controles alfandegários: discussões em nível político, aplicação de medidas de "compensação apropriadas e proporcionais" se necessário, procedimentos de arbitragem em caso de litígio.

O embaixador da União Europeia na Suíça, Richard Jones, já vetou essas sugestões. Visto de Bruxelas, as soluções preconizadas pela Suíça a colocariam, de fato, em uma posição mais favorável que os outros participantes de um mercado único, mesmo que estejam mais integrados do que ela no seu funcionamento.

Conclusão de Jean Russotto: "As escolhas a fazer são agora muito críticas. A menos que seja encontrada uma solução institucional razoável, as relações entre a Suíça e a UE vão passar para a estagnação e, mais além, à insegurança jurídica. É preciso a todo custo evitá-la para os operadores econômicos suíços."

Tratados bilaterais

A Suíça não é membro da UE, mas concluiu 20 grandes acordos bilaterais com o bloco de 27 nações.

Há também cerca de 100 acordos bilaterais secundários entre Berna e Bruxelas.

Tratado Bilateral I

(1999) centrou-se na abertura de mercados, a livre circulação de pessoas, barreiras técnicas ao comércio, mercados públicos, agricultura, espaço aéreo, rodoviário e ferroviário e à participação da Suíça nos programas comunitários de pesquisa científica.

Tratado Bilateral II

(2004) incluiu novos interesses econômicos e foi ampliado à cooperação e questões políticas (segurança interna, asilo, ambiente e cultura), o tratado de Schengen / Dublin, tributação da poupança, produtos agrícolas transformados, mídia, meio ambiente, estatísticas, fraude, pensões, educação e formação profissional.

As negociações estão em curso para atualização dos acordos existentes (a livre circulação de pessoas, barreiras técnicas ao comércio, mercados públicos, o transporte aéreo, produtos agrícolas transformados). Existem planos para adaptar os acordos sobre evasão fiscal e fraude.

Novas negociações foram lançadas em 2007 para a eletricidade, agricultura, saúde, defesa do consumidor, cadeia alimentar e segurança dos produtos, segurança dos produtos químicos e fiscalidade das empresas.

A lista deve ser alargada a outras áreas, como navegação por satélite, cooperação em matéria de concorrência, supervisão dos mercados financeiros e acesso ao mercado dos intermediários financeiros.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch



Links

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×

Destaque