Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Quinten, Sankt Gallen Um vilarejo ensolarado quer sair da sombra

Chegada a Quinten

Localizada na margem norte do lago de Walen (Walensee) e acessível apenas de barco, a pequena vila de Quinten luta por sua sobrevivência. Uma fundação local virou notícia muito além do vilarejo porn causa da proposta de um "abono por criança" destinado a atrair famílias jovens para lá viver.

A vila de Quinten, localizada no sopé da cordilheira Chursfirsten, é freqüentemente chamada de Riviera do leste da Suíça. E podemos ler em todos os lugares que a videira não é a única planta a crescer em suas encostas, mas que também existem palmeiras, figueiras e pés de kiwi.

De quintos e quartos

Quinten, Quarten, Terzen: os nomes destes vilarejos em português se traduziriam como Quintos, Quartos e Terços. No entanto, eles não têm nada a ver com intervalos musicais, mas provavelmente provêm do recenseamento de terras sem nome (terceiro, quarto, quinto) do bispado de Chur no início da Idade Média, conforme relatam o Dicionário Histórico da Suíça e no livro Quinten.

Aqui termina o infobox

No entanto, QuintenLink externo, que faz parte do grande município de Quarten, no cantão de St. Gallen, também sofre com a moléstia que atinge as regiões periféricas: o envelhecimento da população. Possui apenas 38 habitantes e sua idade média é de 56 anos. Acessível apenas a pé ou de barco, a vila é ao mesmo tempo uma zona periférica e uma zona de relaxamento para a população da redondeza. Localizado no lado ensolarado do lago Walensee, apenas a uma hora de Zurique, é um destino de excursão popular. Mas quem mora lá depende da companhia de navegação do lago, mesmo para fazer compras.

É por isso que seus habitantes criaram a fundação Quinten lebtLink externo (Quinten vive). Atualmente a sua ação mais espetacular foi a promessa de um "abono por criança" para atrair famílias para a vila. Quem se instala lá recebe 200 francos por criança por mês, com um limite de 20.000 francos até os 20 anos. "Só restam três crianças em Quinten", diz o presidente da fundação Joel Schmid.

A professora

"Em 1960, eu tinha 23 filhos na classe", lembra Marianne Giger, agora com 83 anos, a memória viva da vila. "Mas a escola foi fechada em 1973", diz ela, sentada em sua sala de estar enquanto nuvens de tempestade se acumulam sobre o lago do lado de fora. 

 Ex-professora exibe foto de uma de suas classes

Marianne Giger, ex-professora da escola local

(Roger Wehrli)


Marianne Giger tinha 21 anos quando chegou à vila em 1959 para trabalhar como professora - e lá ficou. Ela se casou com o pescador profissional Alois Giger, com quem eles criaram sete filhos. Durante esse período, ela também treinou como professora de violão. "Com a gente, o abono por criança teria saído caro para a comuna", ela ri.

Ela considera o abono uma boa ideia, mas ressalta que "o inverno é rigoroso aqui. Você tem que aguentar”. Um de seus filhos, Urs, que trabalha como cirurgião na Alemanha, está de férias na casa dos pais e se junta a nós. "Quando penso que você passa o inverno inteiro aqui sozinha, fico com o coração apertado", disse ele.

Você tem que ser resistente, ter uma família ou algo para fazer para morar aqui. "E estar de boa saúde", acrescenta Urs. "Marianne faz parte do coro da paróquia, toca órgão na igreja, dá uma mão no verão à loja de lembranças e vai às vinhas onde ela ajuda o máximo que pode".

O turismo 

A fundação já tomou outras iniciativas para reavivar um dos vilarejos sem carros na Suíça. Por exemplo, o Raupenhotel ou "o hotel das lagartas", uma instalação onde são criados bichos-da-seda. Assim, a fundação conseguiu criar três novos empregos na vila, que vive principalmente da viticultura e do turismo.

Visita à comuna de Quinten

Este último desempenha um papel importante em todo o município de Quarten, que inclui sete vilarejos. Segundo o prefeito Erich Zoller, um em cada dois empregos depende direta ou indiretamente do turismo. Abaixo, o lago Walensee. No topo, os picos com suas áreas de esqui. E não fica muito longe de Zurique.

Quanto ao abono por criança, "não estamos convencidos de que seja útil, mas, no final, é a base que decide o que faz com seu dinheiro. No final, o município é obviamente a favor da revitalização da vila ”, diz o prefeito.

O pequeno armarinho da comuna

Margrit Bärlocher mora no centro da vila, ao lado de uma casa abandonada, onde dois apartamentos estão em construção. Quando criança, ela passava as férias de verão e outono aqui todos os anos na casa de seu avô, e em 1983 ela se mudou para a vila. Ela tem uma pequena empresa em sua adega, onde vende produtos naturais que cultiva e prepara localmente. Quando a visitamos, ela encontrava-se preparando os rótulos para os potes de geleia e garrafas de groselha. "Da primavera ao outono, tenho muito trabalho no jardim e nas vinhas. Por isso, estou feliz por ter essas reservas que fiz durante o inverno ", disse ela.

Margrit Bärlocher vende produtos naturais.

(Roger Wehrli)

“Seria bom se pudéssemos trazer esta casa de volta à vida e fornecer uma renda básica para uma família. Já estava vazio em 1928, quando minha mãe veio a Quinten pela primeira vez ”, diz Margrit Bärlocher. Ela também não está convencida de que o dinheiro é a melhor maneira de atrair famílias jovens. "Um pouco de idealismo seria mais importante." Devido à sua localização, Quinten é um lugar bastante especial para se instalar.

O agitador 

Hanspeter Cadonau, 52, vive na parte alta da vila, com vista para o lago. "Os dias em que você não vai para o outro lado são os mais bonitos", diz o enólogo, que também cria porcos lanudos e tem três burros: Picasso, Maradona e Jackson.

Originalmente dos Grisões, ele trabalhou na construção de túneis e chegou aqui por acaso, estabelecendo-se de vez na vila há uma década. “Nós não chegamos aqui aos 20 anos. Mas eu vi o mundo. Trabalhei em canteiros de obras em todos os continentes e nas principais cidades. Agora eu aprecio a calma." O abono por criança é uma ótima ideia para ele. "Uma vila sem filhos é uma vila morta", diz. Ele mesmo está ajudando a reavivar esta vila que estava "de fato morta" quando chegou. Da primavera ao outono, ele organiza concertos e eventos em um palco entre as vinhas. Vinhas que, como as de Lavaux, dão excelentes vinhos.

 Homem sentado de braços cruzados à mesa

Hanspeter Canonau, viticultor e promotor de eventos

(Roger Wehrli)

"Com um B&B (Bed & Breakfast), mais pessoas podem ficar aqui depois dos shows", diz ele. Um B&B também está incluído no plano de ação da fundação "Quinten lebt" e, atualmente, ela procura uma família de caseiros ou um gerente, além de cozinheiro, para montar um estabelecimento gastronômico, onde também seria possível passar a noite. O presidente da fundação, Joel Schmid, espera que venha uma família - isso deve criar três empregos.

Outras tentativas de resgate

Iniciativas semelhantes ao abono por criança e ao Quinten B&B já foram adotadas na Suíça. A vila de Albinen, no cantão do Valais, quer atrair novos moradores com um bônus de até 25.000 francos por pessoa - e parece estar funcionando.

Na vila de Vnà, nos Grisões, uma fundação criou um hotel descentralizado com casas abandonadas. E no alpe montanhoso de Monti di Sciaga, no cantão do Ticino, a cidade vende casas rústicos de pedra seca por um franco simbólico, desde que o comprador concorde em renova-la.

Aqui termina o infobox

O cordão umbilical

Um barco-táxi movido a energia solar também faz parte dos projetos. Vários moradores da vila estão preocupados com sua dependência da companhia de navegação do lago Walensee. Urs Giger, o cirurgião em visita à terra natal, perdeu seu voo várias vezes porque o barco chegou tarde a Murg, na outra margem. "O que eu não entendo é que eles têm uma concessão estatal. Mas as conexões com os trens não são boas ”.

O chefe da companhia de navegação, Markus Scherrer, observa que o cronograma introduzido em 2015 foi elaborado com atenção especial às necessidades dos alunos. "Também há dias em que temos muitos passageiros, o que pode causar atrasos ou nos forçar a fazer a viagem duas vezes". O prefeito Erich Zoller diz que “o povo de Quinten é privilegiado no barco. Eles se beneficiam de condições mais favoráveis.”

Joel Schmid indica, no entanto, que o projeto do barco-táxi está bem avançado. Obviamente, os dois não devem competir. "Seria uma oferta complementar. A companhia de navegação também faz parte dessa nova entidade legal ", afirmou. Marianne Giger, a professora, que aprecia este projeto. O que a incomoda são as más conexões entre o horário dos trens e os do barco.

A comuna 

Mas por que foi necessária uma fundação para lançar essas iniciativas? "A política está nos deixando para trás e o município não está fazendo nada", lamenta Joel Schmid. "Do outro lado do lago, ninguém se interessa por Quinten." Urs Giger acrescenta: "É aqui em Quinten que vivem alguns dos maiores contribuintes de toda a cidade. Gostaria de saber o saldo líquido do fluxo financeiro entre as duas margens. Para a administração municipal, a outra margem é a Terra de Ninguém! "

O prefeito Erich Zoller rejeita essas críticas. Fazemos muito por Quinten. Ele mencionou a distribuição de correspondência e a remoção de lixo doméstico. Além disso, o município construiu banheiros públicos com capacidade para muitos turistas, disse ele. "E eu ainda poderia mencionar muitos outros pontos ..."


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.