Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ossos humanos são vistos em vala em Inn Din 8/12/2017

(reuters_tickers)

(Reuters) - Uma investigação da Reuters sobre assassinatos de muçulmanos rohingyas em Mianmar gerou uma exigência de Washington por uma investigação crível sobre o derramamento de sangue no país e pedidos pela libertação de dois jornalistas que foram presos enquanto trabalhavam na reportagem.

A reportagem especial, publicada durante a noite, detalha acontecimentos que levaram ao assassinato de 10 homens rohingyas do vilarejo de Inn Din, no Estado de Rakhine, que foram enterrados em uma vala comum após serem mutilados até a morte ou baleados por vizinhos budistas e soldados.

    “Assim como outros relatos anteriores de valas comuns, esta reportagem destaca a contínua e urgente necessidade de autoridades birmanesas cooperarem com uma investigação independente e crível sobre as acusações de atrocidades em Rakhine, no norte”, disse a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert.

    “Tal investigação irá ajudar a fornecer uma imagem mais completa do que aconteceu, esclarecer as identidades das vítimas, identificar os responsáveis por abusos de direitos humanos e violações, e avançar esforços por justiça e responsabilidade”, disse.

    A Organização das Nações Unidas descreveu nesta sexta-feira os detalhes da reportagem da Reuters como “alarmantes” e disse que a reportagem mostrou a necessidade de uma “investigação completa e minuciosa” sobre a violência no Estado de Rakhine.

    A missão de Mianmar na ONU não estava imediatamente disponível para comentários.

    A reportagem da Reuters teve como base entrevistas com budistas que confessaram ter queimado casas rohingyas, enterrado corpos e matado muçulmanos no que disseram ter sido um frenesi de violência desencadeado quando insurgentes rohingyas atacaram postos da segurança em agosto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters