Reuters internacional

DIARBAKIR, Turquia (Reuters) - Dois ataques a bomba nesta quinta-feira mataram sete membros das forças de segurança e feriram 224 pessoas no sudeste da Turquia, disseram autoridades e fontes da segurança, em nova onda de violência pela região.

Um carro-bomba invadiu uma delegacia na cidade de Elazig por volta das 9h20, horário local, quando policiais chegavam para trabalhar. Três policiais foram mortos e 217 pessoas ficaram feridas, sendo 85 delas policiais, disse o primeiro-ministro Binali Yildirim.

Imagens da rede CNN Turk mostraram escritórios da delegacia em ruínas e repletos de fumaça após a explosão, destruindo parte da fachada.

Pouco menos de quatro horas depois, uma bomba destruiu um veículo militar no distrito de Hizan, disseram fontes da segurança.

Elas dizem que a explosão matou três soldados e um membro da milícia mantida pelo Estado, além de ferir outros sete soldados.

Ninguém reivindicou responsabilidade imediata pelos ataques, mas Yildirim disse que não há dúvidas de que foram realizados pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), visto pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia como organização terrorista.

"O grupo terrorista perdeu sua cadeia de comando. Seus elementos infiltrados (na Turquia) estão realizando ataques-suicida aleatórios onde têm oportunidade", disse Yildirim a repórteres em Elazig.

"Subimos o nível de alarme um nível mais alto", ele acrescentou, no local de ataque, onde uma multidão gritava contra o PKK.

O grupo realizou dezenas de ataques contra instalações policiais e militares desde 2015 no sudeste turco, de maioria turca, como parte de sua luta por maior autonomia para os cerca de 15 milhões de curdos na Turquia.

reuters_tickers

 Reuters internacional