Reuters internacional

NOVA DÉLHI (Reuters) - Uma anistia concedida pelo governo para sonegação de impostos na Índia levou dezenas de milhares de suspeitos de irregularidades a revelarem cerca de 10 bilhões de dólares em renda não declarada, disse o ministério das Finanças neste sábado.

O governo do primeiro ministro Narendra Modi enviou cerca de 700 mil notificações mais cedo neste ano a suspeitos de sonegação, para convencê-los a declarar sua renda e ativos até então ocultos, conhecidos como "dinheiro negro" na Índia, com a promessa de que eles não serão processados pelas autoridades se legalizarem os recursos mediante o pagamento de uma multa.

O ministro das Finanças, Arun Jaitley, disse a jornalistas que o processo, que durou quatro meses e foi encerrado na sexta-feira, levou a 64.275 declarações, o que resultou em 652,5 bilhões de rúpias (9,8 bilhões de dólares) em descobertas de recursos até então escondidos pelos sonegadores.

Jaitley adicionou que o número final da iniciativa provavelmente será ainda maior. Com os impostos devidos e multas de 45 por cento, o governo poderia levantar mais de 293,6 bilhões de rúpias (4,41 bilhões de dólares) com esse dinheiro não declarado, segundo cálculos da Reuters.

Não havia uma meta oficial para a iniciativa, mas autoridades do governo tinham um objetivo interno de levantar cerca de 7,5 bilhões de dólares.

Durante as eleições de 2014, Modi prometeu trazer de volta bilhões de dólares em "dinheiro negro" se eleito.

Em seu Twitter, ele disse que o resultado do processo foi "um sucesso" e representa "uma grande contribuição para a transparência e o crescimento da economia".

Na Índia, um país com 1,3 bilhão de habitantes, menos de 18 mil pessoas declararam renda anual de 10 milhões de rúpias ou mais em 2012/13, segundo os últimos dados oficiais.

(1 dólar = 66,5458 rúpias indianas)

(Por Aditya Kalra)

reuters_tickers

 Reuters internacional