Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Relatório IPCC sobre o clima Aquecimento global: "os próximos 10 anos serão decisivos"


A sigla CO2 escrita em fogo

Cerca de 36 bilhões de toneladas de CO2 são emitidas ao ano em todo o planeta.

(EPA/Mario Behnke)

Limitar o aumento de temperatura para 1,5 ° C ainda é possível, mas as emissões de CO2 terão que ser zeradas até 2050. É o que afirmam especialistas de clima da ONU num relatório publicado ontem. Membros da equipe de cientistas, dois autores suíços do documento relatam suas considerações.

Não há tempo a perder. Uma frase repetida várias vezes nos últimos anos, mas que, à luz do último relatório especial do Grupo de Especialistas em Clima da ONU (IPCC) - solicitado pelos estados em 2015 - assume um caráter ainda mais premente. Para limitar o aquecimento global a 1,5 ° C (comparado aos níveis pré-industriais), o balanço líquido entre as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem e as absorvidas pelos ecossistemas terá que ser zero até 2050, diz o IPCC.

O acordo de Paris sobre o clima, assinado em 2015, almeja o objetivo de "limitar o aumento de temperatura bem abaixo de 2 ° C, visando um aumento máximo de 1,5 ° C. pedidos pelos países insulares, que são os mais vulneráveis, porque são diretamente ameaçados pelo aumento do nível do mar.

A "grande responsabilidade da Suíça"

Os dados científicos contidos no relatório SR15 do IPCC representam um sinal de alerta para os principais líderes políticos do planeta, indica em um comunicado Georg Klingler, especialista em clima do Greenpeace Suíça. O governo e o parlamento suíços (que em breve começará a discutir a revisão da lei de CO2), bem como as empresas suíças, devem mostrar o caminho a seguir, diz ele. 

"A Suíça tem uma grande responsabilidade: os fundos investidos no mundo pelo mercado financeiro suíço representam 20 vezes mais emissões do que os da população e das empresas na Suíça. (...) Os empréstimos concedidos a empresas que operam com as piores formas de energia fóssil para o clima, como o carvão e as areias betuminosas, devem cessar imediatamente ", diz ele.

O aspecto mais significativo e novo do relatório - que é baseado na análise de cerca de 6.000 estudos científicos - é que há uma grande diferença entre um aquecimento de 2 e 1,5 graus, explica Sonia Seneviratne, do Instituto de Ciências. Condições Atmosféricas e Climáticas do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETH-Z), e co-autora principal do relatório do IPCC. "Um passo a mais aumenta o risco de secas e chuvas extremas, tanto no mundo quanto na Suíça", observa, lembrando que um aumento de 1,5 ° C no mundo significa quase o dobro na Suíça.

Desde 1850, a temperatura média do planeta cresceu em um grau. Um aumento que pode parecer mínimo, mas cujos efeitos já são claramente perceptíveis, enfatiza Sonia Seneviratne. "Basta pensar no que aconteceu este ano, com incêndios na Califórnia ou ondas de calor e secas, mesmo na Suíça".

A contribuição da Suíça

O objetivo de 1,5 ° C é "em princípio possível", diz Andreas Fischlin, professor da ETH-Z e também co-autor do relatório do IPCC. No entanto, uma transformação rápida e profunda a nível técnico e social é necessária, enfatiza. "Os próximos dez anos serão decisivos".

Para essa mudança, será necessário, em particular, aumentar a contribuição das energias renováveis na produção de eletricidade (e chegar a 70-85% em 2050, contra os 25% hoje) e renunciar completamente ao carvão. Também será necessário aumentar a absorção de CO2 da atmosfera com o aumento de áreas arborizadas e o desenvolvimento de tecnologias de seqüestro de CO2.

Um campo em que a Suíça está "na vanguarda" e onde pode dar impulso, acredita Sonia Seneviratne. "A start-up Zurich Climeworks é uma das três empresas globais que trabalham na captura de CO2, mas o problema é que esse processo é caro no momento e ainda não há soluções para o armazenamento de CO2 em grande escala".

Que efeito o relatório do IPCC terá sobre os governos do planeta, será visto em breve. Em dezembro, negociadores e autoridades políticas se reunirão em Katowice (Polônia) para a Conferência Internacional do Clima das Nações Unidas COP24. Os países terão que iniciar um processo de revisão dos compromissos assumidos em 2015, que, de acordo com as projeções, são insuficientes para alcançar o objetivo “menos ambicioso” dos dois graus.

Gráfico de aquecimento global
(swissinfo.ch)


24.000 pesquisadores em 34 páginas

O relatório do IPCC foi escrito por 91 autores, incluindo dois suíços, de 40 países. Sua síntese, coletada em 34 páginas para políticos e autoridades, é o resultado do trabalho de cerca de 24.000 pesquisadores que analisaram mais de 6.000 publicações científicas. No total, o relatório teve mais de 40.000 comentários.

Aqui termina o infobox
Aqui termina o infobox
Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.