Reuters internacional

DHAKA (Reuters) - Com a padaria Holey Artisan na parte de baixo e o restaurante O'Kitchen em cima, esse estabelecimento em Dhaka, Bangladesh, com amplas janelas e vista para um belo gramado, sugere um oásis em uma cidade cada vez mais perigosa. 

Essa ilusão acabou às 21h (horário local) de sexta-feira, após homens armados terem entrado pela porta do local que vende profiteroles e pizzas para a elite de Dhaka. 

“É um lugar elegante: diplomatas, homens de negócio e políticos se encontram aqui”, disse Agnese Barolo, esposa do conselheiro de assuntos internacionais do primeiro-ministro de Bangladesh.

"Acordos comerciais foram decididos, discussões políticas aconteceram aqui.”

Em Bangladesh, onde houve recentemente notícias de grupos jihadistas concorrentes ameaçando de morte liberais, minorias religiosas e outros, esse era, segundo ela, um lugar especial. 

Ainda não está claro o impacto mais amplo que a chacina - que deixou 20 civis, dois policiais e seis agressores mortos - terá na vida e nos negócios do país do sudeste asiático que depende de investimentos estrangeiros e de um setor de exportação de vestuário de 26 bilhões de dólares. 

O Banco Mundial já havia alertado anteriormente que a militância poderia tirar Bangladesh dos trilhos em direção a se tornar um país de renda média. 

A maioria das 20 pessoas mortas pelos militantes no restaurante eram estrangeiros, de acordo com um porta-voz do Exército. Um representante do ministério do Interior relatou que, segundo sobreviventes, os militantes disseram aos locais para ficarem fora do caminho.  

(Por Serajul Quadir e Ruma Paul)

reuters_tickers

 Reuters internacional