Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Refugiados


2015: a onda migratória alcança a Europa




Número recorde de pedidos de asilo, fronteiras fechadas, apelos de solidariedade e tensões entre países: a crise migratória perturbou um projeto de comunidade frágil e tornou-se o tema central do debate político, inclusive na Suíça. Retrospectiva sobre um ano agitado vista em gráficos.

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) já tinha soado o alarme no ano passado: desde a Segunda Guerra Mundial, nunca tinha-se visto tantos refugiados, requerentes de asilo e pessoas deslocadas. O que forma um país imaginário de mais de 60 milhões de pessoas que, já em 2014, seria o 24º mais populoso do mundo.

De onde vêm e para onde vão os migrantes?

Em 2015, o coração da Europa é atingido pela onda migratória. Até o final do ano, estima-se que os países da UE e EFTA (Suíça, Noruega, Liechtenstein e Islândia) terão registrado um milhão de pedidos de asilo. O principal destino é a Alemanha, que já recebeu até agora quase um terço desses migrantes. O gráfico abaixo mostra o fluxo de requerentes de asilo na Europa nos primeiros nove meses de 2015.


Quase metade dos requerentes de asilo que procuraram abrigo na Europa em 2015 veio de três países assolados por conflitos: Síria, Iraque e Afeganistão. Na Europa, o debate centrou-se principalmente sobre os refugiados sírios, sem dúvida os mais numerosos, mas certamente não os únicos cujo número tem aumentado significativamente.

Assim, o número de iraquianos quadruplicou em relação a 2014, enquanto o número de afegãos aumentou em duas vezes e meia. Impulsionados principalmente pela crise econômica, os kosovares foram também muitos a emigrar, embora eles saibam que suas chances de conseguir asilo são extremamente baixas, se não nulas.


Um milhão de refugiados, uma crise sem precedentes?

Enquanto a Europa enfrenta uma afluência recorde de migrantes, acima do pico de 700.000 registrados na década de 1990, a Suíça é marginalmente afetada pelo fenômeno. É verdade que a Secretaria de Estado para as Migrações (SEM) prevê a chegada de 34.000 refugiados em 2015, 10 mil a mais do que no ano passado. Mas estes números ainda estão bem abaixo dos registrados em 1999, durante a guerra do Kosovo. Na época, a Suíça recebeu mais de 44.000 pessoas.

A crise na Europa, no entanto, não deixou de despertar um acalorado debate no país, em particular no contexto da campanha eleitoral para a renovação do parlamento federal, que se concentrou principalmente na questão do asilo.


Por que os migrantes pegam a via marítima?

Depois que as embaixadas deixaram de emitir vistos e com o fechamento de praticamente todas as rotas terrestres, bloqueadas por muros e arames farpados, o Mediterrâneo tornou-se a principal porta de entrada para a Europa. Nunca foi visto tantas pessoas arriscando suas vidas no mar: mais de 900 mil em 2015, quatro vezes mais do que no ano passado. E, de acordo com dados do ACNUR, pelo menos 3580 delas morreram ou desapareceram durante a travessia.


Enquanto os africanos continuam tomando o caminho do sul do Mediterrâneo - o da Líbia ou da Tunísia em direção à Itália -, os imigrantes sírios e afegãos abriram a rota dos Balcãs - da Turquia para as ilhas gregas - atualmente o mais frequentado. Este fluxo inesperado de migrantes tomou de surpresa a maioria dos países, mas ajudou – pelo menos no papel - a dar à questão do asilo uma dimensão europeia que já não se limita mais à Itália.

Como a União Europeia reagiu à crise migratória?

Apesar das inúmeras discussões e a emoção despertada pela foto do pequeno Aylan, a União Europeia continua lutando para encontrar uma política comum de migração. Em setembro, os países membros chegaram a um acordo sobre uma chave de distribuição - voluntária – para 160.000 requerentes de asilo nos próximos dois anos. Um pequeno gesto de solidariedade com a Grécia e a Itália que, no âmbito dos acordos de Dublin, deveriam assumir sozinhos a responsabilidade do acolho.

No dia 7 de dezembro, no entanto, apenas 160 candidatos foram transferidos da Grécia e da Itália para outros países. A Suíça, que prometeu acomodar até 1.500 refugiados, continua esperando. E por sua vez, a Eslováquia e a Hungria apresentaram uma queixa no Tribunal de Justiça da União Europeia contra o sistema de distribuição.

Em 2015, a Hungria se viu, de repente, no centro da crise migratória. Embora não seja um destino, mas um país de trânsito, a Hungria registrou o segundo maior número de pedidos de asilo dos países da UE, atrás da Alemanha. A fim de bloquear o fluxo de migrantes, o primeiro-ministro Viktor Orban construiu dois muros nas fronteiras com a Sérvia e a Croácia e a polícia foi autorizada a disparar contra os migrantes. Uma política fortemente condenada pelas organizações humanitárias.

O gráfico a seguir mostra os pedidos de asilo em função da população e do PIB per capita. Se em 2014 a Suíça ocupava o quarto lugar no ranking por milhões de habitantes, nos primeiros nove meses de 2015 ela caiu para a sexta posição.


Dada a ausência de uma política comum, vários países optaram por soluções unilaterais, criando um certo caos nas fronteiras. Na questão da solidariedade, o gesto mais simbólico foi, sem dúvida, a de Angela Merkel, que ofereceu livre acesso aos sírios, apesar disso ter durado só um tempo. O aplauso inicial rapidamente deu lugar a duras críticas, em casa e no exterior. Vários países, incluindo a Alemanha, suspenderam o acordo de Schengen e reintegraram os controles nas fronteiras. De um dia para o outro, a Europa se encontrou dividida internamente por uma série de muros e barreiras que se acreditavam extintas desde o fim da Guerra Fria.

No mês passado, a política de asilo sofreu um novo agravamento após os atentados de Paris e a confirmação de que um dos terroristas se fez passar por refugiado para chegar à Europa.

E além da Europa?

Para tentar conter o fluxo de refugiados, a UE também tem buscado a assistência da Turquia. O país se comprometeu a manter os refugiados em seu território em troca de três bilhões de euros em ajuda, a liberalização dos vistos e o relançamento do processo de adesão à UE.

Mas a Turquia já abriga em seu território mais de dois milhões de sírios, para uma população de 78 milhões. Na verdade, de acordo com o ACNUR, 86% dos refugiados no mundo (12,4 milhões no final de 2014) vivem em países em desenvolvimento ou emergentes. Por si só, Turquia, Paquistão, Líbano, Irã, Jordânia e Etiópia abrigam quase metade (45%).



Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×