Reuters internacional

Mosquitos Aedes aegypti em laboratório de Campinas. 2/2/2016. REUTERS/Paulo Whitaker

(reuters_tickers)

Por Julie Steenhuysen

CHICAGO (Reuters) - Mosquitos adultos fêmeas podem repassar o vírus Zika para sua prole, disseram pesquisadores dos Estados Unidos nesta segunda-feira, uma descoberta que deixa clara a necessidade de programas de pesticidas que matem tantos os mosquitos adultos quanto os seus ovos.

A descoberta, publicada no periódico American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, mostra que, como ocorre com muitos vírus relacionados, incluindo o da dengue e o da febre amarela, o Zika pode ser transmitido dos mosquitos fêmeas para a sua prole.

Robert Tesh, do departamento de medicina da Universidade do Texas em Galveston, um dos autores do estudo, declarou que o fato de o vírus poder ser repassado para a prole do mosquito torna o Zika mais difícil de controlar.

"A pulverização afeta os adultos, mas não mata geralmente as formas imaturas, como ovos e larvas. Pulverização vai reduzir a transmissão, mas pode não eliminar o vírus”, afirmou ele.

Embora o Zika cause no geral doença leve em adultos, ele é uma grande ameaça para gestantes porque tem sido mostrado que ele resulta em problemas graves para os bebês, como a microcefalia.

O atual surto de Zika foi detectado primeiramente no ano passado no Brasil, onde o vírus foi associado com mais de 1.800 casos de microcefalia, e desde então se espalhou rapidamente pelas Américas.

O Aedes aegypti, o mosquito que transmite o Zika, coloca ovos em pequenos acúmulos de água. As pessoas têm sido aconselhadas a esvaziar recipientes de água nas suas casas. Quando a água se acumula, os ovos formam um anel em volta da linha da água, onde eles permanecem dormentes até a próxima chuva, quando eles podem se abrir.

Cientistas que estudam o Zika queriam descobrir se alguma parte da prole desses mosquitos tropicais poderia carregar o vírus, ajudando a perpetuar o surto durante as estações secas.

Para isso, pesquisadores injetaram o Zika em mosquitos Aedes aegypti fêmeas criados em laboratório. Eles foram alimentados e, em uma semana, colocaram ovos. A equipe coletou e cuidou dos ovos até eles darem vida a mosquitos adultos, quando ela contou o número deles que carregava o vírus.

Em cada 290 mosquitos testados, eles encontraram o vírus em um mosquito.

"A proporção pode parecer baixa”, disse Tesh, “mas, quando você leva em conta o número de Aedes aegypti numa comunidade urbana tropical, ela é provavelmente alta o suficiente para permitir que o vírus persista, mesmo quando os adultos infectados são mortos.”

reuters_tickers

 Reuters internacional