Reuters internacional

Norueguês Breivik em julgamento em Oslo. 17/42012. REUTERS/Hakon Mosvold Larsen/Divulgação

(reuters_tickers)

OSLO (Reuters) - A Noruega violou os direitos humanos do assassino em massa Anders Behring Breivik ao mantê-lo num “mundo completamente trancado” depois que ele foi condenado por matar 77 pessoas em ataque duplo em 2011, decidiu um tribunal nesta quarta-feira.

A sentença, que surpreendeu muitos, apontou que o assassino foi submetido a revistas íntimas, era despertado a cada hora por guardas durantes longos períodos e também que as autoridades haviam feito pouco para aliviar o impacto do seu isolamento.

Um sobrevivente do ataque a tiros de Breivik disse que a decisão “parecia um pouco como ser socado no estômago”, e um editorial de jornal denunciou a sentença como “errada”. Um professor de direito afirmou que provavelmente haverá apelação.

Breivik matou oito pessoas numa ação a bomba em Oslo em julho de 2011, antes de atacar uma reunião de juventude do Partido Trabalhista numa ilha a noroeste da capital, matando 69 pessoas.

Ele processou as autoridades norueguesas em março, as acusando de expô-lo a tratamento ou punição desumanos e degradantes.

Breivik reclamou do seu isolamento de outros prisioneiros e de pessoas de fora da prisão que não fossem profissionais.

"A proibição de tratamento inumano e degradante representa um valor fundamental numa sociedade democrática. Isso se aplica e qualquer situação – também no tratamento de terroristas e assassinos”, afirmou a juíza Helen Andenaes Sekulic na sua sentença.

(Por Gwladys Fouche e Alister Doyle)

reuters_tickers

 Reuters internacional