Reuters internacional

CINGAPURA (Reuters) - Autoridades de Cingapura confirmaram 41 casos de infecção local pelo vírus da zika, doença que no Brasil foi ligada à má-formação em bebês, e disseram que mais casos ainda devem ser identificados.

Entre os infectados estão 36 operários estrangeiros da construção civil que trabalhavam em um canteiro de obras próximo a Aljunied, no sudeste da ilha, informou o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Meio Ambiente em um comunicado conjunto, neste domingo.

No sábado, as autoridades haviam confirmado o primeiro caso de infecção de zika por meio de transmissão local do vírus, em uma malaia de 47 anos, também na área de Aljunied.

"O Ministério da Saúde não pode descartar novas transmissões nas comunidades de Cingapura, pois alguns dos que testaram positivo também moram e trabalham em outras partes de Cingapura", disse o comunicado. "Esperamos identificar mais casos positivos."

As autoridades disseram ter examinado 124 pessoas, sobretudo operários da construção civil. Desses, 78 testaram negativo e cinco casos ficaram pendentes. Outros 34 pacientes já se recuperaram completamente. Não ficou imediatamente clara qual a origem dos trabalhadores estrangeiros, mas Cingapura recebe um grande número de operários do subcontinente asiático.

"Todos os casos são de moradores ou trabalhadores na áreas do Aljunied Crescente/Sims Drive", diz o comunicado.

"Não há conhecimento de que os infectados tenham viajado recentemente para regiões afetados pelo zika, e foram assim provavelmente infectados em Cingapura. Isso confirma a ocorrência de transmissão local do vírus da zika”, acrescenta o texto.

(Reportagem de Marius Zaharia e A. Ananthalakshmi)

reuters_tickers

 Reuters internacional