Reuters internacional

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. 18/09/2016 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na terça-feira que, se os membros fundadores do Mercosul expulsarem seu país do grupo, ele entrará "pela janela".

Na semana passada, Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai alertaram a Venezuela que o país tem até dezembro para cumprir os requisitos de filiação ou será suspensa do Mercado Comum do Sul.

"Já não podem questionar a presidência pro tempore da Venezuela no Mercosul, agora dizem que vão nos expulsar", disse Maduro durante seu programa semanal de televisão.

"Expulsar-nos? Pois sim! Se nos mandam embora pela porta, nós entramos pela janela, mas do Mercosul ninguém tira a Venezuela", acrescentou.

O mandatário rechaçou o ultimato dos demais integrantes do bloco regional e garantiu que seu país exerce plenamente a presidência pro tempore do grupo.

"O que está tentando fazer a tríplice aliança dos governos neoliberais, de direita, antipopulares, pró-imperialistas de Paraguai, Brasil e Argentina não tem nome", disse Maduro, um ex-motorista de ônibus, de 53 anos.

Na segunda-feira, os membros fundadores do Mercosul se reuniram em Nova York por ocasião da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) sem a presença da Venezuela.

O Mercosul vem pendendo para a direita nos últimos meses, depois de passar anos dominado por governos de centro-esquerda.

A disputa sobre a liderança do bloco paralisou as operações cotidianas do grupo e as negociações comerciais com outros países e blocos, o que finalmente obrigou o Uruguai a aceitar uma postura mais dura em relação a Caracas.

(Por Diego Oré)

reuters_tickers

 Reuters internacional