Reuters internacional

PEQUIM (Reuters) - O Partido Comunista da China indicou neste domingo um novo membro de seu alto escalão para governar o Tibet, cargo considerado um dos mais sensíveis politicamente devido aos protestos periódicos contra o domínio chinês na região profundamente budista do Himalaia.

A agência de notícias oficial Xinhua informou Wu Yingjie como o próximo secretário do partido para o Tibet. Novos líderes também foram indicados em duas outras províncias essenciais, como parte de uma ampla reorganização antes de uma importante reunião partidária no próximo ano.

Wu fez quase toda sua carreira no Tibet, de acordo com seu currículo oficial, tendo previamente servido como vice-governador e chefe de propaganda, entre outras funções.

Assim como seu predecessor, Chen Quanguo, Wu pertence ao Han, grupo étnico majoritário na China. A Xinhua disse que Chen assumirá outro cargo, sem dar mais detalhes.

Tropas comunistas entraram e assumiram o controle no Tibet em 1950, no que Pequim diz ter sido uma "libertação pacífica". O líder espiritual tibetano, Dalai Lama, fugiu para a Índia em 1959, depois de um levante fracassado contra os chineses.

(Reportagem de Ben Blanchard)

reuters_tickers

 Reuters internacional