Reuters internacional

Por John Whitesides

WASHINGTON (Reuters) - O democrata Bernie Sanders intensificou sua briga com os líderes do partido neste domingo ao apoiar um novo nome para o cargo de presidente do Comitê Nacional Democrata e acusar o núcleo do partido de favorecer Hillary Clinton na corrida pela nomeação democrata.

Em uma série de entrevistas de televisão, Sanders prometeu permanecer firme no páreo eleitoral apesar de reconhecer que o duelo com Clinton é muito difícil. 

Ele disse ao programa "This Week", da ABC, que os americanos não deveriam ter de escolher entre "o menor de dois males" nas eleições do dia 8 de novembro, diante do provável escolhido do Partido Republicano, Donald Trump.

Sanders disse que, caso ganhe a disputa pela Casa Branca, não irá colocar novamente Debbie Wasserman Schulz no cargo de presidente do Comitê Nacional Democrata. E ainda apoiou o nome do professor de Direito Tim Canova, que é o principal adversário de Schulz nas primárias do Partido Democrata. 

"Honestamente, o que o Partido Democrata está fazendo é arrecadar quantias obscenas de dinheiro de gente rica. O que nós precisamos fazer é dizer para as pessoas da classe trabalhadora que nós estamos ao lado delas", disse.

O tom desafiador de Sanders, que é senador pelo estado de Vermont, tem preocupado alguns democratas ansiosos para ver Clinton unificar o partido e voltar suas atenções para o duelo com Trump.

Trump ganhou terreno nas pesquisas de opinião assim que republicanos começaram a se reunir em torno de sua provável candidatura. Uma pesquisa do Washington Post e da ABC News divulgada neste domingo mostrou Trump com uma vantagem de 2 pontos sobre Clinton, dentro da margem de erro. 

No início de março, Clinton vencia Trump por 9 pontos percentuais na mesma sondagem.

Sanders, no entanto, tem ignorado os apelos dos democratas para se retirar da campanha e repetiu sua promessa de permanecer na corrida até a convenção do partido na Filadélfia, entre os dias 25 e 28 de julho, embora Clinton conte com a esmagadora maioria dos delegados necessários para conquistar a nomeação.

reuters_tickers

 Reuters internacional