Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Por quem os sinos dobram?


Sinos de igrejas encantam ou desagradam habitantes




Reclamações constantes contra os sinos podem acabar com uma tradição centenária no país. (Keystone)

Reclamações constantes contra os sinos podem acabar com uma tradição centenária no país.

(Keystone)

Instituição cultural ou ruído incômodo? Os sinos das igrejas na Suíça indicam aos habitantes a hora dos cultos. Porém muitas vezes eles incomodam as pessoas que vivem nas suas vizinhanças, levando a disputas reclamando o fim dessa tradição. Algumas igrejas se curvam agora à pressão popular ao concordar em reduzir o volume ou o ritmo das badaladas.

Em uma sexta-feira recente em Berna, os sinos de cada campanário da cidade tocaram durante um festival de verão religioso. Durante o coro cacofônico, os sinos ecoaram através da cidade antiga durante quinze minutos, atraindo ouvintes de fora da capital suíça.

"Para mim não é barulho, mas sim música. Os sinos das igrejas têm diferentes tons. É como música nos meus ouvidos", declarou Dominik Däppen, um sineiro da região do lago de Thun, no estado de Berna. No entanto, ele compreende os menos entusiastas e sugere formas de reduzir o barulho.

"Seria possível torná-lo mais silencioso, seja através de isolamento, como aqui na Catedral de Münster, ou através da troca dos mecanismos ou dos badalos", afirma Däppen.

Na Alemanha, "muitas torres de igreja são isoladas com madeira ou painéis de metal para absorver uma parte dos ruídos", cita Matthias Walter, presidente da Corporação Suíça de Fabricantes de Sinos e Sineiros.

Walter declarou para swissinfo.ch que os sinos suíços não são necessariamente mais barulhentos do que os congêneres nos países europeus, mas a típica arquitetura das torres - relativamente abertas - faz com que eles soem dessa maneira.

Outra diferença importante é a frequência das badaladas. "Na França os sinos tocam geralmente apenas uma vez por hora. Na Suíça, eles tocam a cada 15 minutos e novamente na hora com outro sino", diz Walter, notando ao mesmo tempo em que a tradição pode diferir na Itália segundo a região. "No norte os sinos tendem a tocar um pouco mais, além de existirem mais torres abertas."

Risco para saúde?

Quatro vezes por hora, 24 horas por dia, é demais para "Lärmsensible", um grupo de interesse responsável pela campanha em prol de uma Suíça com menos barulho. "Lärmsensible" significa "sensível ao ruído", em alemão.

"O barulho dos sinos das igrejas prejudica o sono das pessoas durante a noite. Isso leva ao estresse e doenças", declara o porta-voz do grupo, Samuel Büechi.

Os sinos das igrejas seriam um risco para a saúde popular? O Departamento Federal do Meio-Ambiente, responsável dentre outros pela questão da poluição sonora na Suíça, considera a possibilidade.

"Existe uma boa razão para acreditar que o barulho possa provocar reações de estresse e que este, finalmente, provoque problemas de saúde em longo prazo", explica Mark Brink, psicólogo e colaborador científico do órgão público. As autoridades federais podem regular o nível de ruídos provocado pelo tráfego e a indústria, mas não estão autorizados a dizer às igrejas o que elas devem fazer ou não.

"Não existem normas explícitas no país de limite à exposição a ruídos provocados pelos sinos das igrejas durante a noite. Trata-se de um conflito que precisa ser resolvido em nível local. Mas se possível, seria melhor evitar tocar dos sinos de igrejas à noite. Quanto menos barulho, melhor. Essa é sempre a nossa posição", diz Brink.

Ele considera que um bom compromisso seria impedir que os sinos tocassem entre 10 horas da noite e às seis da manhã (ou sete), o que já foi aplicado por várias igrejas. De acordo com uma pesquisa do jornal suíço Tages-Anzeiger, 15 das 34 igrejas protestantes e 16 das 24 igrejas católicas em Zurique já não tocam os sinos à noite.

Por exemplo, no começo do ano, a Igreja reformada em Höngg, um subúrbio no cantão de Zurique, decidiu silenciar seus sinos no período noturno. Os membros da paróquia aprovaram a ideia depois de reclamações feitas por habitantes locais. A Igreja católica na cidade também decidiu desligar seus carrilhões por certo tempo.

"Estou convencido que a tradição do toque de sinos, pelo menos durante a noite, irá terminar em aproximadamente cinco ou dez anos", avalia Brink, que coincidentemente sempre viveu em locais onde os sinos das igrejas tocavam à noite. "As paróquias consideram que é politicamente mais sábio mudar voluntariamente as tradições do que esperar a reclamação das pessoas."

Ding-dong

Mas se as pessoas se opõem aos sinos das igrejas, por que escolhem viver nas proximidades delas?

"Não existe um número suficiente de moradias de aluguel moderado e em lugares tranquilos", responde Büechi. "É muito difícil encontrar um apartamento tranquilo, especialmente se você não tem carro e não quer viver distante do centro da cidade."

Muitas pessoas não chegam a pensar nos sinos das igrejas quando procuram uma moradia, acredita Walter. Depois de mudar-se, muitas vezes se surpreendem quando escutam as badaladas no meio da noite.

Segundo Walter, duas reações são típicas: "Ou elas dizem 'Oh, querida. Isso me faz acordar, mas vamos ver como vai ser'. Então se acostumam após algumas semanas e o ruído não lhes incomoda mais."

Mas outros decidem tomar providências, o que incluem discussões desagradáveis ou ações legais.

"Obviamente as badaladas dos sinos incomodam a pessoa a cada vez que ela os escuta, pois lembram um processo judicial em andamento", diz Walter.

No entanto, Brink diz que é importante lembrar que os sinos das igrejas têm um efeito psicológico positivo para um grande número de pessoas. "Elas se sentem melhor, que estão em casa, que Deus está velando por elas ou algo parecido. Há um significado psicológico para as pessoas. E isso faz com que este seja um pouco diferente dos outros tipos de ruído."

Decisão judicial: tradição é importante

Quatro casos relativos a emissões sonoras provocadas por igrejas chegaram ao Tribunal Federal da Suíça. A cada vez ela vota a favor dos sinos.

Em um caso, envolvendo a Igreja reformada em Gossau, no cantão de Zurique, a corte rejeitou a queixa de um habitante contra os sinos das igrejas. Argumentação: o interesse público de preservar uma tradição está acima de interesses individuais.

O queixoso, que havia se mudado para as proximidades da igreja achando que os sinos só tocavam nos domingos, levou o caso à Corte Europeia dos Direitos Humanos em Estrasburgo, França, em 2010.  O caso foi julgado inadmissível em dezembro de 2013.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×