Reuters internacional

Homenagem a vítimas de ataque a boate em Orlando. 14/6/2016. REUTERS/Jim Young

(reuters_tickers)

ORLANDO, EUA (Reuters) - A mulher do atirador que matou 49 pessoas em uma boate gay em Orlando sabia de seus planos para o ataque e em breve poderá ser acusada por ligação com o tiroteio mais mortal na história dos Estados Unidos, disse uma fonte policial nesta terça-feira.

A fonte, que foi informada sobre o assunto, declarou à Reuters que um júri federal tinha sido convocado e poderia acusar a mulher de Omar Mateen, Noor Salman, até quarta-feira.

A FoxNews.com, citando uma fonte do FBI, disse que os promotores estavam buscando indiciar Salman como adicional de 49 acusações de assassinato e 53 tentativas de homicídio, além de não ter avisado a polícia sobre o ataque e ter mentido a agentes federais.

"Parece que ela tinha algum conhecimento do que estava acontecendo", disse o senador norte-americano Angus King, membro do Comitê de Inteligência do Senado, que recebeu informações sobre o ataque na terça-feira.

Mateen, que foi morto a tiros pela polícia depois de um impasse de três horas na manhã de domingo, ligou para a polícia durante seu ataque para jurar lealdade a vários grupos militantes islâmicos.

reuters_tickers

 Reuters internacional