Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Refugiados criminosos Mais de 800 crimes cometidos em centros de asilo suíços

O Departamento Federal de Estatísticas da Suíça informou que 813 infrações penais foram cometidas nos centros de asilo suíços em 2017. O número de crimes sexuais aumentou 60% em comparação com o ano anterior.

man in asylum centre

Um caso de homicídio e três de tentativa de homicídio foram registrados em 2017

(Keystone)

O total geral de crimes cometidos foi muito menor do que o recorde histórico de 1.413 casos registrados em 2012 após a Primavera Árabe, mas é bem maior do que os anos de 2014 e 2015 (menos de 600 crimes registrados por ano). Os números, revelados inicialmente pelo jornal SonntagsZeitung no domingo, foram confirmados pelo órgão de estatísticas.

Os casos de agressão sexual aumentaram significativamente com 33 relatados, em comparação com 20 no ano anterior. Destes, oito foram estupros e seis foram casos de abuso infantil.

Um caso de homicídio e três casos de tentativa de homicídio foram registrados. Um total de 80 casos de danos corporais, 79 ameaças de violência e 71 ataques a pessoa foram relatados. Os crimes não violentos incluem 70 roubos e 61 casos de danos à propriedade.

As infrações cometidas nos centros de asilo representam uma pequena proporção de todas as infrações registadas na Suíça. Em 2016, isso representou 0,2% do total, disse o Departamento Federal de Estatísticas. O órgão não menciona, no entanto, o número de crimes cometidos pelos requerentes de asilo fora dos centros de acolho. Dados de dois cantões suíços estão faltando nas estatísticas.

Um total de 18.088 imigrantes entraram com pedido de asilo na Suíça em 2017, uma queda de 33,5%. É o menor número de pedidos desde 2010.

Asilo Vida de refugiado

Testemunhas da vida em um centro de requerentes de asilo na Suíça.


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

advent calendar

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.