Reuters internacional

Pertences de prisioneiros do campo de extermínio nazista de Auschwitz em museu de Oswiecim. 8/6/2016. Agencja Gazeta/Lukasz Krajewski/via REUTERS

(reuters_tickers)

OSWIECIM, Polônia (Reuters) - Mais de 16 mil pertences de vítimas do campo de extermínio nazista de Auschwitz foram recuperados na Polônia décadas depois de terem sido guardados e logo esquecidos.

O museu Auschwitz-Birkenau, localizado em Oswiecim, no sul polonês, disse que itens como joias, termômetros, talheres, frascos de remédios vazios, chaves e escovas foram descobertos em 1967 por arqueólogos que vasculhavam uma área ocupada por uma câmara de gás e um crematório durante a Segunda Guerra Mundial.

Descritos como "os últimos pertences pessoais dos judeus levados à morte nas câmaras de gás depois de uma seleção na rampa", o museu afirmou que eles ficaram armazenados em 48 caixas de papelão na Academia Polonesa de Ciências de Varsóvia e que foram deixados ali até a instituição os rastrear recentemente, graças a um filme de 1967.

"Estes são itens que pertenceram a judeus da Polônia, da Hungria e de toda a Europa. Eles chegaram ao limiar das câmaras de gás só com suas roupas, com suas bolsinhas", contou o diretor do museu, Piotr Cywinski, à Reuters, classificando a coleção de itens como "uma descoberta gigantesca".

reuters_tickers

 Reuters internacional